Reconfigurações do Jornalismo Audiovisual: um estudo da cobertura do Fantástico sobre a pandemia da Covid-19

Autores

Palavras-chave:

Jornalismo Audiovisual, Pandemia da Covid-19, Fantástico, Emoção, Telejornalismo

Resumo

A partir da Análise Televisual de 14 edições do Fantástico e entrevistas realizadas com profissionais que atuam no programa da Rede Globo de Televisão, este trabalho evidencia reconfigurações do jornalismo audiovisual articuladas à cobertura da pandemia da Covid-19. O estudo revela como as narrativas jornalísticas operaram a construção audiovisual da realidade, sob o negacionismo do governo federal no Brasil, e atribuíram significações à pandemia que ainda permeiam o imaginário social. O uso de imagens de profissionais e amadores captadas por videoconferências e dispositivos móveis e a exploração da emoção, abriram espaço para as subjetividades no telejornalismo. O testemunho de cidadãos anônimos e pessoas famosas ganhou protagonismo. Tais estratégias de aproximação com as audiências e de identificação com o outro virtualizaram afetos, geraram empatia e fomentaram solidariedade às vítimas da doença, aos seus familiares e às comunidades vulneráveis. Porém, as enunciações do Fantástico também acentuaram a relevância do jornalismo no combate às informações falsas. Essa nova forma de fazer reportagens e matérias, de representar a realidade e a população brasileira e de engajar os espectadores legitimou o poder do telejornalismo como ator relevante nas disputas políticas no país, sinalizando que a televisão ainda exerce centralidade do ambiente convergente e uma expressiva hibridização de gêneros discursivos, dispositivos, plataformas e telas na produção de notícias na atualidade. Os resultados também apontam a necessidade de alargar reflexões do campo do jornalismo sobre o engajamento do público com o conteúdo noticioso, destacando que a emoção ocupa espaço relevante nos relatos jornalísticos televisivos na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Becker, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGCOM/UFRJ).

Referências

BARBOSA, M. Meios de Comunicação: lugar de memória ou na história? Revista Contracampo, Niterói, v. 35, n. 1, p. 6-26, abr./jul. 2016. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17558>. Acesso em: 18 mar. 2021.

BECKER, B. Jornal Nacional: estratégias e desafios no seu cinquentenário. Revista Alceu, Rio de Janeiro, v. 20, n. 40, p. 206-225, jan./jul. 2020. DOI: <https://doi.org/10.46391/ALCEU.v20.ed40.2020.54>.

BECKER, B. Televisão e Telejornalismo: Transições. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

BECKER, B. Mídia e Jornalismo como formas de conhecimento: uma metodologia para leitura crítica das narrativas jornalísticas audiovisuais. Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 231-250, jan./jun. 2012. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p231-250>.

BECKER, B; MACHADO, H. L.; WALTZ, I.; TASSINARI, J. A centralidade do telejornal no ambiente midiático convergente: repensando como as interações entre produção e recepção atribuem sentidos aos Jogos Olímpicos 2016. Intercom - Revista Brasileira de Ciência da Comunicação, v. 41, n. 3, p. 71-86, set./dez. 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/1809-5844201834>.

BENETTI, M.; REGINATO, G. D. O vínculo emocional do leitor ao jornalismo: Estudo da revista Veja no Facebook. Famecos, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 878-896, set./dez. 2014. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.17847>.

CAJAZEIRA, P. E.; SOUZA, J. J. G. O arquivamento da memória televisiva em plataformas de aplicativos digitais. Rumores, São Paulo, v. 28, n. 14, p. 200-222, 2020. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.166502>.

CARREGAL, R. Entrevista. [18.02.2021]. Entrevistador: BECKER, Beatriz. Rio de Janeiro, 2021.

CHIARA, L. Narrativas e disputa de sentidos na mídia televisiva contemporânea: quem foi a Marielle Franco dos telejornais? 2021. 158 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: <https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/16659>. Acesso em: 07 ago. 2021.

DIJCK, J.V; POELL, T.; WAAL, M. de. The Platform Society: Public Values in a Connective World. Nova York: Oxford University Press, 2018.

DA SILVA, M. P. Percepção de noticiabilidade em um contexto regional: Análise comparativa entre jornalistas, assessores de imprensa e leitores de Corumbá (MS). Famecos, Porto Alegre, v. 27, p. 1-15, nov. 2020. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.36718>.

