Saúde Comunitária e Psicologia Comunitária e suas contribuições às metodologias participativas

  • Verônica Morais Ximenes Universidade Federal do Ceará
  • Eveline Chagas Lemos Universidade de Barcelona
  • Alexsandra Maria Sousa Silva Universidade Federal do Ceará
  • Márcia Kelma de Alencar Abreu Universidade Regional do Cariri
  • Carlos Eduardo Esmeraldo Filho Universidade Federal do Ceará
  • Lilian Mendonça Gomes Universidade Federal do Ceará

Resumo

O objetivo é discutir as relações entre Saúde Comunitária e Psicologia Comunitária na perspectiva dos processos de participação e de libertação que contribuem na construção de metodologias participativas. Essas áreas compartilham valores e práticas que possuem como princípios a libertação e a participação, que contribuem na construção de espaços que rompam com os processos de opressão. A comunidade é o principal ator e o foco está mais nos processos de saúde que nos processos de doença. As metodologias participativas presentes na caminhada comunitária, na visita domiciliar e no círculo de cultura propiciam uma prática condizente com esses princípios. O envolvimento dos profissionais de saúde e dos moradores das comunidades favorece processos de saúde e de autonomia.

Biografia do Autor

Verônica Morais Ximenes, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Psicologia pela Universidade de Barcelona (UB) e Pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora Associada da Graduação e Pós-Graduação em Psicologia do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC).  Coordenadora do Núcleo de Psicologia Comunitária (NUCOM)
da UFC. Atua e desenvolve pesquisas relacionadas
às temáticas: Psicologia Comunitária, implicações psicossociais da pobreza, políticas públicas, desenvolvimento comunitário, saúde comunitária e outras.

Eveline Chagas Lemos, Universidade de Barcelona

Doutora em Educação pela Universidade de Barcelona. Professora e investigadora pós-doutoral da Universidade de Barcelona no Departamento de Serviço Social.

Alexsandra Maria Sousa Silva, Universidade Federal do Ceará

Psicóloga. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará e Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará 

Márcia Kelma de Alencar Abreu, Universidade Regional do Cariri

Psicóloga. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará e Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Professora Assistente do Departamento de Educação da Universidade Regional do Cariri.

Carlos Eduardo Esmeraldo Filho, Universidade Federal do Ceará
Psicólogo, Mestre em Saúde Pública pela Universidade Estadual do Ceará e doutorando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Professor da Fanor/Devry
Lilian Mendonça Gomes, Universidade Federal do Ceará

Psicóloga, Especialista em Saúde Mental pela Universidade Estadual do Ceará e Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. 

