WISC-IV: Evidências de Validade para Grupos Especiais de Superdotados” WISC-IV

  • Mariângela Miranda Ferreira Macedo Doutoranda do Programa de Pós – Graduação da Universidade Salgado de Oliveira Niterói, RJ, Brasil.
  • Márcia Elia da Mota Orientadora do Programa de Pós – Graduação da Universidade Salgado de Oliveira Niterói, RJ, Brasil.
  • Marsyl Bulkool Mettrau Co-Orientadora do Programa de Pós – Graduação da Universidade Salgado de Oliveira Niterói, RJ, Brasil.

Resumo

O objetivo do estudo é verificar evidências de validade da Escala Wechsler Inteligência (WISC-IV) para grupos especiais superdotados, baseada em variáveis externas com grupos especiais superdotados. Os instrumentos utilizados foram: Escala Wechsler Inteligência (WISC-IV) e Escala Características Comportamentais Alunos Habilidades Superiores - Revisada (SRCBBSS-R), versão professores, itens Aprendizagem, Criatividade, Motivação e Comunicação-Precisão. Participaram 68 crianças e adolescentes, de 6 a 16 anos e 11 meses dividos em: Grupo (superdotado) de 31 crianças com indicativos Superdotação (SRCBBSS-R) e grupo (não-superdotado) de 37 crianças não indicados (SRCBBSS-R). Análise por meio do test-t de Student apontaram diferenças estatisticamente significativas entre ser superdotado e não-superdotado ( de acordo com SRCBBSS-R), em relação (WISC-IV), em QI Total e Índices Fatoriais. Para QIT, t (66) 7,46, P < 0,001, indicando que o WISC IV discrimina os grupos. Estudos com amostras de outras regiões poderão complementar o presente estudo.

Biografia do Autor

Mariângela Miranda Ferreira Macedo, Doutoranda do Programa de Pós – Graduação da Universidade Salgado de Oliveira Niterói, RJ, Brasil.
Rua Marechal Deodoro 217, Centro
CEP: 24020-420 – Niterói/Rio de Janeiro

Referências

ABEP. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2014). Disponível em:

Acereda Extremiana, A. (2000). Ninös superdotados. Madrid. Pirámide.

Alencar, E. M. L. S.; Fleith, D. S. (2010). Escala de Práticas Docentes para a Criatividade na Educação Superior. Avaliação Psicológica, 9 (1), 13-24.

American Education Research Association [AERA], American Psychology Association [APA] & National Council on Measurement in Education [NCME] (1999). Standards for Psychology and Educational Testing. Washington, DC: American Education Research Psychology Association.

Arx, P. H., Meyer, C. S. & Grob, A. (2008) Assessing Intellectual Giftedness with the WISC-IV and the IDS. Journal of Psychology, 216 (3), 172-179.

Barbosa, A. J. G. & Almeida, L. C. (2012). Escala de Características de Leitura: Evidências de Validade. Avaliação Psicológica, 11(2), 247-257.

Callahan, M. C.; Moon, T. R., Oh, S.; Azano, A. P. & Hailey, E. P. (2015). What works in gifted education: documenting the effects of an integrated curricular/instructional model for gifted students. American Educational Research Journal, 52(1), 137-167.

Cohen, R. J. (2014). Testagem e avaliação psicológica: introdução a testes e medidas. Porto Alegre: AMGH.

Dancey, C. P. (2006). Estatísticas em matemática para psicologia. Porto Alegre: Artmed.

Delou, C. M. C. (1987). Identificação de superdotados: uma alternativa para a sistematização da observação de professores em sala de aula [Dissertação de mestrado]. Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Edwards, O. W. & Paulin, R. V. (2007). Referred Students’ Performance on the Reynolds Intellectual Assessment Scales and the Wechsler Intelligence Scale for Children-Fourth Edition. Journal of Psycoeducational Assessment, 25(4), 334-340.

Eysenk, H. J. (1993). Creativity and Personality: Suggestions for a theory. Psychological Inquiry, 4, 147-148.

Fleith, D. S.; Almeida, L. S. & Peixoto, F. J. B. (2011). Validação da escala clima para criatividade em sala de aula. Estudos de Psicologia, 28 (3), 307-314.

Fonseca, D. de F. (2010). Identificação de alunos com Altas Habilidades/Superdotação em escola da rede particular de ensino de Teresina-Piauí. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal do Piauí, Piauí.

Freitas, S. N. (2006). Educação e altas habilidades/superdotação: a ousadia de rever conceitos e práticas. Santa Maria: Ed. USFM.

Freitas, S. N. & Pérez, S. G. (2012). Altas Habilidades/Superdotação: atendimento especializado. Marília: ABPEE.

Katzko, M. W. & Mönks, F. J. (1995). Nurturing talent: Individual needs and social ability. Assen: Van Gorcum.

Landau, E. (1990). A coragem de ser superdotado. São Paulo: CERED.

Lirati, M. & Pry, R. (2007). Psychométric et WISC-IV: quell avenir pour I’dentification des enfants à haut potential intellectual? Neuropsychiatrie de l’enfance et de l’adolescence, 55, 214-219.

Marland, S. (1972). Education of the gifted and talent. Report to Congress. Washington, DC: U.S. Government Printing Office.

