A comunicação corporativa e o consumo de ativismo: o caso da Simple Organic no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2024.v18.42961

Palavras-chave:

Comunicação, Consumo, Hegemonia, Identidade, Ativismo

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre a configuração da comunicação corporativa como estímulo ao consumo de ativismo na pós-modernidade, suas características e formas de expressão. No contexto de nossa problematização, caracterizamos o consumo como um ato de expressão identitária e cultural, entendendo que os símbolos são utilizados como forma de atribuição de significados e valores. A problematização diz respeito a como o estímulo ao consumo de ativismo engendra a ordem capitalista pós-moderna, em um sistema que se retroalimenta e se transforma a partir das suas próprias inquietações, utilizando as mídias sociais para aumentar o alcance da narrativa e atingir uma audiência mais ampla. Para responder a isso, realizamos um estudo tendo como base um perfil de produtos veganos no Instagram (Simple Organic) observando como se configura o conteúdo das postagens da empresa em relação aos símbolos apresentados, entre 04 e 14 de outubro de 2023. Analisamos a estratégia discursiva da marca sob a ótica de deslocamentos identitários, buscando entender os padrões narrativos empregados. Observamos nas narrativas da marca, nas redes sociais, uma tendência à apropriação de signos de consumo já estabelecidos culturalmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Masiero Fischer, Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Mestranda no PPGCom ESPM. Bacharel em Ciências Econômicas, Especialista em Inteligência de Mercado.

Marcia Perencin Tondato, Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Docente titular - PPGCom ESPM, líder do GP CNPq CiCO.

Referências

ANDRÉ, M. Consumo e Identidade: itinerários cotidianos da subjetividade. São Paulo: DVS Editora, 2006.

BAUDRILLARD, J. A sociedade do consumo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BAUDRILLARD, J. Simulacros e Simulações. Lisboa: Relógio D´Água, 1981.

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

BLUMER, H. Fashion: from class differentiation to collective selection. Sociological quartel, v. 10, n. 3, p. 275-291. Disponível em https://www.jstor.org/stable/4104916. Acesso em: 03 mar. 2024.

BAUER, M; AARTS, B. A construção do corpus: Um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M.W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2017, p. 39-62.

BORGES, F. M. Consumidores Indignados: Ativismo, Práticas Cidadãs e Consumerismo nas Redes Sociais. International Journal of Business Marketing, v. 6, n. 2, p. 22–31. Disponível em: https://www.ijbmkt.org/ijbmkt/article/view/218. Acesso em: 17 nov. 2023.

DOMINGUES, I.; MIRANDA, A. P. Consumo de Ativismo. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018.

DOMINGUES, I. Terrorismo de marca: publicidade, discurso e consumerismo político na rede. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2013.

FERNANDES, V. Como a Simple Organic transformou o mercado de beleza limpa no Brasil. Forbes, São Paulo, 15 mai. 2023. Disponível em: https://bit.ly/3w1h2qM. Acesso em: 30 mai. 2023.

FISHER, M. O realismo capitalista. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

FONTENELLE, I. A. Cultura do Consumo. São Paulo: FGV, 2017.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 2013.

GHISLENI, T.; TRINDAADE, N. A presença digital no Instagram da marca Adidas em 2017. Brazilian Journal of Education, Technology and Society, v. 12, n. 4, p. 335-353, 2019. DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v12.n4.335-353.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, S. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: PUC – Rio de Janeiro: Apicuri, 2016.

KERCHER, S. Empresas de cosméticos naturais saltam no país e miram internacionalização de marcas. CNN Brasil, São Paulo, 08 abr. 2022. Disponível em: https://bit.ly/49YzxKn. Acesso em: 03 mar. 2024.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola, 2008.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem: understanding media. São Paulo: Cultrix, 1964.

NORMANDO, P. Um breve estudo sobre o conceito de responsabilidade. Intuitio, v. 5, n. 2, p. 249–265, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3UBljdE. Acesso em: 17 out. 2023.

RETINOL. In: Meu Dicionário.org., [entre 2019 e 2024]. Disponível em: https://www.meudicionario.org/retinol. Acesso em: 01 mar. 2024.

SLATER, D. Cultura do consumo & modernidade. São Paulo: Nobel, 2002.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1983a.

SMITH, A. Riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1983b, v. II.

PENN, G. Análise semiótica de imagens paradas. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2017, p. 319-342.

TONDATO, M. P. Identidades múltiplas: meios de comunicação e a atribuição de sentido no âmbito do consumo. In: TEMER, A. C. R. P. (Org.). Mídia, Cidadania e Poder. Goiânia: Facomb/Funape, 2011, p. 153-174.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

FISCHER, G. M.; TONDATO, M. P. A comunicação corporativa e o consumo de ativismo: o caso da Simple Organic no Instagram. Lumina, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 58–73, 2024. DOI: 10.34019/1981-4070.2024.v18.42961. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/42961. Acesso em: 22 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos