Demandas de produtores de conteúdo audiovisual para mídias sociais digitais

Autores

Palavras-chave:

YouTube, Instagram, Edição de vídeo, Edição de áudio, Trabalho colaborativo

Resumo

As mídias sociais digitais fazem parte do cotidiano de muitas pessoas atualmente. Pelas suas características tecnológicas e por não passarem por um controle tão rígido quanto os meios de comunicação de massa mais tradicionais, as mídias digitais permitem a publicação e o consumo de conteúdos mais diversos por um grupo significativamente maior de produtores, desde os sem formação e experiência até os profissionais bastante experientes. As pesquisas sobre comunicação mediada pelas tecnologias digitais têm abordado uma variedade de temas, onde é possível destacar a análise dos conteúdos e a atuação profissional dos produtores. Pouco se conhece sobre o processo de produção audiovisual para as mídias sociais digitais. Nesse contexto, este trabalho teve por objetivo investigar demandas de produtores de conteúdo audiovisual para mídias sociais digitais. Os dados foram coletados por um questionário online, entre maio e agosto de 2021. Eles foram analisados por estatística descritiva e análise de conteúdo. Os 43 participantes relataram uma diversidade de demandas, dentre as quais é possível destacar: realização de cursos específicos relacionados com a produção audiovisual, mais tempo para produzir conteúdo, mais e melhores equipamentos, equipes maiores e melhor capacitadas. Alguns participantes relataram dificuldades na edição do áudio e do vídeo, além de não saberem utilizar os softwares de edição. Trabalhos futuros podem tomar alguma dessas demandas como ponto de partida para uma investigação que busca entendê-la em profundidade, propor intervenções e avaliar seus impactos. Iniciativas multi e interdisciplinares tendem a ser promissoras nesses casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jakeline Bandeira de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Bolsista CAPES.

Bruno Santana da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Informática pela PUC-Rio. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Fernando Marques Figueira Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Ciência da Computação pela UNICAMP. Professor do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

ADORNO, T. W. Indústria cultural e sociedade. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

BALADELI, A. P. D. “Oi meninas” - discutindo o fenômeno de autoria em canais de maquiagem no Youtube. Temática, v. 9, n. 5, p. 1-11, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/tematica/article/view/21875>. Acesso em: 10 out. 2021.

BARAN, S. J. Introduction to Mass Communication: Media Literacy and Culture. 8. ed. Nova York: McGraw-Hill, 2014.

BARBOSA, S. D. J.; SILVA, B. S. Interação humano-computador. Rio de Janiero: Elsevier, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BENDASSOLLI, P. F.; WOOD JR., T.; KIRSCHBAUM, C.; CUNHA, M. P. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 1, p. 10-18, 2009. Disponível em: <https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rae/article/view/36013>. Acesso em: 10 out. 2021.

BERNARDAZZI, R.; COSTA, M. H. V. Produtores de conteúdo no YouTube e as relações com a produção audiovisual. Communicare, v. 17, edição especial, p. 146–160, 2017. Disponível em: <https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2017/09/Artigo-7-Communicare-17-Edi%C3%A7%C3%A3o-Especial.pdf>. Acesso em: 10 out. 2021.

BRENOL, M. V. O impacto de algoritmos na autocomunicação de massa. Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais… Anais de Artigos do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais, v. 1, n. 1, p. 623-635, 2017. Disponível em: <https://midiaticom.org/anais/index.php/seminario-midiatizacao-artigos/article/view/90>. Acesso em: 10 out. 2021.

BRIGGS, A.; BURKE, P. Uma história social da mídia: de Gutenberg à Internet. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar Ed., 2016.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube e a revolução digital. São Paulo: Aleph, 2009.

CAMPOS, C. A vida como um espetáculo: o fim da privacidade em nome da fama. Temática, v. 15, n. 6, p. 57-71, 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/index.php/tematica/article/view/46354>. Acesso em: 10 out. 2021.

COELHO, P.; OLIVEIRA, R. Divulgação de conteúdos audiovisuais no Youtube como alternativa a outros suportes. Internet Latent Corpus Journal, v. 2, n. 1, p. 16–29, 2011. DOI: <https://doi.org/10.34624/ilcj.v2i1.14893>.

CRESWELL, J. W.; CRESWELL, J. D. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Penso Editora, 2021.

DUARTE, R. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007.

FERRÁNDIZ, R.R. From cultural industries to entertainment and creative industries. The boundaries of the cultural field. Comunicar, v. 36, n. 1, p. 149-156, 2011. DOI: <https://doi.org/10.3916/C36-2011-03-06>.

FERREIRA, E. A.; GRANGEIRO, R. R.; PEREIRA, R. Influenciadores Digitais: Análise da Profissionalização de uma Nova Categoria de Trabalhadores. Perspectivas Contemporâneas, v. 14, n. 2, p. 04-23, 2019. Disponível em: <https://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/2799>. Acesso em: 10 out. 2021.

FINK, A. The Survey Handbook. 2.ed. Londres: SAGE, 2003.

MEILI, A. M. O audiovisual na era YouTube: pro-amadores e o mercado. Sessões do Imaginário, v. 16, n. 25, p. 51-59, 2011. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/famecos/article/view/9258>. Acesso em: 10 out. 2021.

MEIRELES, A. V. Algoritmos e autonomia: relações de poder e resistência no capitalismo de vigilância. Opinião Pública, v. 27, n. 1, p. 28-50, 2021. DOI: <https://doi.org/10.1590/1807-0191202127128>.

MORETTI FERNÁNDEZ, L. Formas de vida no mundo do crime: análise exploratória através do funk proibidão. Lumina, v. 9, n. 2, p. 1-19, 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21188>. Acesso em: 10 out. 2021.

OLIVEIRA, J. B.; SILVA, B. S.; FIGUEIRA FILHO, F. M. A produção de conteúdo audiovisual para mídias sociais por não especialistas. Temática, v. 18, n. 3, p. 98-114, 2022. DOI: <https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8931.2022v18n3.62462>.

SAMMUR, J. T.; SILVA, P. E. A. L.; CORTEZ, P. A. Profissão Youtuber: uma revisão crítica sobre os impactos do ciberespaço nas definições de profissão e trabalho em comunicação social. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO NORDESTE, 20., 2018, Juazeiro. Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2018, p. 1-11. Disponível em: <https://portalintercom.org.br/anais/nordeste2018/resumos/R62-0019-1.pdf>. Acesso em: 10 out. 2021.

TUROW, J. Media Today: an Introduction to Mass Communication. 3. ed. Nova York: Routledge, 2009.

VAZ, P.; SANCHOTENE, N.; SANTOS, A. “Gorda, sim! Maravilhosa, também!”: Corpo, desejo e autenticidade em testemunhos de vítimas de gordofobia no YouTube. Lumina, v. 12, n. 2, p. 99–117, 2018. DOI: <https://doi.org/10.34019/1981-4070.2018.v12.21518>

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

OLIVEIRA, J. B. de .; SILVA, B. S. da; FILHO, F. M. F. Demandas de produtores de conteúdo audiovisual para mídias sociais digitais. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 200–219, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/36989. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos