As apropriações de Borges: direitos intelectuais e escrituras falsas de propriedade em um caso de desapropriação

Palavras-chave: Apropriação, Desapropriação, Jorge Luis Borges, Direitos Intelectuais, Propriedade

Resumo

O texto busca apreender algumas características, alcances e limites das práticas de apropriação literária contemporânea, entendendo-os a partir do caso dos escritores processados pelo uso das obras de Jorge Luis Borges. El Aleph engordado, de Pablo Katchadjian, e, El hacedor (de Borges), Remake, de Agustín Fernández Mallo, foram construídos a partir de textos do autor argentino, um dos mais destacados proponentes das poéticas de reprodução, mas viram a própria prática da cópia desafiada por seu ato, ao serem interpelados pela Fundação Borges. Interrogando as implicações sobre este acontecimento, buscamos compreender uma rede de problemas que a “apropriação da apropriação” acaba por desvelar, como a relação entre direitos intelectuais e a figura do autor, bem como a dinâmica entre a propriedade artísticas e a legal. Concluímos pela necessidade de não pensar a apropriação essencialmente, mas entender como seu desempenho contemporâneo distende suas possibilidades a partir de uma manipulação mais aparente da noção de propriedade; a apresentação de escrituras falsas de propriedade. Com isso, se pode superar uma concepção dicotômica ou moralista de casos de reescrita, para compreendê-los na radicalidade de sua desapropriação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Felipe Silveira de Abreu, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre pela mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa em Semiótica e Culturas da Comunicação (GPESC). 

Referências

AZEVEDO, Luciene. Tradição e apropriação: El Hacedor (de Borges), remake de Fernandéz Mallo. In: AZEVEDO, Luciene; CAPAVERDE, Tatiana da Silva (Orgs.). Escrita não-criativa e autoria: curadoria nas práticas literárias do Século XXI. São Paulo: e-Galáxia, 2018. Edição digital para Kindle.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: UFMG/São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

BORGES, Jorge Luis. Ficções. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BORGES, Jorge Luis. O Aleph. São Paulo: Companhia das letras, 2008a.

BORGES, Jorge Luis. O fazedor. São Paulo: Companhia das Letras, 2008b.

CAPAVERDE, Tatiana da Silva. A apropriação em El Aleph Engordado. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 52, n. 4, p. 446-453, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-77262017000400446&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 08 fev. 2020.

CAPAVERDE, Tatiana da Silva. A autoria nas reescritas apropriacionistas. In: AZEVEDO, Luciene; CAPAVERDE, Tatiana da Silva (Orgs.). Escrita não-criativa e autoria: curadoria nas práticas literárias do Século XXI. São Paulo: e-Galáxia, 2018. Edição digital para Kindle.

CHACOFF, Alejandro. A viúva e a vanguarda. Revista piauí. n. 78. mar. 2013. Disponível em: <https://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-viuva-e-a-vanguarda/>. Acesso em: 31 jul. 2020.

CHARTIER, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. São Carlos: Ed. UFScar, 2012.

CRIMP, Douglas. Sobre as ruínas dos museus. São Paulo, Martins Fontes, 2005.

EL ALEPH engordado. Fernando Soto: "Que Katchadjian escriba sus propias obras y después las engorde”. La Voz, ,2015., On-line. Disponível em: <https://www.lavoz.com.ar/ciudad-equis/fernando-soto-que-katchadjian-escriba-sus-propias-obras-y-despues-las-engorde>. Acesso em: 02 fev. 2020.

FERNÁNDEZ MALLO, Agustín. El hacedor (de Borges), remake. Madrid: Alfaguara, 2011.

FERNÁNDEZ MALLO, Agustín. Motivos para escribir, El hacedor (de Borges), remake. Cuadernos Hispanoamericanos, Madrid. n. 729. 2012. p. 29-36.

FERNÁNDEZ MALLO, Agustín. Nocilla Dream. Editora Companhia das Letras, 2013.

GELÓS, Natalia. #injusticiapoética. Kodama vs. El mundillo literário. Revista Anfíbia, Buenos Aires. s.d. On-line. Disponível em: <https://bit.ly/2rnavzp>. Acesso em: 02 fev. 2020.

GOLDSMITH, Kenneth. Capital: New York, Capital of the 20th Century. London: Verso, 2015.

GOLDSMITH, Kenneth. Uncreative writing: managing language in the digital age. Nova York: Columbia University Press, 2011. Edição digital para Kindle.

KATCHADJIAN, Pablo. El Aleph engordado. Buenos Aires: IAP, 2009.

KATCHADJIAN, Pablo . Entrevista a Juan Terranova. La tercera opinión, [S.l.], n. 4, s.d. Disponível em: <https://goo.gl/ZpZ6GC>. Acesso em: 04 fev. 2020.

NUEVO fallo. Sobreseyeron (otra vez) al escritor que “engordo” un cuento de Jorge Luis Borges. Clarín, Cultura, 16 mai., 2017. On-line. Disponível em: <https://clar.in/2P2jv9S>. Acesso em: 03 fev. 2020.

PAULS, Alan. El factor Borges: nueve ensaios ilustrados. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2000.

PERLOFF, Marjorie. O gênio não original: poesia por outros meios no novo século. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

SANTIAGO, Silviano. As escrituras falsas são. Revista 34 Letras. n. 5/6. Rio de Janeiro: Editora 34, set. 1989.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SARLO, Beatriz. Borges, um escritor na periferia. São Paulo: Iluminuras, 2008.

VILLA-FORTE, Leonardo. Escrever sem escrever: literatura e apropriação. Belo Horizonte: Relicário, 2019.

Publicado
2020-08-30
Como Citar
SILVEIRA DE ABREU, L. F. As apropriações de Borges: direitos intelectuais e escrituras falsas de propriedade em um caso de desapropriação. Lumina, v. 14, n. 2, p. 102-116, 30 ago. 2020.
Seção
Dossiê: Apropriação, Inapropriação, Desapropriação