PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS DO HUMOR E DE ANSIEDADE EM SERVIDORES PÚBLICOS AFASTADOS

  • Rafaela Luiza Trevisan Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Roberto Moraes Cruz Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.
  • Davi Baasch Faculdades CESUSC.
  • Diogo Picchioni Soares Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa Catarina.
  • Ricelli Endrigo Ruppel da Rocha Docente UNIARP e UNOESC.
  • Fabiola Polo de Lima Doutoranda PPGPsi-UFSC.
Palavras-chave: SERVIDORES PÚBLICOS. TRANSTORNOS MENTAIS; ABSENTEISMO-DOENÇA

Resumo

Os transtornos do humor e de ansiedade destacam-se como causa de absenteísmo-doença. O objetivo foi verificar a associação entre variáveis socioeconômicas e ocupacional com as prevalências destes transtornos, na população de servidores públicos catarinenses. Trata-se de uma pesquisa quantitativa com delineamento transversal, de abordagem descritiva e analítica. Verificou-se que 19,31%, do total de servidores esteve em licença tratamento de saúde, pelo menos uma vez, no período analisado (2010-13) (8.765 casos). Transtornos do humor e transtornos de ansiedade apresentaram respectivamente prevalências de 57,4% e 39,5%. Nestes grupos verificou-se associação com sexo, idade, estado civil, escolaridade, faixa salarial e tempo de serviço. Os resultados indicam possibilidade de identificar preditores sociodemográficos e ocupacionais destes transtornos mentais nesta população. 

Biografia do Autor

Rafaela Luiza Trevisan, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Psicóloga na Secretaria de Estado da Administração de Santa Catarina, Diretoria de Saúde do Servidor, desde 2006. Mestra e doutoranda em psicologia pela UFSC. Atua na área de avaliação psicólogica em saúde do servidor público e no desenvolvimento de pesquisas em saúde mental e trabalho no âmbito da administração pública direta de Santa Catarina.

Roberto Moraes Cruz, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

Psicólogo, especialista em avaliação psicológica, ergonomia e psicologia ocupacional, doutor em Engenharia de Produção (Ergonomia), pós-doutorado em Métodos e Diagnóstico. Professor e pesquisador do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina.Coordenador do Laboratório Fator Humano (UFSC).

Davi Baasch, Faculdades CESUSC.
Doutor em psicologia, mestre em administração e psicólogo pela UFSC e mestre em psicologia do trabalho e das organizações pelas universidades Paris V (França) e Bologna (Itália). Compõe o Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (BASis), gerenciado pelo INEP/MEC.
Diogo Picchioni Soares, Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa Catarina.
Psicólogo, Especialista em Psicologia do Trabalho e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. 
Ricelli Endrigo Ruppel da Rocha, Docente UNIARP e UNOESC.

 Mestre em Educação Física pela UFPR, Doutor Ciências Biomédicas pelo INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ITALIANO IUNIR. Docente do programa de Mestrado Interdisciplinar em Desenvolvimento e Sociedade e do Mestrado profissional em Educação Básica da UNIARP. Chefe da Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde (RIES).

Fabiola Polo de Lima, Doutoranda PPGPsi-UFSC.

Psicóloga, doutoranda em Psicologia e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Possui especialização em Avaliação Psicológica. 

Publicado
2019-11-06