Violência obstétrica: percepções de enfermeiros obstétricos em uma maternidade de Minas Gerais

  • Flávia Lima Miranda Unidade de Assistência à Saúde da Mulher, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora – filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Juiz de Fora - MG https://orcid.org/0000-0002-2163-3048
  • Geisa Sereno Velloso Unidade de Assistência à Saúde da Mulher, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora – filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Juiz de Fora - MG
  • Patrícia de Oliveira Lima Unidade de Assistência à Saúde da Mulher, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora – filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Juiz de Fora - MG
  • Sirleide Corrêa Rangel Unidade de Assistência à Saúde da Mulher, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora – filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Juiz de Fora - MG
  • Herlon Fernandes de Almeida Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina - MG
  • Marcos Luciano Pimenta Pinheiro Departamento de Ciências Básicas, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina - MG
  • Leticia Neves Vieira Costa Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte - MG
Palavras-chave: Violência contra a Mulher, Serviços de Saúde Materna, Enfermagem Obstétrica, Maternidades

Resumo

Introdução: A violência apresenta várias faces e há um tipo que vem ganhando visibilidade dentro das maternidades: a violência obstétrica. Objetivo: Identificar as percepções dos enfermeiros obstétricos acerca da violência obstétrica . Material e métodos : Estudo descritivo, exploratório de abordagem qualitativa, realizado em uma maternidade filantrópica de Belo Horizonte. Os dados foram coletados no período de janeiro/2015 a fevereiro/2015, por meio de entrevista do tipo semi-estruturada com 16 enfermeiras obstétricas que atuavam há um ano ou mais na referida maternidade e analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. Resultados: Emergiram duas categorias temáticas, sendo elas:   enfermeiros obstétricos, que aponta violências praticadas por outros profissionais, principalmente pelo médico obstetra, como também reconhecem situações de violência obstétrica na sua prática profissional. Conclusão : É necessário a percepção da violência obstétrica e o reconhecimento da violência obstétrica por parte dos enfermeiros obstétricos na sua prática profissional, pois uma das iniciativas relacionadas a humanização da assistência obstétrica é o novo modelo de assistência ao parto e nascimento que fundamenta-se na atenção prestada por este profissional.

Referências

Vasconcelos SDD. Dominação e autonomia: os elementos básicos da enfermagem [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2001.

Teixeira NZF, Pereira WR. Parto hospitalar-experiências de mulheres da periferia de Cuiabá-MT. Rev Bras Enferm. 2006; 59(6):740-4.

Chauí M. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Cardoso R, Chauí M e Paoli MC (Org.). Perspectivas antropológicas da mulher: 4. Rio de Janeiro: Zahar Editores; 1985. p. 25-62.

Tesser CD, Knobel R, Andrezzo HFA, Diniz SG. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Família Comunidade. 2015; 10(35):1-12

Aguiar JM, D'Oliveira AFPL, Shraiber LB. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cad Saude Publica. 2013; 29(11):2287-96.

Pereira JC, Silva JCO, Borges NA, Ribeiro MMG, Auarek LJ, Souza JHK. Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. Braz J Surg Clin Res. 2016; 15(1):103-8.

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saude Publica. 2014; 30(suppl.1):S17-S47.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017; 5(7):1-12.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Oliveira TR, Costa REOL, Monte NL, Veras JMMF, Sá MIMR. Percepção das mulheres sobre violência obstétrica. Rev enferm UFPE. 2017; 11(1):40-6.

Ministério da Saúde (BR). Fundação Perseu Abramo. Gravidez, Filhos e Violência Institucional no Parto. São Paulo: 2010.

Tostes NA, Seidl EMF. Expectativas de gestantes sobre o parto e suas percepções acerca da preparação para o parto. Temas psicol. 2016; 24(2):681-93.

Aguiar JM. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero [tese]. São Paulo (SP): Faculdade de Medicina de São Paulo; 2010.

Guedes RN, Fonseca RMGS. A autonomia como necessidade estruturante para o enfrentamento da violência de gênero. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(2):1731-5.

Andrade MAC, Lima JBMC. O modelo obstétrico e neonatal que defendemos e com o qual trabalhamos. In: Ministério da Saúde (BR). Cadernos humaniza SUS: humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. p. 19-46.

Santos LM, Pereira SSC. Vivências de mulheres sobre a assistência recebida no processo parturitivo. Physis. 2012; 22(1):77-97.

Nagahama EEI, Santiao SM. A institucionalização médica do parto no Brasil. Cien Saude Colet. 2005. 10(3):651-7.

Garcia SAL, Lippi UG, Garcia SAL. O parto assistido por enfermeira obstetra: perspectivas e controvérsias. Rev Bras Promoç Saúde. 2010; 23(4):380-8.

Jardim DMB, Modena CM. Obstetric violence in the daily routine of care and its characteristics. Rev Lat Am Enfermagem. 2018; 26:e3069.

Organização Mundial da Saúde. A prevenção e eliminação do desrespeito e abuso durante o parto baseada nos recursos. Genebra: Organização Mundial de Saúde; 2014.

Publicado
2020-02-14
Como Citar
1.
Lima Miranda F, Sereno Velloso G, de Oliveira Lima P, Corrêa Rangel S, Fernandes de Almeida H, Pimenta Pinheiro ML, Neves Vieira Costa L. Violência obstétrica: percepções de enfermeiros obstétricos em uma maternidade de Minas Gerais. hu rev [Internet]. 14º de fevereiro de 2020 [citado 28º de setembro de 2020];45(4):415-20. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/27818
Seção
Artigos Originais