Intervenções psicossociais para transtornos mentais comuns: percepções e demandas formativas na medicina de família e comunidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1809-8363.2022.v25.35467

Palavras-chave:

Transtornos mentais, Atenção Primária à Saúde, Medicina de Família e Comunidade, Internato e residência

Resumo

Intervenções psicossociais (IPs) são recomendadas para abordagem de transtornos mentais comuns (TMC) por médicos de família e comunidade. São necessários estudos que ampliem o diagnóstico do uso de IPs por esses profissionais em cenários de Atenção Primária à Saúde (APS). Este trabalho objetivou investigar como tem sido percebida por residentes do segundo ano (R2) de programas de residência em Medicina de Família e Comunidade de Minas Gerais a utilização de IPs no manejo de TMC. Trata-se de estudo descritivo, quantitativo, realizado por meio de questionário semiestruturado aplicado entre outubro e novembro de 2020. Dos 102 residentes R2 ativos no estado, 46 participaram da pesquisa. Os residentes são, em sua maioria, mulheres (67,4%), com idade média de 30 anos. Quase a totalidade dos residentes (97,7%) afirmou utilizar IPs para a abordagem de TMC, mas somente 53,4% referiram aplicar eles mesmos essas IPs em mais da metade dos casos. As IPs menos utilizadas e nas quais eles referiram menor competência foram: terapia de solução de problemas, ativação comportamental e meditação guiada mindfulness. Cerca de 78% relataram sentir dificuldade na utilização de IP e 45,6% consideraram “pouca” ou “nenhuma” a contribuição da residência no aprendizado sobre IP para TMC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flaviano Diego Meirelles Mendes, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Médico de família e comunidade, mestre em Saúde da Família, especialista em preceptoria de residência médica. CV: http://lattes.cnpq.br/0155295125800218

Estela Márcia Saraiva Campos, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Federação das Escolas Federais Isoladas do Estado do Rio de Janeiro (1979), mestra em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e doutora em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). CV: http://lattes.cnpq.br/9892915181255087

Leandro David Wenceslau, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Graduado em medicina, especialista em Medicina Preventiva Social e Medicina de Família e Comunidade, doutor em Saúde Coletiva, professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV).   CV: http://lattes.cnpq.br/7281740848355857 

Downloads

Publicado

2022-05-06

Edição

Seção

Artigos Originais