Utilização do Exame Clínico Objetivo Estruturado como método avaliativo em um hospital universitário: um relato de experiência

an experience report

Autores

  • Patrícia de Oliveira Lima Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares https://orcid.org/0000-0002-2163-3048
  • Hakayna Calegaro Salgado Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-3883-1531
  • Odete Pregal Monteiro Candido Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares https://orcid.org/0009-0003-2814-7581

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.42407

Palavras-chave:

Treinamento por Simulação, Aprendizagem, Avaliação Educacional

Resumo

Introdução: O Exame Clínico Objetivo Estruturado é um dos métodos mais eficazes de avaliação do processo de aprendizagem, pois analisa o desempenho do participante em uma tarefa clínica especifica. Objetivo: Apresentar a vivência do serviço de Ginecologia sobre a elaboração e execução de uma estação do exame desenvolvido por uma universidade, promovendo uma reflexão sobre o processo de ensino aprendizagem dos alunos desta instituição. Relato de Experiência: O planejamento e organização demandaram um período de 4 meses, com definição do local, comissão de apoio técnico, elaboração dos casos clínicos e das competências a serem avaliadas, materiais disponíveis (impressos, canetas, móveis, dentre outros). Os professores elaboradores das estações foram previamente treinados pela comissão organizadora e orientados a formularem uma estação com caso clínico compatível com o momento do aluno no curso de Medicina. Outro instrumento elaborado foi o checklist, com pontos fundamentais que deveriam ser cumpridos pelo estudante avaliado. Após elaboração da estação e do seu checklist, estes foram avaliados pela comissão organizadora, com realização das correções pertinentes. Após aprovação, os professores, tanto elaboradores quanto avaliadores, realizaram a simulação da estação para identificação de possíveis erros, fatores complicadores e para cronometragem do tempo. Conclusão: O método desenvolvido apresentou características de grande importância e destaque, bem como fragilidades que precisam ser resolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia de Oliveira Lima, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares

Enfermeira obstetra da Unidade de Atenção à Saúde da Mulher, setor Pré-natal, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. 

Referências

Bressa RC, Murgo CS, Sena BCS. Associations between teacher self-efficacy and the use of objective structured clinical examination in medical education. Rev Bras Educ Med. 2021; 45(1):e001. DOI: doi.org/10.1590/1981-5271v45.1-20200130.ING

Bachur CK, Castro L, Bachur JA, Veiga EV. OSCE: uma estratégia no processo de ensino e aprendizagem para os cursos de graduação na área da saúde: uma revisão integrativa. International Journal of Development Research. 2021; 11(03):45211-15. DOI: doi.org/10.37118/ijdr.21273.03.2021

Roderjan AK, Gomel BM, Tanaka AA, Egg Neto D, Chao KB, Nisihara RM. Competências clínicas do aluno de medicina em urgência e emergência: análise evolutiva através do OSCE. Rev Bras Educ Med. 2021; 45(4):e193. DOI: doi.org/10.1590/1981-5271v45.4-20210178

Sloan DA, Donnelly MB, Schwartz RW, Felts JL, Blue AV, Strodel WE. The use of objective structured clinical examination (OSCE) for evaluation and instruction in graduate medical education. J Surg Res. 1996; 63(1):225-30. DOI: doi.org/0.1006/jsre.1996.0252

Patricio M, Juliao M, Fareleira F, Young M, Norman G, Vaz Carneiro A. A comprehensive check list for reporting the use of OSCEs. Med Teach. 2009; 31:112-24. DOI: doi.org/10.1080/01421590802578277

Newble D. Techniques for measuring clinical competence: objective structured clinical examinations. Med Edu. 2004; 38:199-203. DOI: doi.org/10.1111/j.1365-2923.2004.01755.x

Miller GE. The assessment of clinical skills/competence/performance. Acad Med. 1990; 65(suppl 9):63-7. DOI: doi.org/10.1097/00001888-199009000-00045

Bica RBS, Kornis GEM. Exames de licenciamento em medicina: uma boa ideia para a formação médica no Brasil? Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2020; 24:e180546. DOI: doi.org/10.1590/Interface.180546

Schreiner L, Steiner M, Romão GS. Exame clínico objetivo estruturado como ferramenta de avaliação na residência médica em ginecologia e obstetrícia: relato de experiência e revisão da literatura. Femina. 2020; 48(10):604-8.

Piconez SCB. Reflexões pedagógicas sobre o ensino e aprendizagem de pessoas jovens e adultas [Internet]. São Paulo: Secretaria da Educação; 2013 [acesso em 2023 08 01]. Disponível em: https://midiasstoragesec.blob.core.windows.net/001/2018/02/reflexes-pedaggicas-sobre-o-ensino-e-aprendizagem-1.pdf

Ministério da Educação (BR). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n° 3, de 20 de junho de 2014 [Internet]. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Ministério da Educação; 2014 [acesso em 2023 08 01]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192

Zimmermann MH. Avaliação clínica objetiva estruturada (OSCE) com feedback efetivo e vídeo feedback: sua interface no ensino e na aprendizagem [tese] [Internet]. Ponta Grossa: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa; 2019. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br:8080/jspui/handle/1/4169

Solà-Pola M, Morin-Fraile V, Fabrellas-Padrés N, Raurell-Torreda M, Guanter-Peris L et al. The usefulness and acceptance of the OSCE in nursing schools. Nurse Educ Pract. 2020; 43:102736. DOI: doi.org/10.1016/j.nepr.2020.102736

Majumder MAA, Kumar A, Krishnamurthy K, Ojeh N, Adams OP, Sa B. An evaluative study of objective structured clinical examination (OSCE): students and examiners perspectives. Adv Med Educ Pract. 2019; 10:387-97. DOI: doi.org/10.2147/AMEP.S197275

Young I, Montgomery K, Kearns P, Hayward S, Mellanby E. The benefits of a peer‐assisted mock OSCE. The Clinical Teacher. 2014; 11(3):214-8. DOI: doi.org/10.1111/tct.12112

Robinson P, Morton L, Haran H, Manton R. Mock OSCEs improve medical Students' confidence and reduce anxiety related to summative examinations. Education in Medicine Journal. 2017; 9(2):41-5. DOI: doi.org/10.21315/eimj2017.9.2.4

Bevan J, Russell B, Marshall B. A new approach to OSCE preparation: PrOSCEs. BMC Med Educ. 2019; 19:126. DOI: doi.org/10.1186/s12909-019-1571-5

Harden RM, Lilley P, Patrício M. The definitive guide to the OSCE. Edinburgh: Elsevier; 2016.

Gilani S, Pankhania K, Aruketty M, Naeem F, Alkhayyat A et al. Twelve tips to organise a mock OSCE. Med Teach. 2022; 44(1):26-31. DOI: doi.org/10.1080/0142159X.2021.1887465

Downloads

Publicado

2024-02-01

Como Citar

1.
de Oliveira Lima P, Calegaro Salgado H, Pregal Monteiro Candido O. Utilização do Exame Clínico Objetivo Estruturado como método avaliativo em um hospital universitário: um relato de experiência: an experience report. HU Rev [Internet]. 1º de fevereiro de 2024 [citado 13º de abril de 2024];49:1-6. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/42407

Edição

Seção

Relato de Experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)