A disputa sobre os quadrinhos: infância, arte e censura na imprensa brasileira

  • Layssa Bauer Von Kulitz Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

A 1ª Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos, inaugurada dia 18 de junho de 1951 no Centro Cultura e Progresso, em São Paulo, foi pioneira em sua tentativa de promover os quadrinhos à condição de linguagem artística, em paridade com o cinema e a literatura. Ao expor painéis originais que traçavam paralelos entre os quadrinhos, chamada “arte sequencial”, e essas outras formas de mídia, os organizadores, Álvaro de Moya, Jayme Cortez, Syllas Roberg, Reinaldo de Oliveira e Miguel Penteado, engendraram um vigoroso debate acerca do papel formador das histórias em quadrinhos e, mais ainda, dos tênues limiares que separam o que pode vir a ser, ou não, arte. A posição ocupada pelos quadrinhos na imprensa brasileira vinha sendo alargada desde os anos 1940, sendo elas, para além de um passatempo, o objeto de um fragmentário debate público dentro os jornais, do qual a 1ª Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos surgiu como resposta. O acometimento, por um lado, em reiterar os atributos educacionais e lúdicos dos quadrinhos era continuamente freado pela reprimenda de grupos contrários às suas “influências desvirtuantes” e seus “ruidosos efeitos sobre a juventude”. A disputa em favor da consagração das histórias em quadrinhos, por um lado, e em favor da sua censura, por outro, foi a manifestação última de grupos e de projetos bastante distintos, cada qual com imagens bem específicas do que a arte deve ser. A recuperação desse registro, documentado predominantemente por periódicos cariocas e paulistas, passa a ser, então, uma chave para pensar em como o aporte do jornal moderou ricos encontros entre diferentes obras, pessoas e ideias, colocando adiante questionamentos e soluções.

Biografia do Autor

Layssa Bauer Von Kulitz, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutoranda de Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde também obteve o título de Mestra (2017). Atua como pesquisadora nas áreas de Sociologia, História e Antropologia da Arte, concentrando-se em cultura de massas, consumo e artes gráficas. Membro do Núcleo de Pesquisa em Sociologia da Cultura - IFCS/UFRJ, e do Grupo de Pesquisa "Imprensa e circulação de ideias: o papel dos periódicos nos séculos XIX e XX", da Casa Rui Barbosa.
Publicado
2019-07-15