Práticas integrativas e complementares grupais e o diálogo com a educação popular

  • Maria Valquiria Nogueira do Nascimento Universidade Federal de Campina Grande
  • Isabel Fernandes de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

O presente estudo consistiu em analisar a inserção das PIC’s Grupais como estratégia de cuidado e atenção integral à saúde e as possibilidades de diálogo com a educação popular em Unidades Básicas, a partir de entrevistas, rodas de conversa e observação-participante. Dos equipamentos contactados, 37 realizavam PIC’s Grupais, a saber: relaxamento, meditação, yoga, tai chi chuan, grupos de suporte mútuo, tenda do conto, grupo de prosa com mulheres, grupo de bordadeiras, grupo de idosos, grupo de caminhadas, grupo de terapia e arte, grupos de contação de histórias, terapia comunitária e teatro do oprimido. A educação popular pode ser instrumento de reorientação da atenção à saúde e globalidade das PIC’s Grupais, com base numa perspectiva participativa, criativa, dialogada e emancipadora. 

 

Biografia do Autor

Maria Valquiria Nogueira do Nascimento, Universidade Federal de Campina Grande
Docente do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande
Isabel Fernandes de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Docente do Cursp de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Referências

Barros, N.F. (2014). O histórico das práticas integrativas e complementares. Comunidade de Práticas. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado de https://www.youtube.com/results?search_query=nelson+felice+de+barros+e+pr%C3%A1ticas+integrativas
Barros, N.F. & Tesser, C.D. (2008). Medicalização Social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública, 42(5), 914-920.
Bornstein, V. J., Morel, C. M., Pereira, I. D. F. & Lopes, M. R. (2014). Desafios e perspectivas da educação popular em saúde na constituição da práxis do agente comunitário de saúde. Interface Comunicação Saúde e Educação, 18(2), 1327-1340. DOI: 10.1590/1807-57622013.0437
Bosi, E. (2013). O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial.
Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http: // www.saude.gov.br
Carrillo, A. T. (2013). A educação popular como prática política e pedagógica emancipadora. In D. R. Streck & M. T. Esteban (Orgs.), Educação popular: lugar de construção social coletiva. (16-32). Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes.
Fonseca, M.L.G, Guimarães, M.B.L & Vasconcelos. E.M. (2008). Sofrimento difuso e transtornos mentais comuns: uma revisão bibliográfica. Rev APS, 3(11), 285-94. Recuperado de http:// www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2012000100010
Freire, P. & Nogueira, A. (2011). Que fazer: teoria e prática em educação popular. Petrópolis: Vozes.
Nunes, M.; Jucá, V. J.; Valentim, C. P. B. (2007). Ações de saúde mental no programa Saúde da Família: confluências e dissonâncias das práticas com os princípios das reformas psiquiátrica e sanitária. Cadernos de Saúde Publica, 23(10), 2375-2384. Junior, C. R. B. (2013). Análise Institucional e Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. O caso do Lian Gong. In S. La`Abbate, L. C. Mourão, & L. M. Pezzato, (Orgs), Análise Institucional & Saúde Coletiva (pp. 239-261). São Paulo: Hucitec.
Lacerda, A; Valla, V.V. (2005) Homeopatia e apoio social: repensando as práticas de integralidade na atenção e no cuidado à saúde. In R. Pinheiro & R. A. Mattos (orgs.), Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde (PP. 169-196). Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ, IMS: Abrasco.
Lancetti, A. (2009). Clínica peripatética. São Paulo: Hucitec.
Luz, M. T. (2009). Complexidade do Campo da Saúde Coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade, e transdisciplinaridade de saberes e práticas – análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde Soc, 18(2), 304-311.
Luz, M. T. (2012). Contribuição do conceito de racionalidade médica para o campo da saúde: estudos comparativos de sistemas médicos e práticas terapêuticas. In M. T. Luz & N. F. de Barros (Orgs.), Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde: estudos teóricos e empíricos. (15-21). Rio de Janeiro: CEPESC-IMS-UERJ-ABRASCO.
Padilha, P.R. (2012) O círculo de cultura na perspectiva da intertransculturalidade. Recuperado de https://gepffaccat.files.wordpress.com/2012/10/o-cc3adrculo-de-cultura-na-persepectiva-intertransculturalidade-paulo-roberto-padilha.pdf
Pessoa, J. de M. (2013). Festa popular e educação popular: lugares em movimento. In D. R. Streck & M. T. Esteban (Orgs.), Educação popular: lugar de construção social coletiva. (203-213). Petrópolis: Vozes.
Pinheiro, R. & Mattos, R.A. de (2004). Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: Hucitec/ Abrasco.
Pulga, V. L. (2014). A educação popular em saúde como referencial para as nossas práticas em saúde. In II Caderno de Educação Popular em Saúde. (pp. 123-146). Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégia e Participativa.
Tesser, C. D. (2010). Medicalização Social e atenção à saúde no SUS. São Paulo: HUCITEC.
Vasconcelos, E. M. (2008). Abordagens psicossociais: reforma psiquiátrica e saúde mental na ótica da cultura e das lutas populares. São Paulo: Hucitec.
Valla, V.V. (2001). Globalização e saúde no Brasil: a busca da sobrevivência pelas classes populares via questão religiosa. In E. M. Vasconcelos (Org.). A saúde nas palavras e nos gestos (pp. 39-62) São Paulo: Hucitec.
Vasconcelos, E. (2013) Manual de ajuda e suporte mútuos em saúde mental: para facilitadores, trabalhadores e profissionais de saúde e saúde mental Rio de Janeiro: Escola do Serviço Social da UFRJ; Brasília: Ministério da Saúde, Fundo Nacional de Saúde.
Vasconcelos, E. M. (2010). Educação popular e atenção á saúde da família. São Paulo: Hucitec.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos