Relato de experiência de um projeto de extensão universitária sobre a digitação de fichas de cadastro individual e domiciliar/territorial no e-SUS APS durante a pandemia de Covid-19

experience report of a university extension project

Autores

  • Cosme Rezende Laurindo Coordenação Estadual de Vigilância das Arboviroses, Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6878-3791
  • Ana Carolina Carvalho Reis Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7365-4553
  • Elfy Mawugnon Deguenon Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4186-1443
  • Danielle Teles da Cruz Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6917-1375

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.40310

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Sistemas de Informação em Saúde, Covid-19

Resumo

Introdução: O e-SUS APS é uma importante ferramenta para a gestão, na qual são registrados dados de cadastros individuais e domiciliares/territoriais da Atenção Primária à Saúde (APS), favorecendo o planejamento das ações em saúde. Para que seu uso seja efetivo, é necessária alimentação de dados levantados corretamente e completos, o que foi impactado negativamente pela pandemia de Covid-19. Objetivo: Relatar a experiência da realização do projeto de extensão intitulado “Sistemas de Informação em Saúde: construindo dados gerenciais para o enfrentamento do COVID19”. Relato de experiência: Estudo descritivo, do tipo relato de experiência, resultado da vivência de 15 discentes de cursos de graduação da saúde, um discente de pós-graduação em saúde coletiva, e uma docente, em um projeto de extensão realizado de maio a dezembro de 2020, em colaboração com a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora (SS/PJF). As atividades, realizadas remotamente, incluíram a digitação das fichas de cadastro individual e domiciliar/territorial pelos discentes extensionistas. Anteriormente à digitação, foi realizada capacitação pela docente coordenadora do projeto e por colaboradores da SS/PJF sobre o acesso e o uso do e-SUS APS, além da digitação das fichas. As fichas foram entregues no domicílio de cada discente, que possuiu acesso próprio individual ao sistema. Resultados: Foram digitadas 10.432 fichas no e-SUS APS, sendo 7.648 de cadastro individual e 2.784 de cadastro domiciliar/territorial. Observou-se melhora da qualidade de preenchimento das fichas e sensibilização do preenchimento de dados não obrigatórios. Por conseguinte, houve contribuição na garantia de repasse financeiro e disponibilização de dados que favoreceram o gerenciamento das ações frente ao contexto sanitário. Conclusão: O projeto oportunizou contribuição direta para com a digitação de fichas de cadastro individual e domiciliar/territorial no e-SUS APS do município de Juiz de Fora, auxiliando na qualificação do preenchimento das fichas a partir dos feedbacks dos discentes extensionistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cosme Rezende Laurindo, Coordenação Estadual de Vigilância das Arboviroses, Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil

Especialista em Políticas e Gestão da Saúde lotado na Coordenadoria Estadual de Vigilância das Arboviroses (CEVARB/DVAT/SVE/SUBVS), da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES MG). Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Especialista em Saúde Mental - Modalidade Residência Multiprofissional pela UFJF. Especialista em Gestão e Auditoria de Serviços da Saúde pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Aperfeiçoamento em andamento em Formação de Preceptores da Educação em Saúde - FORPRES pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Aperfeiçoado em Atenção à Saúde no Sistema Prisional pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/ Fiocruz - RJ). Bacharel em Enfermagem pela UFJF. Enfermeiro Terapeuta pela participação no Projeto Enfermagem Solidária, Conselho Federal de Enfermagem. Capacitado em: Redução de Danos pela Escola de Saúde Pública de Santa Catarina Prof. Osvaldo de Oliveira Maciel (2019). Integra os seguintes grupos de pesquisa: Grupo de Estudos sobre a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - GEDPOC (UNIPAC-JF); e Núcleo de Estudos em Infecções e Complicações relacionadas à Assistência à Saúde (NEICAS) (UFJF). Possui experiência como revisor e parecerista de artigos científicos e resumos em eventos científicos e periódicos científicos.

Ana Carolina Carvalho Reis, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil

Graduanda do curso de Odontologia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Elfy Mawugnon Deguenon, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil

Graduanda do curso de Farmácia e Bioquímica da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Danielle Teles da Cruz, Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil

Possui graduação em Fisioterapia (UFJF - 2008), com formação generalista. Mestre em Saúde Coletiva pela UFJF (2011) e Doutora em Saúde pela UFJF (2017). Professora Adjunta do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (mestrado e doutorado) e do Mestrado Profissional em Saúde da Família da UFJF. Membro do Corpo Editorial da Revista de APS da UFJF. Ouvidora Especializada em Ações Afirmativas da UFJF e representante da UFJF no Comitê Técnico de Saúde da População Negra (CTSPN) de Juiz de Fora.

Referências

Brasil. Portaria n° 2.979, de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação n° 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017. Diário Oficial da União. 2019.

Sarti TD, Lazarini WS, Fontenelle LF, Almeida APSC. Qual o papel da Atenção Primária à Saúde diante da pandemia provocada pela Covid-19? Epidemiol Serv Saude. 2020; 29(2):e2020166.

Tasca R, Massuda A, Carvalho WM, Buchweitz C, Harzheim E. Recomendações para o fortalecimento da atenção primária à saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2020; 44:1-8.

Brasil. Portaria n° 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 2017.

