Nagô, nagô, nagô

africanismos no português brasileiro

Autores

  • José Luiz Xavier Filho Prefeitura Municipal da Lagoa dos Gatos - PE

Palavras-chave:

Projeto Pedagógico, Ensino de História, Língua Portuguesa, Cultura Afro-brasileira

Resumo

Quando pensamos e trabalhamos África em sala de aula, explanamos algo como distante, do outro lado do oceano. Mas também precisamos entender que África também está aqui, nas nossas raízes históricas, no nosso sangue e pele, naquilo que comemos e principalmente naquilo que falamos. Este artigo nasceu de um projeto pedagógico chamado “Dicionário Afro-brasileiro”, vivenciado nas aulas de História, com turmas de 6º ao 9º do Ensino Fundamental dos Anos Finais, em uma escola de rede pública, objetivando ressignificar a contribuição dos negros e negras na construção do português brasileiro. Ressaltamos também importância da aplicação da Lei 10.639/2003 e sua efetivação em sala de aula. Entendemos que os docentes, junto aos alunos, devem somar, articular e proporcionar novos momentos de descoberta, socializar pesquisas e as elaborações feitas pelos discentes em forma de apresentação, via Google Meet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONVINI, Emílio. Línguas africanas e o português falado no Brasil. In: FIORIN, J.L.; PETTER, M.. África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2009.

BRODECK, Marta de Souza Lima. Vivenciando a história: metodologia de ensino da História. Curitiba: Base Editoria, 2012.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Os falares africanos na interação social do Brasil Colônia. Salvador: UFBA/CEAO, 1980.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia (Um vocabulário afro-brasileiro). Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

COUTO, Hildo Honório do. Anti-crioulo: notas sobre as comunidades de descendentes de escravos. Brasília: Thesaurus, 1992.

CUNHA-HENCKEL, Rosa. Tráfego de palavras: africanismos de origem banto na obra de José Lins do Rego. Recife: Fundaj. Ed. Massangana, 2005.

ELIA, Silvio. A unidade linguística do Brasil. Rio de Janeiro: Padrão, 1979.

FAZENDA, IVANI. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, Coleção Educar. v. 13. 1991.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012.

HERNÁNDEZ, Fernando e VENTURA, Montserrat. A organização do currículo por projetos de trabalho. O conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1998.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Ed. Objetiva, 2001.

KARNAL, Leandro (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003.

MELO, Gladstone Chaves de. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Padrão, 1946.

MENDONÇA, Renato. A influência africana no português do Brasil. Rio de Janeiro: Sauer, 2012.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

NARO, A.; SCHERRE, Marta. Sobre as origens do português popular do Brasil. Revista D.E.L.TA. São Paulo, 9, n. especial: 437-454, 1993.

PINTO, Edith Pimentel. O português do Brasil: textos críticos e teóricos, 2: 1920-1945; fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro/São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/Editora da USP, 1981.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar História. São Paulo: Scipione, 2009.

SNYDERS, Georges. Feliz na Universidade. Estudo a partir de algumas biografias. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

SILVA NETO, Serafim da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Presença, 1950.

TARDIFF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TEIXEIRA, Anísio. Educação e mundo moderno. São Paulo: Nacional, 1969.

VEIGA, Ilma. A Construção da Didática uma perspectiva histórico-critíca de educação estudo introdutório In: OLIVEIRA, M.R.S. (org.) Didática: ruptura, compromisso e pesquisa. Campinas: Papirus, 1993.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

(1)
Xavier Filho, J. L. Nagô, nagô, nagô: Africanismos No Português Brasileiro. FDC 2021, 7, 55-71.