Quando o Espírito Encontra-se na Mercadoria

  • Leila Amaral Luz

Resumo

Focalizando os festivais Nova Era, este artigo discute uma noção específica de sagrado na Nova Era que precisa da prática do consumo para expressá-Ia e experimentá-Ia ritualmente. A presente análise não oferece uma visão do mercado consumidor como a esfera dominante do mundo secular para incluir nele, analiticamente, elementos que supostamente não lhe pertencem. Ao contrário, o objetivo deste artigo é apresentar a "espiritualidade Nova Era" como uma experiência do sagrado que exige a inclusão de elementos profanos que provêm do mundo do consumo a fim de realizá-Ia. O argumento central é que a descanonização entre espaço e essência e a idéia de um sagrado disperso orientam performances espirituais para as quais as pessoas precisam da mercadoria (bens espirituais e culturais) para produzir significados espirituais e morais. Por isso, o consumo pode ser pensado como sendo consubstancial à "espiritualidade Nova Era".

Publicado
2010-11-15
Seção
Artigos