FECHINE, Y. Televisão e presença: uma abordagem semiótica da transmissão direta. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

GADRET, D. L. A Emoção no Telejornal: Um estudo de sentidos sobre os sujeitos e suas performances. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM JORNALISMO, 15, 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: SBPJor, 2017, p. 1-18. Disponível em: <http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2017/paper/viewFile/697/560>. Acesso em: 07 ago. 2021.

JAGUARIBE, B. O Choque do real: estética, mídia e cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

JORNALISTA 1. Entrevista. [10.02.2021]. Entrevistador: BECKER, Beatriz. Rio de Janeiro, 2021.

JORNALISTA 2. Entrevista. [10.02.2021]. Entrevistador: BECKER, Beatriz. Rio de Janeiro, 2021.

LA FERLA, J. Sobre a televisão: aparelho e formas culturais. Por um repertório notável de programas da televisão argentina. In: BORGES, G.; REIA-BAPTISTA, V. (orgs.). Discursos e práticas de qualidade na televisão. Lisboa: Livros Horizonte, 2008, p. 46-77.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. 3. ed. São Paulo: SENAC, 2003.

MACHADO, A. Pré-cinema & pós-cinemas. 6. ed. Campinas: Papirus, 2011.

MARTINS, M. O. A ascensão de estratégias amadoras no telejornalismo profissional: uma nova visibilidade potencializada pelas limitações técnicas trazidas pela Covid-19. In: EMERIN, C.; PEREIRA, A.; COUTINHO, I. (orgs.) A (re)invenção do telejornalismo em tempo de pandemia. Florianópolis: Editora Insular, 2020, p. 99-114.

MORETZSOHN, S. D. Noticiar a dor: possibilidades e dificuldades do jornalismo na tragédia de Santa Maria. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 22, 2013, Salvador. Anais [...]. Campinas: Galoá, 2013, p. 1-17. Disponível em: <https://proceedings.science/compos-2013/papers/noticiar-a-dor--possibilidades-e-dificuldades-do-jornalismo-na-tragedia-de-santa-maria>. Acesso em: 10 ago. 2021.

MUJICA, C.; GRASSAU, D.; BACHMANN, I.; HERRADA, N.; FLORES, P. M.; PUENTE, S. Percepciones de la audiencia respecto del uso del melodrama en notícias por televisión: entre el entusiasmo y el desprecio. Palabra Clave, v. 23, n. 4, p. 1-34, e2341, 2020. DOI: <https://doi.org/10.5294/pacla.2020.23.4.1>.

OROZCO, G. Televisão em busca de si mesma. In: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (eds.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014, p. 96-113.

PALACIOS, M. Convergência e memória: jornalismo, contexto e história. Matrizes, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 37-50, 2010. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i1p37-50>.

SACRAMENTO, I. A era da testemunha: uma história do presente. Revista Brasileira de História da Mídia, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 125-140, 2018. Disponível em: <https://revistas.ufpi.br/index.php/rbhm/article/view/7177/4282>. Acesso em: 18 mar. 2021.

SILVA, G. Imaginário Coletivo: estudos do sensível na teoria do jornalismo. Famecos, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 244-252, 2010. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.3.7382>.

SODRÉ, M. As estratégias sensíveis: Afeto, mídia e política. Petrópolis: Vozes, 2006.

STAM, R. Introdução à Teoria do Cinema. 5. ed. Campinas: Papirus, 2013.

VIZEU, A.; CORREIA, J. C. A Construção do Real no Telejornalismo: do lugar de segurança ao lugar de referência. In: VIZEU, A. (org.). A sociedade do telejornalismo. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 11-28.

XAVIER, I. O Discurso Cinematográfico: a opacidade e a transparência. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2021.

WHAHL-JORGENSEN, K. An Emotional Turn in Journalism Studies? Digital Journalism, v. 8, n. 2, p.175-194, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1080/21670811.2019.1697626>.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

WOLTON. D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. 2. ed. Porto Alegre: Sulinas, 2007.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

BECKER, B. Reconfigurações do Jornalismo Audiovisual: um estudo da cobertura do Fantástico sobre a pandemia da Covid-19. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 6–22, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/35300. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

As telas da pandemia da Covid-19: desafios do Jornalismo e do Audiovisual