Escala de Percepção de Suporte Organizacional: evidência da estrutura fatorial em trabalhadores brasileiros

  • Luis Felipe de Oliveira Fleury Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Nilton Soares Formiga Faculdade Internacional da Paraíba
  • Marcos Aguiar de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marco Antonio Ferreira de Souza Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Resumo

As crenças e as expectativas do indivíduo acerca da retribuição e do reconhecimento dado pela organização ao seu trabalho são questões diretamente relacionadas à percepção de suporte organizacional. No presente estudo pretendeu-se investigar evidências psicométricas da Escala de Percepção de Suporte Organizacional (EPSO) em trabalhadores brasileiros. Para isso foram coletados dados com 635 pessoas. Foi realizado um procedimento de Análise Fatorial Exploratória que demonstrou índices satisfatórios (KMO = 0,85; p < 0,001) e apontou o instrumento com um único fator que explica 49,9% da variância. O procedimento de Análise Fatorial Confirmatória com o auxílio do software AMOS apontou índices satisfatórios de adequação do modelo. Os resultados reforçam a solução unifatorial representada de acordo com o que se esperava teoricamente.

Biografia do Autor

Luis Felipe de Oliveira Fleury, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Mestrando em Psicologia UFRJ.
Nilton Soares Formiga, Faculdade Internacional da Paraíba
Pós-Doutorado em Psicologia pela UFRRJ
Marcos Aguiar de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Marco Antonio Ferreira de Souza, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Professor da Departamento de Ciências Administrativas e Contábeis da UFRRJ

Referências

Agapito, P. R., Polizzi Filho, A., & Siqueira, M. M. M. (2015). Bem estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes da intenção de rotatividade. Rev. Adm. Mackenzie, 16(6), Nov/Dez.
Bisquerra, R. (1989). Métodos de investigación educativa: guía práctica. Barcelona: Ed. CEAC.
Brandão, H. P., Borges-Andrade, J. E., & Guimarães, T. A. (2012). Desempenho organizacional e suas relações com competências gerenciais, suporte organizacional e treinamento. Revista de Administração, 47(4), 523-539.
Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (2012). Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução CNS nº 196/96. Brasília: CNS. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2016.
Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer-Verlag.
Conselho Federal de Psicologia (2000). Resolução nº 016/2000. Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2016.
Cunha, J. A. (2000). Psicodiagnóstico V. Porto Alegre: Artmed.
Damásio, B. F. (2012). Uso da análise fatorial exploratória em Psicologia. Avaliação Psicológica, 11(2), p. 213-228.
Damásio, B. F. (2013). Contribuições da Análise Fatorial Confirmatória Multigrupo (AFCMG) na avaliação de invariância de instrumentos psicométricos. Psico-USF, 18(2), maio/agosto.
Dancey, C.P., & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para psicologia usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artes Médicas.
Eisenberger, R., Huntington, R., Hutchison, S., & Sowa, D. (1986). Perceived organizational support. Journal of Applied Psychology, 71(3), 500-507.
Fabrigar, L. R., Wegener, D. T., MacCallum, R. C., & Strahan, E. J. (1999). Evaluating the use of exploratory factor analysis in psychological research. Psychological Methods, 4(3), 272-299.
Formiga, N., Fleury, L. F. O., & Souza, M. A. (2014). Evidências de validade da escala de percepção de suporte organizacional em funcionários de empresa pública e privada. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(2), 60-76.
Formiga, N. S., & Souza, M. A. (2014). Comprovação empírica de uma medida psicológica sobre a percepção do suporte organizacional em trabalhadores de diferentes empresas. Boletim - academia paulista de psicologia, 34(87), 510-522.
Hair, J. F., Tatham, R. L., Anderson, R. E., & Black, W. (2005). Análise Multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.
Hayton, J.C., Allen, D.G. & Scarpello,V. (2004) Factor Retention Decisions in Exploratory Factor Analysis: a Tutorial on Parallel Analysis. Organizational Research Methods, 7, 191-205.
Jawahar, I. M., & Hemmasi, P. (2006). Perceived organizational support for women’s advancement and turnover intentions: the mediating role of job and employer satisfaction. Women in Management Review, 21(8), 643-661.
Kalidass A., & Bahron, A. (2015) Нe Relationship between Perceived Supervisor Support, Perceived Organizational Support, Organizational Commitment and Employee Turnover Intention. International Journal of Business Administration, 6(5), 82-89.
Kelloway, E. K. (1998). Using LISREL for structural equation modeling: A researcher's guide. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Ledesma, R.D., & Valero-Mora, P. (2007). Determining the number of factors to retain in EFA: An easy-to-use computer program for carrying out parallel analysis. Practical Assessment, Research & Evaluation, 12(2).
O’connor, B.P. (2000). Behavior Research Methods. Instruments & Computers, 32, 392-396.
Oenning, N. S. X., Carvalho, F. M, & Lima, M. C. (2012). Indicadores de absenteísmo e diagnósticos associados às licenças médicas de trabalhadores da área de serviços de uma indústria de petróleo. Rev. Bras. Saúde Ocup., 37(125), 150-158.
Oliveira-Castro, G. A., Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (1999). Percepção de suporte organizacional: desenvolvimento e validação de um questionário. Revista de Administração Contemporânea, 3(2), 29-51.
Paschoal, T. (2008). Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.
Pasquali, L. (2011). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. 4 ed. Petrópolis/RJ: Vozes.
Sant'Anna, A. S., & Kilimnik, Z. M. (2011) Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Elsevier.
Siqueira, M. M. M. (1995) Antecedentes do comportamento de cidadania organizacional: a análise de um modelo pós-cognitivo. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, 1995.
Siqueira, M. M. M. (2008). Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.
Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (1996). Using multivariate statistics. Needham Heights, MA: Allyn & Bacon.
Tamayo, A., & Paschoal, T. (2003). A relação da motivação para o trabalho com as metas do trabalhador. Revista de Administração Contemporânea, 7(4), 33-54.
Valentini, F., & Damásio, B. F. (2016). Variância Média Extraída e Confiabilidade Composta: indicadores de precisão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(2), 1-7.
Van De Vijver, F., & Leung, K. (1997). Methods and data analysis for crosscultural research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Publicado
2017-07-19
Seção
Artigos