Da diferença natural à diferença moral entre os sexos: uma perspectiva freudiana

  • Elizabeth Fátima Teodoro Universidade Federal de São João del-Rei
  • Wilson Camilo Chaves Universidade Federal de São João del-Rei
Palavras-chave: Freud, Psicanálise e cultura, Sexualidade

Resumo

Apresenta-se, neste artigo, uma cartografia da diferença sexual, no intuito de refletir sobre as marcas sócio históricas ocidentais que repercutiram na elaboração da teoria freudiana sobre a sexualidade moderna. Em decorrência dessa reflexão, percebe-se que o discurso referente à diferença natural entre os sexos é recente, motivo pelo qual não devemos tratá-lo com naturalidade. Entende-se que os pressupostos que possibilitaram o nascimento da psicanálise não escapam às tentativas cientificistas de estabelecer a natureza das sexualidades masculina e feminina. Entretanto, ao deslocar o foco da sexualidade do biológico para o psíquico, Freud opera uma leitura que evidencia as marcas de um discurso moral que se mostrava na construção dos laços sociais entre os gêneros, que perpetua, em grande medida, no contemporâneo.     

Biografia do Autor

Elizabeth Fátima Teodoro, Universidade Federal de São João del-Rei

Enfermeira graduada pelo Centro Universitário de Formiga (Unifor/MG). Pós-graduada em "Gestão em Saúde Mental"pela Universidade Candido Mendes. Graduanda em
Psicologia pela Universidade Estadual de Minas Gerais-UEMG / Divinópolis. Mestranda em Psicologia, na linha de pesquisa “Fundamentos teóricos e filosóficos da Psicologia”,
pela Universidade Federal de São João del-Rei.

Publicado
2020-03-16