Referências

Amaro, S. (2003). Visita domiciliar: guia para uma abordagem complexa. Porto Alegre: AGE Editora, 2003.
Ayres, J. (2016). Georges Canguilhem e a construção do campo da Saúde Coletiva Brasileira. Intelligere, 2(1), 139-155. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2016.115732.
Backes., D.S., Backes, M.S., Erdmann, A.L., & Büscher,, A. (2012). O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, 17(1), 223-230. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000100024
Calatayud, F. M. (2015). A perspectiva ética da saúde comunitária e sua relação com a formação universitária de recursos humanos. Uma aproximação. In J. Sarriera, E. Saforcada & I. Alfaro (Orgs.), Perspectiva psicossocial na saúde comunitária. (pp. 49-62). Porto Alegre: Sulina.
Campos, C. W. S., (2016). XV Conferência Nacional de Saúde: o que comemorar e o que criticar?. Trabalho, Educação e Saúde, 14(1), 5-6. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00102.
Cavalcante, R. (2008). A Educação Biocêntrica: dialogando no Círculo de Cultura. Revista Pensamento Biocêntrico, 10(jul/dez) Recuperado de http://www.pensamentobiocentrico.com.br/content/edicoes/revista-10-06.pdf
Cavalcante, R., & Góis, C.W.L. (2015). Práticas educativas em educação biocêntrica. In R. Cavalcante & C.W.L Góis (2015), Educação biocêntrica: ciência, arte, mística, amor e transformação (pp. 211-293). Sobral, CE: Edições UVA.
Chagas, E. (2014). Trabajo social con familias: un estudio comparado sobre la intervención en los CRAS de Fortaleza-CE-Brasil y en los CSS de Barcelona-ES. Barcelona: Universidad de Barcelona DL. Recuperado de http://www.tdx.cat/handle/10803/134823.
Delors, J. (2010). Um tesouro a descobrir. Brasília: UNESCO. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf.
Fernández, J. (Coord.). (2016). La intervención con familias desde el trabajo social. Madrid: Editorial Grupo 5.
Ferraz, L., Ferreti, F., Trindade, L.L., & Nali, V. (2014). O Círculo de Cultura: estratégia de educação popular em saúde para trabalhadoras rurais. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, 8(2), 195-210.
Freire, P. (1979). Educação como Prática da Liberdade (9ª. Ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra.
Gadelha, C.A.G., Machado, C.V., Lima, L.D., & Baptista, T.W. F. (2011). Saúde e Territorialização na perspectiva do desenvolvimento. Ciência e Saúde Coletiva, 16 (6), 3003-3016.
Garcia, I. & Teixeira, C. (2009). Visita domiciliar: um instrumento de intervenção. Sociedade em Debate, 15(1), 165-178.
Góis, C.W. (2005). Psicologia Comunitária: Atividade e Consciência. Fortaleza, CE: Publicações Instituto Paulo Freire.
Góis, C.W. (2008). Saúde Comunitária: pensar e fazer. São Paulo, SP: Hucitec.
Guareschi, P. (2009). Pressupostos epistemológicos implícitos no conceito de Liberação. In R. Guzzo, & F. Lacerda Jr. (Orgs.), Psicologia Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação (pp. 45-64). Campinas, SP: Alínea.
Juarez, M. P. (2015). Dimensiones de la salud comunitária que consideran pediatras del primer nível de atención: reflexiones y desafíos. Psicologia em pesquisa, 9(1), 50-61, doi: 10.5327/Z1982-1247201500010007.
Marinho, A.R.B. (2009). Círculo de Cultura: origem, história e perspectivas epistemológicas (Dissertação de mestrado), Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, SP.
Martín-Baro, I. (2011). Desafios e perspectivas da Psicologia Latino-Americana. In R. Guzzo, & F. Lacerda Jr. (Orgs.), Psicologia Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação (2a. ed.). (pp. 199-219). Campinas – SP: Editora Alínea.
Monteiro, E.M.L.M., & Vieira, N.F.C. (2010). Educação em saúde a partir de Círculos de Cultura. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(3), 397-403. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n3/a08v63n3.pdf.
Pizzinato, A. (2010). Psicologia da libertação. In J. C Sarriera & E. T. Saforcada, (orgs.). Introdução à Psicologia Comunitária: bases teóricas e metodológicas (pp. 113- 138), Porto Alegre, RS: Sulina.
Rebouças Jr., F.G., & Ximenes, V.M. (2010). Psicologia Comunitária e Psicologia Histórico-Cultural: análise e vivência da atividade comunitária pelo método dialógico-vivencial. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 5(2), 151-162.
Rocha, K.B., Moreira, M.C., & Boeckel, M.G. (2010). A entrevista e a visita domiciliar na prática do psicólogo comunitário. In J.C. Sarriera & E.T. Saforcada (Orgs.), Introdução à Psicologia Comunitária: bases teóricas y metodológicas (pp.205-213). Porto Alegre, RS: Meridional.
Rocha, K., Conz, J., Barcinski, M., Paiva, D., & Pizzinato, A. (2017). A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(1), 170-185. doi: htt://dx.doi.org/10.15309/17psd180115.
Sarfocada, E. (2008). El concepto de salud comunitaria ¿Denomina solo un escenario de trabajo o también una nueva estrategia de acción en salud pública? Psicologia em Pesquisa, 2(2), 03-13. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472008000200002&lng=pt&tlng=es
Saforcada, E. (2010). Perspectiva ecológico-sistêmica da saúde. In Sarriera, J.; Saforcada, E. (Org.). Introdução à Psicologia Comunitária: bases teóricas e metodológicas (pp. 49-75). Porto Alegre, RS: Editora Sulina.
Saforcada, E. (2012). Salud Comunitaria, gestión de salud positiva y determinantes sociales de la salud y la enfermedad. Aletheia, (37), p.7-22. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942012000100002&lng=pt&tlng=es.
Saforcada, E., & Alves, M. A. (2015). Saúde Comunitária: do novo paradigma às novas estratégias de ação em saúde. In J.C. Sarriera & E.T. Saforcada (Orgs.), Perspectiva Psicossocial da Saúde Comunitária: a comunidade como protagonista (pp. 19-48). Porto Alegre, RS: Sulina.
Sarriera, J.C. (2011). Desafios atuais da saúde comunitária no Brasil. In J.C. Sarriera (Org.), Saúde Comunitária – conhecimentos e experiências na América Latina. (pp. 246-257). Porto Alegre, RS: Sulina.
Silva, A.M.S. (2014). Análise das implicações psicossociais do protagonismo para os jovens em situação de pobreza (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará (UFC), Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Fortaleza, CE.
Streck, D.R. (2016). Metodologias participativas de pesquisa e educação popular: reflexões sobre critérios de qualidade. Interface, 20(58), 537-547. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832016000300537&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.
Torrezan, R.M., Guimarães, R.B., & Furlanetti, M.P. de F. R. (2012). A importância da problematização na construção do conhecimento em saúde comunitária. Trabalho, Educação e Saúde, 10(1), 107-124. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462012000100007
Ximenes, V.M., & Góis, C.W. de L. (2010). Psicologia Comunitária: uma práxis libertadora latino-americana. In R. Guzzo, & F. Lacerda Jr. (Orgs.), Psicologia & Sociedade: Interfaces no debate sobre a questão social (pp.45-64). Campinas, SP: Alínea.
Ximenes, V. M., Nepomuceno, B. B., & Cidade, E. C. (2016). Pobreza: um problema para a Psicologia Comunitária? In V. M., Ximenes, J. C. Sarriera, Z. A. C Bonfim & I. J. Alfaro (orgs.), Psicologia Comunitária no mundo atual: desafios, limites e fazeres. (pp. 175-196). Fortaleza-CE: Expressão Gráfica e Editora.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos