v. 28 n. 1 (2022): Dossiê: História recente da política externa da América Latina: uma questão de elites?
Seção Livre

Primo Levi e a literatura de testemunho: uma (in)definição

Cleber Vinicius do Amaral Felipe
Universidade Federal de Uberlândia

Publicado 2022-07-04

Palavras-chave

  • Primo Levi,
  • Literatura de Testemunho,
  • Campos de concentração

Como Citar

do Amaral Felipe, Cleber Vinicius. 2022. “Primo Levi E a Literatura De Testemunho: Uma (in)definição”. Locus: Revista De História 28 (1):229-44. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2022.v28.34285.

Resumo

Este artigo propõe a “literatura” de Primo Levi como uma “zona” de confluência/litígio na qual categorias díspares e paradoxais se chocam/se contradizem e produzem efeitos de leitura, muitos deles amparados nas (im)possibilidades de representar a vida no interior dos campos de concentração. Sem a pretensão de esgotar sua produção letrada, sugere-se que o testemunho pode ser lido como um “entre”, como um locus no qual se encontram/tensionam o sublime e o abjeto, experiências e expectativas, o passado e o presente, as convenções e o inaudito, o aqui e o além.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. Agamben, Giorgio. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008.
  2. Alighieri, Dante. A divina comédia. Tradução de Cristiano Martins. Belo Horizonte: Garnier, 2019.
  3. Baldasso, F. B. “The Other as the Judge: Testimony and Rhetoric in Primo Levi’s Se questo è un uomo”. MLN, 128, 1 (2013):166-184. https://doi.org/10.1353/mln.2013.0005
  4. Caldas, P. S. P. “O Espelho deformante: Um estudo sobre ‘É isto um homem?’, de Primo Levi”. Em As Formas do Romance: Estudos sobre a historicidade da literatura, orgs. Felipe Charbel, H. B. Gusmão e L. L. S. Mello, 177-198. Rio de Janeiro: Ponteio, 2016.
  5. Caldas, P. S. P. “O evento limite em Primo Levi: uma leitura de Os afogados e os sobreviventes”. Literatura e Sociedade, v. 25, n. 32 (2020): 51-72. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i32p51-72
  6. De Angelis, L. “Nell’oscurità le parole pesano il doppio. Note a Primo Levi”. Em Mémoire oblige Riflessioni sull’opera di Primo Levi, org. A. Neiger, 73-108. Trento: Università degli Studi di Trento, 2009.
  7. Felipe, C. V. A. “Depois da tempestade, o relato: experiência e narrativa em Primo Levi”. Varia Historia, 37, n. 75 (2021): 883-912. https://doi.org/10.1590/0104-87752021000300010
  8. Felipe, C. V. A. “O canto de Ulisses: as (im)possibilidades da narrativa em Primo Levi. ArtCultura, 23, n. 42 (2021): 133-153. https://doi.org/10.14393/artc-v23-n42-2021-61856
  9. Gagnebin, J. M. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.
  10. Hansen, J. A. “As categorias epidíticas da ekphrasis”. Revista USP, n. 71 (2006): 85-105. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i71p85-105
  11. Homero. Odisseia. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.
  12. Klüger, R. Paisagens da memória: autobiografia de uma sobrevivente do Holocausto. São Paulo: Ed. 34, 2005.
  13. Leopardi, G. Cantos. Florianópolis: Nephelibata, 2014.
  14. Levi, P. 71 contos de Primo Levi. Tradução de Maurício Santana Dias. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
  15. Levi, Primo. A tabela periódica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.
  16. Levi, P. A trégua. Tradução de Marco Lucchesi. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.
  17. Levi, P. É isto um homem? Tradução de Luigi Del Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.
  18. Levi, P. La ricerca delle radici. Torino: Einaudi, 1981.
  19. Levi, Primo. Mil sóis: poemas escolhidos. Seleção, tradução e apresentação de Maurício Santana Dias. São Paulo: Todavia, 2019.
  20. Levi, P. O ofício alheio: com um ensaio de Ítalo Calvino. Tradução de Silvia Massimini Felix. São Paulo: Editora Unesp, 2016a.
  21. Levi, P. Os afogados e os sobreviventes. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016b.
  22. Mengaldo, P. V. “Il Canto di Ulisse”. Em Per Primo Levi, org. P. V. Mengaldo, 119-128. Turim: Einaudi, 2019.
  23. Montemaggi, V. “Primo Levi e Dante”. Em Innesti. Primo Levi e i libri altrui, eds. G. Cinelli, R. Gordon, 127-142. Oxford: Peter Lang, 2020.
  24. Scarpa, D. “O claro e o obscuro em Primo Levi”. Fênix, v. 18, n. 1 (2021): 5-36. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1049
  25. Seligmann-Silva, M. “Narrar o trauma: escrituras híbridas das catástrofes”. Gragoatá, 24 (2008):101-117.
  26. Seligmann-Silva, M. O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Ed. 34, 2005.