Políticas sociais e subjetividade: discussões a partir do contexto neoliberal

  • Rafael Bianchi Silva Universidade Estadual de Londrina
  • Ana Clara Siena Alexandre Universidade Estadual de Londrina

Resumo

O presente artigo é resultado de uma pesquisa envolvendo as questões da subjetividade em detrimento de um recente projeto político que se desenvolve no Brasil: o neoliberalismo. É a partir desses elementos que objetiva-se a discussão acerca das influências neoliberais, as quais acarretam em novos modos de gestão política e, consequentemente, propicia mudanças nas formas de gerir as políticas sociais. Além disso, discute-se sobre tais impactos nas políticas sociais, visto que o neoliberalismo visa o afastamento do Estado dos assuntos sociais e econômicos e seus desdobramentos no que diz respeito a produção de novos modos de subjetivação neste novo cenário político que emerge.

Biografia do Autor

Rafael Bianchi Silva, Universidade Estadual de Londrina
Doutor em Educação (Unesp/Marília). Docente do Departamento de Psicologia Social e Institucional e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).
Ana Clara Siena Alexandre, Universidade Estadual de Londrina
Aluna do curso de Psicologia da Universidade Estadual de Londrina e Bolsista de Iniciação Cientifica (PROIC/UEL).

Referências

Arienti, W.L. (2003). Do Estado keynesiano ao Estado Schumpeteriano. Revista de Economia Política, 23(4/92), 97-113.
Brasil. (2012). Ministério do desenvolvimento social e combate à fome. Orientações técnicas sobre o PAIF. v.1. Brasília, 2012.
Brasil. (2016). Lei nº 8.742 de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica de Assistência Social.
Cerqueira, J.B.A. de. (2008). Uma visão do neoliberalismo: surgimento, atuação e perspectivas. Sitientibus, 39, 169-189.
Domingues, J. M. (1997). Neoliberalismo, racionalidade e subjetividade coletiva. Antropolítica, 2, 79-95.
Ferreira Neto, J.L., & Araújo, J.N.G. de. (2014). Gestão e subjetividade no SUS: o enfrentamento de impasses em tempos neoliberais. Psicologia & Sociedade; 26(3), 675-684.
Forigo, M. V. (2012). Crise do Estado de Bem Estar Social e neoliberalismo. Relações internacionais no mundo atual. 3, 52-62.
Gennari, A. M. (2002). Globalização, neoliberalismo e abertura econômica no Brasil no anos 90. Pesquisa & Debate, 13(1/21), 30-45.
Grisci, C. L.I. (1999). Trabalho, tempo e subjetividade e a constituição do sujeito contemporâneo. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, Edição Especial Temática, 87-106.
Guatarri, F., & Rolnik, S. (1996). Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes.
Harvey, D. (2008). Liberdade é apenas mais uma palavra… In O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008, p.15-47.
Harvey, D. (2008). O estado neoliberal. In O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008, p.75-96.
Ianni, O. (1998). Globalização e neoliberalismo. São Paulo em perspectiva, 12(2), 1998, 27-44.
Lima Júnior, O. P. A. de. (2011). O espírito do capitalismo e a cultura do empreendedorismo: educação e ideologia. 141 fls. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.
Maciel, D. (2011). O governo Collor e o neoliberalismo no Brasil (1990-1992). Revista UFG, 13(11), 98-108.
Magalhães, F.N.C. (2016). O espaço do estado no neoliberalismo: elementos para uma redefinição crítica. GEOgraphia, 37, 35-59.
Mariani, É. J. (2007). A trajetória de implementação do neoliberalismo. Revista Urutágua, Maringá, 13, 1-7.
Mancebo, D. (2002). Modernidade e produção de subjetividades: breve percurso histórico. Psicol. cienc. prof., 22(1).
Mansano, S.R.V. (2009) Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, 8(2), 110-117.
Mello, N. d., & Veronese, O. (2013). Apontamentos sobre globalização, neoliberalismo e a(s) crises(s) dos Estados-nação: a (im)possibilidade da flexibilização da soberania. Direito em debate. 22(40), 241-261.
Mendonça, S. E. A. (2003). Perspectivas para o mercado de trabalho para os próximos anos. Mercado de trabalho, 22, 3-6.
Moraes, R.C. (2002). Reformas neoliberais e políticas públicas: hegemonia ideológica e redefinição das relações Estado-sociedade. Educ. Soc., Campinas, 23(80), 13-24.
Oliveira, S.N. de. (2011). Liderança e produção de subjetividade na era da performance. Revista de Psicologia, 2 (2), 120-126.
Otranto, C.R. (1999). O neoliberalismo como proposta hegemônica. Série Textos CPDA, Nº 10, Setembro/1999, p. 2-7.
Reishoffer, J. C., & Bicalho, P. P. G. de. (2009). Insegurança e produção de subjetividade no Brasil contemporâneo. Fractal: Revista de Psicologia, 21(2), 425-444.
Santos, R. (2016). A retomada do programa neoliberal no governo Temer e seus possíveis impactos sobre a auditoria fiscal do trabalho brasileiro. Cadernos do CEAS, Salvador, n. 239, p. 795-812, 2016.
Sallum Jr., B. (2000). O Brasil sob Cardoso: neoliberalismo e desenvolvimentismo. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, 11(2): 23-47.
Setti, G.A.M. (2002). A hegemonia neoliberal e o capitalismo contemporâneo. Revista Urutágua, 5.
Scheeffer, F., & Cignachi, H. (2013), Liberdade (neo)liberal: que liberdade é essa?. Pensamento Plural, 12, 75 - 89.
Souza, J. de. (2003). Críticas à construção de um Estado neoliberal no Brasil (1987-2002: 15 anos de profundas mudanças). In VIII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Panamá, 28-31 Oct. 2003.
Vasconcelos, V. D. (2015). O empreendedorismo de si e o novo homo oeconomicus: discussões sobre trabalho, subjetividade e clínica. 2015. 38 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre . 2015.
Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. de. (2010). Política social e psicologia: uma trajetória de 25 anos. Psic.: Teor. e Pesq., 26 (n. especial), 9-24.
Publicado
2019-05-23