Regulação dos Estados de Vigília de Bebês (um e cinco meses) em Contextos Diádicos Mãe-bebê

  • Maria Lucia Seidl-de-Moura
  • Deise Maria Leal Fernandes Mendes
  • Luciana Fontes Pessôa
  • Renata Gomes da Costa Marca
Palavras-chave: Estados de vigília, contextos, regulação

Resumo

As características individuais do bebê, os contextos específi cos nos quais ele se desenvolve, e as atividades realizadas pelos adultos,
interrelacionam-se, constituindo um sistema dinâmico que permite a regulação dos estados de vigília do mesmo. Neste artigo foram analisadas
comparativamente as mudanças nos estados de vigília em dois momentos do desenvolvimento, aos trinta dias e aos cinco meses, e identifi cadas
as atividades maternas e os contextos específi cos associados a essas mudanças. Trinta díades mãe-bebê foram fi lmadas por quinze minutos
em suas residências. Os estados foram classifi cados em: sono, sonolência, alerta, inquietação e choro. Bebês de cinco meses apresentaram
capacidade de regulação mais previsível, tipos de transição mais restritos, maior capacidade de manutenção em um estado específi co e mais
atividades em um maior número de contextos. Há indicações do desenvolvimento da capacidade do bebê de regulação de seus estados de vigília
de forma articulada ao papel do adulto e do contexto.

Publicado
2017-10-16
Seção
Artigos