Cumplicidades entre mídia e audiência nas narrativas de “real” na ficção e no jornalismo

  • Fabiana Piccinin Departamento de Comunicação Social do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutrado em Letras (UNISC-RS)
Palavras-chave: Narrativa Audiovisual, Real, Interações Emissor e Receptor

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre as reconfigurações observadas nas relações entre mídia e audiência a partir das novas possibilidades interativas oportunizadas pelas tecnologias comunicacionais, bem como a especificidade das narrativas resultantes destas relações entre os mundos da produção e do consumo dentro do circuito comunicacional. A partir da complexificação das relações entre emissor e receptor, objetiva-se, assim, pensar particularmente como as narrativas audiovisuais, neste caso, enquanto frutos do seu tempo, reorganizam suas gramáticas e linguagens no contemporâneo, em direção à aproximação a seus públicos, adotando como estratégia a oferta de sentidos como a autenticidade do narrar e a redução das artificialidades dos seus conteúdos. Para tanto, parte-se da ideia de que as mídias apostam nas narrativas que tratam do “real”, a partir de uma estética pautada pela informalidade e espontaneidade, buscando de algum modo, estabelecer um contrato de cumplicidade com as audiências. Do ponto de vista metodológico, a questão é proposta em termos teóricos a partir do debate acerca da narrativa e das narrativas audiovisuais, na ficção e não ficção, além de explorar conceitualmente as interações entre emissor e receptor. Como recorte empírico, são tomados para análise exemplos de produções como documentários, séries e filmes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Piccinin, Departamento de Comunicação Social do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutrado em Letras (UNISC-RS)

Doutora em Comunicação Social (PUC-RS). Professora e pesquisadora do Departamento de Comunicação Social do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutrado em Letras (UNISC-RS). E-mail: fabi@unisc.br.

Referências

BARTHES, Roland et al. Análise estrutural da narrativa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRAGA, José Luiz. Mediatização como processo interacional de referência. In: MÉDOLA, Ana Silvia, ARAÚJO, Denize Correa e BRUNO, Fernanda (orgs.). Imagem, visibilidade e cultura midiática. Livro da XV Compós. Porto Alegre: Sulina, 2007.

BRAGA, José Luís. Circuitos versus campos sociais. In: JANOTTI JUNIOR, Jeder; MATTOS, Maria Ângela; JACKS, Nilda. (orgs.). Mediação e Midiatização. Salvador: UFBA: Brasília: Compós, 2012., p. 31-51.

CALABRESE, Omar. A idade neobarroca. Lisboa: Edições 70, 1999.

CARLÓN, Mario. Repensando os debates anglo-saxões e latino-americanos sobre o “Fim da Televisão”. In: CARLÓN, Mario & FECHINI, Yvana. (orgs.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

COUTINHO, Eduardo; ZANGRANDI, Raquel Freire; ALMEIDA, Bia. Jogo de cena. [S.l.]: Video Filmes, 2008. 1 DVD vídeo (aprox. 107 min)

FAUSTO NETO, Antônio. Narratividades jornalísticas no ambiente de circulação. In: PICCININ, Fabiana; SOSTER, Demétrio de Azeredo (Orgs). Narrativas comunicacionais complexificadas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2012, p. 45 – 67.

FIGUEIREDO, Vera Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: PUC - RJ, 2010.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance. Porto Alegre: Globo, 1969.

GRANDIM, Anabela. A televisão no seu labirinto. In: SERRA, Paulo; SÁ, Sónia & SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua.Covilhã: Livros LabCom Books, 2015. 305 p. Disponível em http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/136#sthash.YeKXteFe.dpuf. Acesso mai 2018.

JAGUARIBE, Beatriz. O choque do real: estética, mídia e cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

JENKINS, H. A cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LIPOVETSKY, Gilles & SERROY, Jean. A tela global. Mídias culturais e cinema na era da hipermodernidade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

LYOTARD, Jean François. A condição pós-moderna. 8. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2004.

MACHADO, Arlindo; VELÉZ, Marta Lucía. Fim da televisão? In: CARLÓN, Mario & FECHINE, Yvana. O fim da televisão. Rio de Janeiro/Recife: Confraria dos Ventos Editora UFPE, 2014.

MARGATO, Izabel e GOMES, Renato. Novos realismos. Belo Horizonte, 2013.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise crítica da narrativa. Brasília: Ed. Da UnB, 2013.

MURRAY, Janet Horowitz. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Ed. UNESP, 2003.

MUSSO, Pierre. A filosofia da rede. In: PARENTE, André (Org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004.

PARENTE, André (Org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004.

PICCININ, Fabiana. O “complexo” exercício de narrar e os formatos múltiplos: Para pensar a narrativa no contemporâneo. In: PICCININ, Fabiana; SOSTER, Demétrio de Azeredo (Org.). Narrativas comunicacionais complexificadas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2012.

PICCININ, Fabiana. Narrativas de um real autenticado: notas sobre a grande reportagem na TV contemporânea. In: PORCELLO, Flávio Antonio Camargo; PEREIRA JÚNIOR, Alfredo Eurico Vizeu; COUTINHO, Iluska (Org.). #telejornalismo: nas ruas e nas telas. Florianópolis: Insular, 2013.

PICCININ, Fabiana. Narrativas audiovisuais no contemporâneo: pensando as estratégias narrativas das séries televisivas. In: PICCININ, Fabiana, SOSTER, Demétrio de Azeredo. (orgs.). Narrativas do ver, do ouvir e do pensar. Santa Cruz do Sul: Catarse, 2016. 200 p. Disponível em http://editoracatarse.com.br/site/wp-content/uploads/2016/08/Narrativas_do_ver_do_ouvir_do_pensar_e-book.pdf.

Acesso em: 11 abr de 2018.

PICCININ, Fabiana; ETGES, Ananda. O eu que narra, que sente e que diz como são feitas as notícias: Análise da atorização em « Profissão Repórter ». In: PICCININ, Fabiana; SOSTER, Demétrio de Azeredo. Narrativas Comunicacionais Complexificadas 2. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2014, p. 321 – 346.

RUIZ, Castor M. M. Os paradoxos do imaginário. São Leopoldo: UNISINOS, 2003.

SACRAMENTO, Paulo; STEINBERG, Gustavo. O prisioneiro da grade de ferro: auto-retratos. [S.l.]: Califórnia Filmes, 2004. 1 DVD vídeo (124 min).

SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra: ensaios. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

SCHOLES, Robert; KELLOGG, Robert L. A natureza da narrativa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977.

SCOLARI, Carlos. Thisistheend: As intermináveis discussões sobre o fim da televisão. In: CARLÓN, Mario & FECHINE, Yvana. O fim da televisão. Rio de Janeiro/Recife: Confraria dos Ventos Editora UFPE, 2014.

STEINDORFF, Gabriel. Além de um castelo de cartas: a metaficção na série House of cards. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Santa Cruz do Sul, 2015. Disponível em http://hdl.handle.net/11624/808.Acesso em: 28 abr 2018.

STUBBLEFIELD, William A. Narrative structure in virtual collaborative environments.Albuquerque, 2000. Disponível em: http://wmstubblefield.com/professional/publications/NarrativeInCVEs.pdf. Acesso em: 28 abr 2018.

TELLERIA, Ana Serrano. LiquidSpheresonUbiquitous. In: SERRA, Paulo; SÁ, Sónia & SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã: Livros LabCom Books, 2015. 305 p. Disponível em http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/136#sthash.YeKXteFe.dpuf. Acesso em jun 2018.

WEISSBERG, Jean-Louis. Paradoxos da teleinformática. In: PARENTE, André(org.). Tramas da rede. Novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina: 2010.

ZIZEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real!: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo, 2003.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Piccinin, F. (2019). Cumplicidades entre mídia e audiência nas narrativas de “real” na ficção e no jornalismo. Lumina, 13(1), 15-28. https://doi.org/10.34019/1981-4070.2019.v13.26056
Seção
Dossiê: Narrativas midiáticas, dialogias, migrações e mutações