Saúde Comunitária e Metodologias Participativas na formação e atuação com a temática do uso de drogas: Relato de experiência

  • Pedro Henrique Antunes da Costa Faculdade Machado Sobrinho; Universidade Federal de Juiz de Fora

Resumo

O presente trabalho objetiva relatar e discutir uma experiência de formação sobre a temática do uso de drogas para profissionais da saúde, assistência social e educação, articulada com as necessidades dos territórios e comunidades, de modo a possibilitar práticas contextualizadas sobre o tema. Para isso, se ancorou na Saúde Comunitária (SC), lançando mão de Metodologias Participativas (MP) na produção de conhecimento, avaliação e potencialização do processo. Mesmo num contexto societário antagônico às premissas de ambas, demonstrou-se as potencialidades da SC, materializada por meio da MP, para a formação e atuação conjuntas, contextualizadas e abrangentes sobre a temática do uso de drogas e suas múltiplas interfaces, circunscritas à realidade sociocomunitária e tendo na transformação de suas necessidades os elementos norteadores.

Referências

Ansara, S., & Dantas, B. S. A. (2010). Intervenções psicossociais na comunidade: desafios e práticas. Psicologia & Sociedade, 22(1), 95-103.

Behring, E., & Boschetti, I. (2011). Política Social: fundamen­tos e história. 9ª ed. São Paulo: Cortez Editora.

Ceccim, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu), 9(16), 161-168.

Costa, P. H. A., Mota, D. C. B., Cruvinel, E., Paiva, F. S., Gomide, H. P., Souza, I. C. W., et al. (2015). Capacitação em álcool e outras drogas para profissionais da saúde e assistência social: relato de experiência. Interface (Botucatu), 19(53), 395-404.

Costa, P. H. A., Laport, T. J., & Paiva, F. S. (2015). Perspectivas sobre o trabalho em rede: contribuições do paradigma ecológico no processo de intervenção em álcool e outras drogas. In: Ronzani, T. M., Costa, P. H. A., Mota, D. C. B., & Laport, T. J. (Orgs.). Redes de Atenção aos Usuários de Drogas - Políticas e Práticas (pp. 189-218). São Paulo: Cortez Editora.

Costa, P. H. A., & Paiva, F. S. (2016a). A formação profissional para o trabalho na área de álcool e outras drogas: reflexões a partir do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(3), 539-551.

Costa, P. H. A., & Paiva, F. S. (2016b). Revisão de literatura das concepções dos profissionais de saúde sobre o uso de drogas: modelo biomédico, naturalizações e moralismos. Physis, 26(3), 1009-1031.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. 50 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freitas, M. F. Q. (1998). Inserção na comunidade e análise de necessidades: reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicol. Reflex. Crit., 11(1), 0.

Freitas, M. F.Q. (2005). (In)coerências entre práticas psicossociais em comunidade e projetos de transformação social: aproximações entre as Psicologias Sociais da Libertação e Comunitária. Revista Psico, 1(36), 47-54.

Góis, C. W. L. (2007). Saúde Comunitária: Pensar e fazer. São Paulo: Hucitec.

Martín-Baró, I. (1990/1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia (Natal), 2(1), 7-27.

Martin-Baró, I. (1986/2011). Para uma Psicologia da Libertação. In: Guzzo, R. S. L., & Lacerda Jr., F. (Orgs). Psicologia Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação (pp. 101-120). Campinas: Editora Alínea.

Montero, M. (2004). Introducción a la Psicología Comunitaria: Desarrollo, conceptos y procesos. Buenos Aires: Paidós.

Moraes, M. (2008). Integral healthcare model for treating problems caused by alcohol and other drugs: perceptions of users, their companions and practitioners. Ciên. saúde colet., 13(1), 121-133.

Moretti-Pires, R. O., Lima, L. A. M., & Katsurayama, M. (2010). A formação dos médicos de saúde da família no interior da Amazônia sobre a problemática do abuso de álcool. Rev. bras. prom. saúde, 23(1), 56-62.

Rocha, M. L., & Aguiar, K. F. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(4), 64-73.

Ronzani, T. M. (2007). A Reforma Curricular nos Cursos de Saúde: Qual o Papel das Crenças? Revista Brasileira de Educação Médica, 31(1), 38-43.

Saforcada, E. T. (2008). El Concepto de Salud Comunitaria ¿Denomina solo un escenario de trabajo o también una nueva estrategia de acción en salud pública? Psicol. pesq., 2(2), 3-13.

Saforcada, E. T. (2012). Salud comunitaria, gestión de salud positiva y determinantes sociales de la salud y la enfermedad. Aletheia, 37(1), 7-22.

Saforcada, E. T., & Alves, M. M. (2015). Saúde Comunitária: do novo paradigma às novas práticas em saúde. In: Sarriera, J. C., Saforcada, E. T., & Alfaro, J. I. (Orgs.). Perspectiva Psicossocial na Saúde Comunitária. A comunidade como protagonista (pp. 19-48). Porto Alegre: Sulina.

Sarriera, J. C. (2010). A Investigação-Ação-Participante. In: Sarriera, J. C., & Saforcada, E. T. (Orgs.). Introdução à Psicologia Comunitária (pp. 155-168). Porto Alegre: Editora Sulina.

Schneider, D. R. (2010). Horizonte de racionalidade acerca da dependência de drogas nos serviços de saúde: implicações para o tratamento. Ciên. saúde colet., 15(3), 687-98.

Streck, D. R. (2016). Metodologias participativas de pesquisa e educação popular: reflexões sobre critérios de qualidade. Interface (Botucatu), 20(58), 537-547.

Uzzell, D., & Barnett, J. (2010). Pesquisa Etnográfica e Pesquisa-Ação. In: Breakwell, G. M. et al. (Orgs.) Métodos de Pesquisa em Psicologia (pp. 302-320). São Paulo: Artmed.

Valladares, L. (2007). Os dez mandamentos da observação participante. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22(63), 153-155.

Vargas, D., & Duarte, F. A. B. (2011). Enfermeiros dos centros de atenção psicossocial em álcool e drogas (Caps ad): a formação e a busca pelo conhecimento específico da área. Texto contexto - enferm., 20(1), 119-26.

Yamamoto, O. H. (2009). Questão social e políticas públicas: Revendo o compromisso da psicologia. Em A. M. B. Bock (Org.), Psicologia e compromisso social (pp. 37-54). São Paulo: Cortez Editora.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política Social e Psicologia: uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(spe), 9-24.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos