Em busca de uma “imagem crítica”: memória, ausências e dor em A imagem que falta, de Rithy Panh

  • Marcelo Gil Ikeda Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: imagem, memória, sofrimento, documentário, Khmer Vermelho

Resumo

O objetivo deste artigo é explorar a relação entre imagem, identidade e memória na obra do cineasta cambojano Rithy Panh, em especial a partir de um dos seus filmes, A imagem que falta (2013). Procuramos analisar as opções éticas e estéticas do realizador, ao buscar representar a experiência de sobreviver aos campos de trabalho forçado no regime do Khmer Vermelho, como modo de conviver com a dor e o sofrimento. O realizador Rithy Panh parte do cinema em primeira pessoa, ou seja, de suas memórias singulares, para buscar não simplesmente um método de cura, mas uma forma de prolongamento de sua experiência pessoal, visando a uma memória coletiva, em busca das ruínas ou dos vestígios no presente da identidade do povo cambojano. Seu sofrimento individual se transforma, então, em uma poética de uma dor coletiva. A partir dos conceitos de “imagem crítica” e “imagem aurática”, conforme desenvolvidos por Didi-Huberman, em seu livro O que vemos, o que nos olha (2010), o artigo pretende examinar as opções do realizador,ao aproximar o espectador do que foi o massacre, ao mesmo tempo em que o mantém a certa distância, preservando-nos de nos aproximar em demasia do horror.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Gil Ikeda, Universidade Federal do Ceará
Professor do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Autor dos livros “Cinema brasileiro a partir da retomada: aspectos econômicos e políticos”, “Cinecasulofilia”, “Cinema de garagem”, entre outros. Contato: marcelogilikeda@gmail.com.

Referências

A IMAGEM que falta / L´image manquante. Direção Rithy Panh. França/Camboja. 2013. 92 min.

BAZIN, André. O que é o cinema? São Paulo: Brasiliense, 1991.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre o brinquedo, a criança e a educação. São Paulo, Ed. 34, 2002.

CAVICHIOLLI, Renato Fernando; REIS, Leôncio. Jogos eletrônicos e a busca da excitação. Movimento, v.14, n. 3, p. 163-183, 2008. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2018.

CONDENADOS à Esperança / Neak sre. Direção Rithy Panh. França/Camboja. 1994.125min.

DIDI HUBERMAN, Georges. Cuando las imágenes toman posición. Madrid: Antonio Machado Libros, 2008.

______. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.
HIROSHIMA, meu amor / Hiroshima,mon amour. Direção Alain Resnais. França. 1959. 86min.

KIERNAN, Ben; BOUA, Chanthou. The Pol Pot Regime: Race, Power and Genocide in Cambodia under the Khmer Rouge, 1975-1979. New Haven: Yale University Press, 1996.

KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

LEANDRO, Anita. A história na primeira pessoa: em torno do método de Rithy Panh. In: Anais. XXIII Encontro Anual da Compós, Universidade Federal do Pará, 27 a 30 de maio de 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2018.

LEJEUNE, Philippe. Pacto autobiográfico: de Rousseau a internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1988.

NOITE e nevoeiro / Nuit et bruillard. Direção Alain Resnais. França. 1955. 32min.

O RESGATE do Soldado Ryan / Saving Private Ryan. Direção Steven Spielberg. Estados Unidos. 1998. 169min.

OLIVEIRA, Eduardo. Uma paisagem, um acontecimento, um poema: a poeira como uma forma de pensar o mundo. Devires, v. 7, n. 2, p. 118-131, 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2018.

S21: A Máquina de Morte do Khmer Vermelho / S-21, la machine de mort Khmère rouge. Direção Rithy Panh. França/Camboja. 2003. 101 min.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SILVA, Marcio Seligmann. História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

UMA BARRAGEM contra o pacífico / Un barrage contre le Pacifique. Direção Rithy Panh. França/Camboja. 2008. 115min.

VALSA para Bashir / Vals im Bashir. Israel/França/Alemanha. Direção Ari Folman. 2008. 90min.
Publicado
2018-08-30
Como Citar
IKEDA, M. G. Em busca de uma “imagem crítica”: memória, ausências e dor em A imagem que falta, de Rithy Panh. Lumina, v. 12, n. 2, p. 136-149, 30 ago. 2018.
Seção
Dossiê: Comunicação, Condição da Vítima e Políticas de Sofrimento