Thum MA, Baldisserotto J, Celeste RK. Utilização do e-SUS AB e fatores associados ao registro de procedimentos e consultas da atenção básica nos municípios brasileiros. Cad Saude Publica. 2019; 35(2):e00029418.

Carreno I, Moreschi C, Marina B, Hendges DJB, Rempel C, Oliveira MMC. Análise da utilização das informações do Sistema de Informação de Atenção Básica (SIAB): uma revisão integrativa. Cien Saude Colet. 2015. 20(3):947-56.

Zacharias FCM, Schönholzer TE, Oliveira VC, Gaete RAC, Perez G, Fabriz LA, et al. e- SUS Atenção Primária: atributos determinantes para adoção e uso de uma inovação tecnológica. Cad Saude Publica. 2021; 37(6):e00219520.

Silva BRG, Corrêa APV, Uehara SCSA. Organização da atenção primária à saúde na pandemia de covid-19: revisão de escopo. Rev Saude Publica. 2022; 56:94.

Brasil. Portaria n° 1.412, de 10 de julho de 2013. Institui o Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). Diário Oficial da União. 2013.

Ferreira JESM, Oliveira LR, Marques WS, Lima TS, Barbosa ES, Castro RR, Guimarães JMX. Sistemas de Informação em Saúde no apoio à gestão da Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. RECIIS. 2020; 14(4):970-82.

Silva MVS, Moreira, F JF, Abreu LDP. Sistemas de informação de saúde em tempos de Covid-19. Cadernos ESP. 2020; 14(1):86-90.

Aquino EML, Silveira IH, Pescarini JM, Aquino R, Souza-Filho JA, Rocha AS, Ferreira A et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de Covid-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Cien Saude Colet. 2020; 25(1):2423-46.

Dias MSL, Brognoli PC, Hamm LRF, Neto PMS. Extensão universitária em tempos de Covid-19: um relato de experiência no projeto (tutor). Rev E&S. 2020; 12(1):247-55.

Albuquerque SGE, Santos SR, Costa T, Amorim EH, Cabral ALM, Batista PSS. Estratégia e-SUS atenção básica: dificuldades e perspectivas. J Health Inform. 2020; 12:399-405.

Morais TB, Campos E. Avaliação das dificuldades e problemas encontrados na unidade básica de saúde quanto à implementação do sistema e-sus. Brasília, DF: Uniceplac; 2020.

Araújo JR, Araújo Filho DC, Machado LDS, Martins RMG, Cruz RSBLC. Sistema e-SUS AB: percepções dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Saúde Debate. 2019; 43(122):780-92.

Gomes R, Murta D, Facchini R, Meneghel SN. Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde. Cien Saude Colet. 2018; 23(6):1997-2005.

Brasil. Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. 1990.

Mello MMC. Webpalestra: atendimento à população LGBT na APS [Internet]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. 2019 [citado em 2023 jan. 10]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wmzkbPpTku8.

Aureliano WA. Trajetórias terapêuticas familiares: doenças raras hereditárias como sofrimento de longa duração. Cien Saude Colet. 2018; 23(2):369-79.

Nogueira APF, Lucena KDT, Pinto BPV, Araújo MF, Ataíde MCC, Neto WDP et al. A importância do uso do genograma para compreensão da dinâmica familiar. Rev enferm UFPE online. 2017; 11(12):5110-5.

Jesus FA, Albuquerque JA, Fonseca VR, Cardoso CPM. Utilização das ferramentas de abordagem familiar como subsídio para o cuidado multiprofissional no âmbito da estratégia saúde da família. RSC. 2019; 15(4):1656-63.

Barbosa MIS. Formação e facilitação de grupos comunitários na Estratégia Saúde da Família. SANARE Revista de Políticas Públicas. 2009; 8(1):86-98.

Quintero-Jurado J, Ossa-Henao Y. Grupos comunitários juvenis: promoção da saúde mental e desenvolvimento de capacidades. Temas psicol. 2018; 26(3):1605-18.

Araújo RS, Cruz PJSC, Vasconcelos ACCP, Pereira EAAL, Nascimento BGS, Mélo CT. Educação popular na Atenção Primária à Saúde: sistematização de experiências com grupos comunitários de promoção da saúde. Revista Conexão da UEPG. 2021; 17:e2115270.

Siva ALB, Sousa SC, Chaves ACF, Sousa GC, Andrade TM, Rocha Filho DR. Importância da extensão universitária na formação profissional: projeto canudos. Rev enferm UFPE online. 2019; 13:e242189.

Ferreira JDO. Gerenciamento Estratégico da Informação: questões éticas em sistemas de informação [Internet]. 2011 [citado 2023 jan. 10]. Disponível em: http://gerenciamento-estrategico-informacao.blogspot.com/.

Keinert TMM, Cortizo CT. Dimensões da privacidade das informações em saúde. Cad Saude Publica. 2018; 34(7):e00039417.

Downloads

Publicado

2023-11-09

Como Citar

1.
Laurindo CR, Reis ACC, Deguenon EM, Cruz DT da. Relato de experiência de um projeto de extensão universitária sobre a digitação de fichas de cadastro individual e domiciliar/territorial no e-SUS APS durante a pandemia de Covid-19: experience report of a university extension project. HU Rev [Internet]. 9º de novembro de 2023 [citado 25º de maio de 2024];49:1-6. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/40310

Edição

Seção

Relato de Experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)