MEC. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. (2008). A Construção de Práticas Educacionais com Altas Habilidades/ Superdotação. Orientação à Professores. Brasília, DF.

Mettrau, M. B. (2000). Inteligência: Patrimônio social. Rio de Janeiro: Dunya.

Mettrau, M. B. (2013). O Funcionamento Inteligente de adultos com Altas Habilidades. Curitiba: Prisma co-edição: Ed. Appris.

Miranda, L.C. & Almeida, L. S. (2013). Sinalização das altas habilidades cognitivas pelos professores: validade estrutural da Escala de Habilidade Cognitiva e de Aprendizagem (EAAC). Revista AMAzônica, 6(2), 297-309.

Novaes, M. H. (1979). Desenvolvimento psicológico do superdotado. São Paulo: Atlas.

Pereira-Fradin, M., Caroff, X. & Jacquet, A. Y. (2010). Le WISC-IV permet-il d’améliorer I’dentification dês enfantes à haut potentiel? Enfance, 1, 11-26.

Pocinho, M. (2008). Definição, características e educação dos sobredotados. Revista Diversidades - O fascinante mundo dos talentos. 5(19). Madeira: Portugal.

Primi, R. (2003). Inteligência: avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medidas. Revista de Avaliação Psicológica, 1 (2), 67-77.

Renzulli, J. S (1986) The three-ring conception of giftedness: a developmental model for creative productivity. In: STERNBERG, R. J.; DAVIS, J. E. (Orgs.). Conceptions of giftedness New York. Cambridge University Press, 1986. pp. 53-92.

Renzulli, J. S., Smith, L. H., White, A. J., Callahan, C. M., Hartman, R. K., & Westberg, K. L. (2001). Escalas de Renzulli (SCRBSS). Salamanca: Amarú Ediciones.

Renzulli. J. S., Smith, L. H., White, A. J., Callahan, C. M., Hartman, R. K. & Westberg, K. L. (2004). Scales for Rating the Behavioral Characteristics of Superior Students. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press.

Renzulli, J. S., Siegle, D., Reis, S. M., Gavin, M. K. & Reed, R. E. S. (2009). An investigation of the reliability and factor structure of four new scales for rating the behavioral characteristics of superior students. Journal of Advanced Academics, 21(2), 84-108.

Rowe, E. W., Dandridge, J. Pawlush, A., Thompson, D. F. & Ferrier, D. E. (2014). Exploratory and Confirmatory Factor Analyses of the WISC-IV with Gifted Students. School Psychology Quarterly, 29(4), 536-552.

Rowe, E. W., Miller, C., Ebenstein, A. L. & Thompson, D.F. (2012). Cognitive Predictors of Reading and Math Achievement Among Gifted Referrals. School Psychology Quarterly, 27(3), 144-153.

Rowe, E. W., Kingsley, J. M. & Thompson, D. F. (2010). Predictive ability of the general ability índex (GAI) versus the full scale IQ among gifted referrals. School Psychology Quarterly, 25, 119-128.

Saklofske, D. H., Zhu, J., Coalson, D. L., Raiford, S. E. & Weiss, L. G., (2010). Cognitive Proficiency Index for the Canadian Edition of the Wechsler Intelligence Scale for Children-Four Edition. Canadian Journal of School Psychology, 25 (3), 277-286.

Sarouphim, K. M. (2015). Slowly but Surely: Small Steps Toward Establishing Gifted Education Programs in Lebanos. Journal for the Education of the Gifted, 38 (2), 196-211.

Shaunessy, E. & Karnes, F. A. (2004). Instruments for measuring leadership in children and youth. Gifted Child Today, 27(1), 42-47.

Siegle, D. (2004). Identifying students with gifts and talents in technology. Gifted Child Today, 27(4), 30-64.

Sobrinho, F. P. N. & Cunha, A. C. B. (1999). Dos problemas disciplinares aos problemas de conduta. Rio de Janeiro: Dunya.

Sternberg y J. E. Davidson (Eds.). (1986). Conception of figtedness. Cambridge University Press: Cambridge

Tabachnick, B.G & Fidell, L (2001). Using Multivariate Statistics. Boston: Pearson.

VanTassel-Baska, J. (2007). Alternative assesments for identifying gifted and talented students. Austin, TX:Prufrock Press.

Virgolim, A. M. (2007). Altas Habilidades/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: MEC/SEESP.

Virgolim, A. M. R. (2014). A contribuição dos instrumentos de investigação Joseph Renzuli para a identificação de estudantes com Altas Habilidades/Superdotação. Revista Educação Especial, 27(50), 581-610.

Wechsler, D. (1991). Wechsler Intelligence Scale for Children- 3ª ed. (WISC-III): Manual. San Antonio, TX: Psychological Corporation.

Wechsler, D. (2002). WISC-III- Escalas de Inteligência Wechsler para crianças- 3ª ed. Adaptação e Padronização de uma amostra brasileira: Vera Lúcia Marques de Figueiredo. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Wechsler, D. (2013). Escala Weschsler de inteligência para crianças: WISC-IV. Manual Técnico. Tradução do manual original Maria de Lourdes Duprat. (4. ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Winner, E. (1998). Crianças superdotadas: mitos e realidades. Trad. Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas.
Publicado
2017-07-19
Seção
Artigos