Esquivas em tempos de crise: o que a gambiarra pode nos ensinar sobre a produção de vídeos?

Autores

Palavras-chave:

Gambiarra, Audiovisual, Isolamento social, Pandemia da COVID-19, DIY

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão, de caráter didático, sobre produções audiovisuais que poderiam ter sido realizadas em uma situação de isolamento social como a provocada pela pandemia de Covid-19. O ponto de partida é uma videoaula ministrada pelos autores Maria Fernanda Lopes e Paulo Fehlauer no segundo semestre de 2020, quando a necessidade de distanciamento se mostrou mais duradoura. Tanto a videoaula quanto este artigo têm como conceito norteador a ideia de gambiarra, entendida a partir de sua noção corrente, como recurso popular criativo e levada a uma compreensão mais ampla, conforme o pensamento do artista plástico e cineasta mineiro Cao Guimarães. A gambiarra como ideia serve aqui como ferramenta de uma proposta didática para o entendimento de procedimentos presentes em alguns processos de criação, e para tanto são levantadas para o conceito algumas características e possíveis categorias. Esta prática é compreendida a partir de exemplos de trabalhos artísticos e processos criativos, e seus elementos são enumerados com o intuito de auxiliar na leitura de produções audiovisuais históricas e contemporâneas. Em diálogo com esta perspectiva, e considerando o contexto didático de uma videoaula aberta, o artigo apresenta um conjunto de trabalhos em audiovisual, bem como seus processos criativos. As estratégias narrativas das obras compreendidas neste recorte poderiam ser utilizadas por um público interessado durante um período de restrições à circulação, mantendo relações com a ideia de gambiarra desenvolvida no texto. Ao final, são demonstrados os caminhos e as escolhas adotadas para a produção da própria videoaula, também produzida em casa, durante o isolamento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Fernanda de Mello Lopes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutoranda e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Paulo Fehlauer, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Estudos Literários pela Unifesp e doutorando em Teoria e História Literária pela Unicamp.

Amálio Pinheiro, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Comunicação e Semiótica e professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica na PUC-SP.

Referências

ANDRADE, O. Serafim Ponte Grande. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2007.

ANDRADE, O. Memórias sentimentais de João Miramar. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2004.

ANJOS, M. Contraditório: arte, globalização e pertencimento. Rio de Janeiro: Cobogó, 2017.

BOUFLEUR, R. N. A questão da gambiarra. 2006. 148f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16134/tde-24042007-150223/publico/AQuestaodaGambiarracorreto.pdf>. Acesso em 15 nov. 2021.

CORTÁZAR, J. Último round. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008. 2 t.

CORTÁZAR, J. Rayuela. Madri: Real Academia Española, 2019.

DE FEM BENSPÆND. Direção: Jorgen Leth e Lars Von Trier. Bruxelas: Wajnbrosse Productions, 2003.

EVERYTHING IS A REMIX. Direção: Kirby Ferguson. [S. l.: s. n.], 2010. Disponível em: <https://www.everythingisaremix.info/>. Acesso em 25 jul. 2021.

EVERYTHING IS A REMIX: FAIR USE. Direção: Kirby Ferguson. [S. l.: s. n.], 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vTLQ4h4yKSk>. Acesso em 25 jul. 2021.

GUIMARÃES, C. Gambiarras (work in progress), 2000-2014. Disponível em: <http://www.caoguimaraes.com/foto/gambiarras/>. Acesso em: jul. 2021.

GUIMARÃES, C. Cinema de cozinha. Mostra Restrospectiva “Cinema de Cozinha” São Paulo, 2008. Disponível em <http://www.caoguimaraes.com/wordpress/wp-content/uploads/2012/12/cinema-de-cozinha.pdf>. Acesso em 12 ago. 2021.

HISTOIRE(S) DU CINEMA. Direção: Jean-Luc Godard. Paris: Gaumont, 1998.

HOMEMADE (Seriado). Produção: Pablo Larraín, Juan de Dios Larraín e Lorenzo Mieli. Santiago: Fabula, 2020. Disponível em: <https://www.netflix.com/br/title/81285512>. Acesso em 25 jul. 2021.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Pequeno dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Moderna, 2015.

JE VOUS SALUE, SARAJEVO. Direção: Jean-Luc Godard. Paris: Périphéria, 1993. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=LU7-o7OKuDg>. Acesso em 25 jul. 2021.

LOPES, M. F. M. Da antropofagia Tupinambá à gambiarra: processos de incorporação. Revista Paralaxe, v. 5, p. 209-217, 2018. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/paralaxe/article/view/40556>. Acesso em: 12 ago. 2021.

LOPES, M. F. M. Gambiarra. Revista Arte Contexto, v. 6, n. 15, [n.p.] 2019. Disponível em:<http://artcontexto.com.br/portfolio/gambiarra-maria-fernanda-de-mello-lopes/>. Acesso em: 12 ago. 2021.

LOPES, M. F. M. Gambiarra como processo: uma antropofagia latino-americana. 2019. 111f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica). Departamento de Comunicação e Semiótica, PUC-SP, São Paulo, 2019. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/22878>. Acesso em: 6 dez. 2021.

LOPES, M. F. M; FEHLAUER, P. M. Esquivas em tempos de crise: o que a gambiarra pode nos ensinar sobre a produção de vídeos?. Videoaula. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Km1A54lvt6w>. Acesso em 25 jul. 2021.

NO HOME MOVIE. Direção: Chantal Akerman. Bruxelas: Paradise Films, 2015.

NOAH. Direção: Walter Woodman e Patrick Ceederberg. [S. l.: s. n.], 2013. Disponível em <https://vimeo.com/65935223>. Acesso em 25 jul. 2021.

NUNCA É NOITE NO MAPA. Direção: Ernesto de Carvalho. Recife: [s. n.], 2015. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=dkVfRne-eMI>. Acesso em 25 jul. 2021.

OROZA, E. Desobediência tecnológica. Saint Etienne: [s. n.], 2015. Blog. Disponível em: <http://www.desobedienciatecnologica.net/>. Acesso em: jul. 2021.

OROZA, E. Desobediência tecnológica. Recife: Caixa Cultural, 2015. Catálogo de exposição.

PROXY REVERSO. Direção: Guilherme Peters e Roberto Winter. [S. l.: s. n.], 2015. Disponível em < https://vimeo.com/135693685>. Acesso em 25 jul. 2021.

ROSAS, R. Gambiarra – alguns pontos para se pensar uma tecnologia recombinante. Caderno Videobrasil, v. 2, n. 2, p. 36-52, 2006. Disponível em: <http://site.videobrasil.org.br/downloads/1358887>. Acesso em 15 nov. 2021.

SEDLMAYER, S. Jacuba é gambiarra. São Paulo: Autêntica, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

LOPES, M. F. de M.; FEHLAUER, P.; PINHEIRO, A. Esquivas em tempos de crise: o que a gambiarra pode nos ensinar sobre a produção de vídeos?. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 112–127, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/35423. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

As telas da pandemia da Covid-19: desafios do Jornalismo e do Audiovisual