Empreendedorismo como propósito: o ethos discursivo dos “cases de sucesso” do inChurchapp

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2024.v18.43319

Palavras-chave:

Comunicação, Ethos, Aplicativo, Plataforma, InChurch

Resumo

O artigo tem como foco de pesquisa o aplicativo inChurch criado para fazer a gestão operacional e financeira de instituições religiosas. Busca-se compreender como o aplicativo inChurch modifica o ethos discursivo das instituições religiosas. Expressões como “captação de fiéis”, “gestão da membresia” e “retenção de pessoas” refletem o ethos discursivo do mundo dos negócios. A abordagem metodológica proposta pelo artigo consiste na construção do ethos discursivo por meio da análise de cases de sucesso de igrejas-clientes que utilizam o aplicativo inChurch. O referencial teórico adota uma perspectiva crítica dividida em três partes: a) as mudanças na relação entre fiéis e igrejas e a expansão das plataformas digitais; b) o uso de aplicativos móveis pelas instituições religiosas em um contexto de midiatização da sociedade; c) a análise do ethos discursivo dos líderes religiosos em um contexto neoliberal. A argumentação sugere que as plataformas digitais, especialmente o uso de aplicativos de gestão, têm modificado a maneira como as igrejas lidam com questões relacionadas à “expansão do reino”, visto que associar igreja ao mundo dos negócios torna-se uma contradição, uma vez que as instituições religiosas geralmente prezam por práticas desvinculadas de rentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deivison Brito Nogueira, Universidade Metodista de São Paulo

Doutorando em Comunicação Social pelo PPGCOM da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Membro do GP Comunicação e Religiões da Intercom. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. 

Referências

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

AMOSSY, R. Da noção de retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso. A construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005, p. 9-28.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução, textos adicionais e notas Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2019.

BARTHES, R. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BOLTANSKI, L; CHIAPELLO, È. O novo espírito do capitalismo. 2.ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2020.

BRAGA, J. L. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Paulus, 2006.

CHARAUDEAU, P; MAINGUENEAU, D. (bajo la direcccion). Diccionario de análisis del discurso. 1.ed. Buenos Aires: Amorrortu, 2005.

COULDRY, N; HEPP, A. Conceptualizing mediatization: contexts, traditions, arguments. Communication Theory, v. 23, (3), p. 191-202, 2013. DOI: https://doi.org/10.1111/comt.12019.

DARDOT, P; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUCROT, O. O dizer e o dito. 2.ed. Campinas: Pontes, 2020.

FAUSTO NETO, A. As bordas da circulação. Alceu, n. 20, v. 10, p. 55-69, 2010. Disponível em: http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/Alceu20_Neto.pdf. Acesso em: 18 dez. 2023.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOMES, P. G. Como o processo de midiatização (um novo modo ser no mundo) afeta as relações sociais. In: BRAGA, J. L; FERREIRA, J; FAUSTO NETO, A; GOMES, P. G. (Orgs.). 10 perguntas para a produção de conhecimento em comunicação. 2.ed. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2019, p. 131-144.

HEPP, A. As configurações comunicativas de mundos midiatizados: pesquisa da midiatização na era da “mediação de tudo”. Matrizes, v. 8, n. 1, p. 45-64, 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i1p45-64.

HJARVARD, S. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Ed. UNISINOS 2014.

HJARVARD, S. Midiatização: teorizando a mídia como agente de transformação social e cultural. Matrizes, v. 5, n. 2, p. 53-91, 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p53-91.

INCHURCH. Depoimentos de quem usa. 2024. Disponível em: https://inchurch.com.br/. Acesso em: 18 fev. 2024.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LIVINGSTONE, S. On the mediation of everything: ICA Presidential Address. Journal of Communication, v. 59, n. 1, p. 1-18, 2009. Disponível em: https://bit.ly/3W9C3ds. Acesso em: 18 dez. 2023.

MACHADO, S. Igrejas usam apps no celular de fiéis para espionar e barrar pornografia. UOL Tilt, São Paulo, 26 set 2022. Disponível em: https://bit.ly/4bhh2ls. Acesso em: 10 dez. 2023.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: MOTTA, A. R; SALGADO, L. (Orgs.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008, p. 11-29.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2004.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso. A construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005, p. 69-92.

MARTÍN-BARBERO, J. Secularizacion, desencanto y reencanmiento massmediatico. Diálogos de la Cominicación, n. 41, p. 71-81, 1995. Disponível em: https://bit.ly/44phVGp. Acesso em: 18 dez. 2023.

MARTINO L. M. S. Midiatização da religião e secularização: pensando as práticas religiosas no ambiente das mídias. Paulus, v. 1, n. 1, p. 97-108, 2017. DOI: https://doi.org/10.31657/rcp.v1i1.12.

MARTINO, L. M. S. Teorias das mídias digitais. Linguagens, ambientes e redes. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

MARTINO, L. M. S. The mediatization of religion. Londres: Ashgate, 2013.

MIKLOS, J.; SOUZA, R. M. Por uma crítica da religião desencantada: midiatização do sagrado na sociedade do consumo. Paulus, v. 2, n. 4, p. 59-70, 2018. DOI: https://doi.org/10.31657/rcp.v2i4.67.

SILVA, B. Igreja 4.0: com fé na inovação, startup de religião busca escalar globalmente. IstoÉ Dinheiro, São Paulo, 29 jul 2023. Disponível em: https://bit.ly/4aVx7xb. Acesso em: 02 dez. 2023.

SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

VERÓN, E. Teoria da midiatização: uma perspectiva semioantropológica e algumas consequências. Matrizes, v. 8, n. 1, p. 13-19, 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i1p13-19.

WEBER, M. A ética protestante o “espírito” do capitalismo. 2.ed. Revista. São Paulo: Thomson Learning/Pioneira, 2002.

ZUBOFF, S. A era do capitalismo de vigilância. A luta por um futuro humano na nova fronteira de poder. 1.ed. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2021.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

NOGUEIRA, D. B. Empreendedorismo como propósito: o ethos discursivo dos “cases de sucesso” do inChurchapp. Lumina, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 146–162, 2024. DOI: 10.34019/1981-4070.2024.v18.43319. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/43319. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos