Consumo midiático, localismos e cosmopolitismos: a série brasileira Coisa mais linda

  • Clarice Greco Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Paulista (UNIP)
  • Gustavo Souza Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Paulisa (UNIP)
  • Simone Luci Pereira Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP
Palavras-chave: consumo midiático, Netflix, Coisa Mais Linda, Memória, Feminismo

Resumo

Este artigo traz reflexões sobre novas formas de consumo midiático, como as plataformas de Video on Demand a exemplo da Netflix, abordando o localismo nas produções nacionais e o cosmopolitismo proporcionado pela transmissão de conteúdo para públicos globais. A conceituação teórica é ancorada em autores que discutem o consumo cultural (GARCÍA CANCLINI, 2004), a nacionalização da ficção televisiva (LOPES, 2004) e a memória como recurso no audiovisual (MACDOUGALL, 1998). Em seguida, discorremos brevemente sobre as séries nacionais produzidas pela Netflix Brasil até o final de 2019, a fim de ilustrar as primeiras experiências da produtora e a tendência a certos tipos de narrativas ou gêneros. Por fim, analisamos os elementos nacionais e a relação com a memória presentes na série Coisa Mais Linda (Netflix Brasil, 2019). A análise da série parte da ideia de “promessa de sentido” (JOST, 2008) para, a seguir, se deter na narrativa com foco nas personagens (JOLY, 1996). Como resultado argumentamos que é possível perceber na série elementos de uma ‘brasilidade’ demarcada para conquista de público internacional e o uso de uma temporalidade passada para discutir questões do presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Greco, Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Paulista (UNIP)

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP (Brasil). Pós-Doutora, Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Vice-coordenadora do Grupo de Estudos de Análise de Produtos Audiovisuais. Email claricegreco@gmail.com

 

Gustavo Souza, Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Paulisa (UNIP)

Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP (Brasil). Pós-Doutor em Comunicação pela UFSCar, Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Coordenador do Grupo de Estudos de Análise de Produtos Audiovisuais. Email: gustavo03@uol.com.br

Simone Luci Pereira, Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista – UNIP. Pós-Doutora em Comunicação. Pós-Doutora em Música. Pós-Doutora em Ciencias sociales, niñez y juventude. Pesquisadora do GT CLACSO “Juventudes e Infâncias na América Latina”. Coordenadora do UrbeSom (Grupo de Pesquisa em Culturas urbanas, música e comunicação). Email: simonelp@uol.com.br

Referências

AMAYA, José Fernando Serrano. Menos querer más de la vida – concepciones de vida y muerte en jóvenes urbanos. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2004.

APPADURAI, Arjun. Dimensões culturais da globalização. Lisboa: Teorema, 2004.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre a filosofia da história – Tese II. In: KOTHE, Flávio R (org). Benjamin, Walter. Sociologia. São Paulo: Ática, 1985, p. 153-164.

BORGES, Gabriela. A discussão do conceito de qualidade no contexto televisual britânico. Bocc – Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, 2008.

CASTELLANO, Mayka; MEIMARIDIS, Melina. Binge-Watching is the new black: as novas formas de espectatorialidade no consumo de ficção seriada televisiva. Contemporânea - Comunicação e Cultura .v.16, n.03, p. 689-707, 2018. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/24572>. Acesso em: 7 abr. 2020.

DELANTY, Gerard. La imaginación cosmopolita. Revista CIDOB d’Afers Internacionals, n. 82, p. 25-49, 2008. Disponível em: <https://www.cidob.org/es/articulos/revista_cidob_d_afers_internacionals/la_imaginacion_cosmopolita>. Acesso em: 7 abr. 2020.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2004.

GARCÍA CANCLINI, Nestor. Consumidores e cidadãos - conflitos multiculturais da Globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2004.

GIDDENS, Anthony. Modernity and self-identity: self and society in the late modern age. Stanford: Stanford University Press, 1999.

HANNERZ, Ulf. Cosmopolitas e locais na cultura global. In FEATHERSTONE, Mike (ed.). Cultura global: nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, 1999, p.251-266.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.

JOST, François. Analisar a televisão. In: GARDIES, René (org.). Compreender o cinema e as imagens. Lisboa: Texto e Grafia, 2008, p. 191-207.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GRECO, Clarice. Brasil: dinâmicas da ficção televisiva na transição multicanal. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; OROZCO GÓMEZ, Guillermo (org.). Ficção televisiva Ibero- Americana em plataformas de video on demand. Porto Alegre: Sulina, 2018, p. 103-134.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo. Telenovela: Internacionalização e Interculturalidade. São Paulo: Loyola, 2004.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo. A Telenovela Brasileira: uma Narrativa Sobre a Nação. Comunicação & Educação, v.26, p.17-34, 2003. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/37469>. Acesso em 07 abr. 2020.

MACDOUGALL, David. Transcultural cinema. Princeton: Princeton University Press, 1998.

McCracken, Grant. Cultura e consumo. Rio de Janeiro: Ed. Mauad, 2003.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola, 2004.

Ricoeur, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

SACCOMORI, Camila. Qualquer coisa a qualquer hora em qualquer lugar: as novas experiências de consumo de seriados via Netflix. Revista Temática, v. 11, n.4, p. 53-68, 2005. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/tematica/article/view/23903>. Acesso em: 7 abr. 2020.

SILVA, Marcel Vieira Barreto. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galaxia, n. 27, p. 241-252, 2014. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/15810>. Acesso em 07 abr. 2020.

STRAUBHAAR, Joseph. Brazilian Television: the decline of American influence. Communication Research, v. 11, n. 2, p. 221-240, 1984. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/009365084011002006>. Acesso em 07 abr. 2020.

TOALDO, Mariângela; JACKS, Nilda “Consumo midiático: uma especificidade do consumo cultural, uma antesala para os estudos de recepção”. Anais... Encontro Anual da Compós – Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Salvador (BA), Junho 2013. Disponível em: <http://www.compos.org.br/data/biblioteca_2115.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2020.

WOLTON, Dominique. O Elogio do Grande Público. Uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
GRECO, C.; SOUZA, G.; LUCI PEREIRA, S. Consumo midiático, localismos e cosmopolitismos: a série brasileira Coisa mais linda. Lumina, v. 14, n. 1, p. 156-173, 30 abr. 2020.