O processo de secularização do Brasil no limiar da República e a criminalização do espiritismo

Autores

  • Adriana Gomes

Palavras-chave:

secularização brasileira, espiritismo, Código Penal de 1890

Resumo

O presente artigo se propõe a discutir as especificidades da secularização brasileira na Primeira República em que se evidenciaram as complexidades das relações entre a religião e a sociedade. No advento do novo regime, o Estado não definiu, no quadro de religiosidades proferidas pela população, o que era considerado religião e, portanto, com direito à proteção legal, das práticas consideradas antissociais e crime contra a tranquilidade pública. Nesse contexto, o espiritismo Kardequiano foi inserido como uma prática anômica para os critérios de “civilidade” estabelecidos, sobretudo para a capital federal – Rio de Janeiro. Aos seus adeptos, coube o ônus de buscarem representatividade no espaço público a fim de obterem o reconhecimento de suas práticas como sendo religiosas e não criminosas, legitimando-se nos princípios da liberdade individual e de consciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARVALHO, José Murilo. Os Bestializados: a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
FERREIRA, Júlio de Andrade. História da Igreja Presbiteriana no Brasil. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1992.
GIUMBELLI, Emerson. O Fim da Religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial, 2002.
LEITE, Fábio Carvalho Laicismo e outros exageros sobre a Primeira República. Religião & Sociedade. Vol.31, n.1, 32-60, 2011.
MONTERO, Paula. Religião, Pluralismo e Esfera Pública no Brasil. Novos Estudos, n.74, pp. 47-65, 2006.
ORO, Ari Pedro. Considerações sobre a liberdade religiosa no Brasil. Ciências & Letras, n. 37, pp. 433-447, 2005.
RODRIGUES, Antônio Edmilson. Em algum lugar do passado: cultura e história na cidade do Rio de Janeiro. In: Capital e Capitalidade. Rio de Janeiro: UERJ, pp. 11-43, 2002.
SCHRITZMEYER, Ana Lucia Pastore. Sortilégio dos Saberes: curandeiros e juízes nos tribunais brasileiros (1900-1990). São Paulo: IBCCRIM, 2004.
TERSIER, Pedro. História das Perseguições Religiosas no Brasil. (Tomo I). São Paulo: Cultura Moderna, 1936.
VIEIRA, Dilermando Ramos. O processo de Reforma e a Reorganização da Igreja no Brasil (1844-1926). São Paulo: Editora Santuário, 2007.
WEBER, Beatriz. As Artes de Curar: medicina, religião, magia e positivismo na república Rio Grandense – 1889-1928. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado
Coração, 1999.

Downloads

Publicado

2013-03-03

Como Citar

GOMES, A. O processo de secularização do Brasil no limiar da República e a criminalização do espiritismo. Sacrilegens , [S. l.], v. 10, n. 1, p. 83–93, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/26745. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Temática Livre