Cidade e turismo: o valor de consumo da (contra)paisagem cultural carioca

Autores

  • Eder Malta PPGS/UFPel

DOI:

https://doi.org/10.34019/2318-101X.2018.v13.12410

Resumo

A patrimonialização da paisagem cultural da cidade do Rio de Janeiro foi uma estratégica política de valorização paisagística, revitalização das áreas históricas e de recomposição da imagem turística. A partir de revisão de literatura e observações diretas, entendemos que o uso da noção de paisagem cultural, conceito mais abrangente que o de patrimônio histórico, tornou-se um importante recurso para reposicionar o Rio no processo global de concorrência intercidades, ao tempo que conformou um processo de concorrência intracidade em torno da paisagem turística. Diversas ações público-privadas foram implantadas para agregar “valor de consumo” aos bens culturais, atrair investimentos e capitais que, por um lado, estimularam o enobrecimento de espaços públicos, inclusive de favelas. Por outro, as favelas tornaram-se uma “contra-paisagem”, ora inserida no mapa turístico, ora ameaçadas de remoção.

Biografia do Autor

Eder Malta, PPGS/UFPel

Pós-doutorado (PNPD/CAPES) pelo PPGS/UFPel. Doutor em Sociologia PPGS/UFS.

Downloads

Publicado

2018-12-20