Cuidados de enfermagem ao paciente com anemia falciforme: ensino baseado em simulação clínica

Autores

  • Renato Fernando Jesus Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0001-8344-0666
  • Cássia Menezes Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu
  • Danielle Silva Araujo Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu
  • Layane Cristina Araújo Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0002-1105-3234
  • Ana Angélica Dias Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0003-4340-004X
  • Raissa Silva Souza Universidade Federal de São João del-Rei campus Centro-oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0001-5010-763X

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34819

Palavras-chave:

Educação em Enfermagem, Treinamento por Simulação, Anemia Falciforme, Cuidados de Enfermagem

Resumo

Introdução: A doença falciforme tem sido pontuada como um problema de saúde negligenciado no âmbito global, e tem como forma mais comum a anemia falciforme, que pode ocasionar em fenômenos vaso-oclusivos considerados urgências clínicas. Nessa perspectiva, acredita-se que preparar futuros enfermeiros por meio do uso de simulação clínica para o cuidado da anemia falciforme é primordial, uma vez que viabilizaria melhores condições de vida e bem estar para esse público-alvo, bem como proporcionaria mais segurança ao profissional de saúde no atendimento a essa população. Objetivo: Avaliar o resultado da aplicação de um cenário de simulação clínica quanto ao ganho de conhecimento, satisfação e autoconfiança com a aprendizagem e a experiência com o debriefing. Materiais e Métodos: Estudo quase-experimental, quantitativo, desenvolvido no laboratório de habilidades de uma universidade pública, com estudantes aprovados no 4º período do curso de enfermagem. Os instrumentos de coleta de dados foram questionário de caracterização, instrumento de avaliação de conhecimentos, Escala de Experiência com o Debriefing e a Escala de Satisfação Pessoal e Autoconfiança do Estudante. Resultados: Houve melhoria significativa nos resultados do instrumento de conhecimentos antes e após a simulação. Além disso, mais de 90% dos participantes concordaram que o debriefing foi capaz de estimulá-los a aprender e a fazer conexões sobre a temática. Ao se comparar a satisfação e autoconfiança dos estudantes que participaram ativamente da execução do cenário clínico com a dos estudantes que observaram, atestou-se que houve diferença significativa no domínio do conteúdo da atividade de simulação clínica. Conclusão: A simulação clínica proporcionou ganho de conhecimento, satisfação e autoconfiança na preparação de estudantes para a prestação da assistência de enfermagem aos pacientes com anemia falciforme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mburu J, Odame I. Sickle cell disease: Reducing the global disease burden. Int J Lab Hematol. 2019; 41(1):82-8. doi: 10.1111/ijlh.13023

Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev Bras Hematol Hemoter. 2007; 29(3): 203-06.

Nunes JGP. Julgamento clínico e raciocínio diagnóstico de estudantes de enfermagem em simulação clínica de alta fidelidade [Dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade São Paulo; 2016.

Negri EC, Mazzo A, Martins JCA, Junior GAP, Almeida RGS, Pedersoli CE. Simulação clínica com dramatização: ganhos percebidos por estudantes e profissionais de saúde. Rev-Latino Am. Enfermagem. 2017 (25).

Lioce L, Lopreiato J, Downing D, Chang TP, Robertson JM, Anderson M et al. Terminology and Concepts Working Group. Healthcare Simulation Dictionary. 2020. Second Edition. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality; AHRQ. doi: https://doi.org/10.23970/simulationv2

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Menezes RMP, Araujo MS. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. Rev. Espaço para a Saúde. 2015; 16(1): 59-65.

Jeffries PRA. A framework for designing, implementing, and evaluating simulation used as teaching strategies in nursing. Nurs Educ Perspect. 2005 [citado em 29 jun 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15921126.

Gibbs G. Learning by doing: a guide to teaching and learning methods. London: Fell; 1988.

Almeida RGS, Mazzo A, Martins JCA, Coutinho VRD, Jorge BM, Mendes IAC. Validation to Portuguese of the Debriefing Experience Scale. Rev Bras Enferm. 2016; 69(4): 658-664.

Almeida RGS, Mazzo A, Martins JCA, Baptista RCN, Girao FB, Mendes IAC. Validation to Portuguese of the Scale of Student Satisfaction and Self-Confidence in Learning. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(6): 1007-13. doi: 10.1590/0104-1169.0472.2643.

Correa AK, Prebill GM, Ruiz JC, Sousa MCBM, Santos RA. O perfil do aluno ingressante em um curso de bacharelado e licenciatura em enfermagem de uma instituição de ensino superior pública. Educação em Revista. 2018; 34. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698185913

Bernardino AO, Coriolano-Marinus MWL, Santos AHS, Linhares FMP, Cavalcanti AMTS, Lima LS. Motivação dos estudantes de enfermagem e sua influência no processo de ensino-aprendizagem. Texto contexto – enferm. 2019; 27(1).

Omer TY. Nursing Students’ Perceptions on Standardized Debriefing Experience After Clinical Simulation. IOSR-JNHS. Arábia Saudita. 2018; 7(5): 59-66. doi: 10.9790/1959-0705065966.

Oliveira SN, Massaroli A, Martini JG, Rodrigues J. From theory to practice, operating the clinical simulation in Nursing teaching. Rev Bras Enferm. 2018; 71: 1791-98. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0180.

Brasil GC, Ribeiro LM, Mazzo L, Almeida RGS, Martins JCA, Fonseca LMM, Leon CGRMP. Utilização de escalas de Design e autoconfiança na avaliação da simulação realística materno-infantil. Rev. Enf. Ref. 2018; 19: 117-126.

Lubbers J, Rossman C. Satisfaction and self-confidence with nursing clinical simulation: Novice learners, medium-fidelity, and community settings. Nurse Educ Today. 2017; 48: 140-144.

Mesquita HCT, Santana BS, Magro MCS. Efeito da simulação realística combinada à teoria na autoconfiança e satisfação de profissionais de enfermagem. Esc Anna Nery. 2019; 23(1).

Boostel RB FJ, Bortolato-Major C, Pedrolo E, Vayego SA, Mantovani MF. Estresse do estudante de enfermagem na simulação clínica: ensaio clínico randomizado. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3): 967-74.

Plathe H, Solheim E. Nursing Students' and Preceptors' Experiences with Using an Assessment Tool for Feedback and Reflection in Supervision of Clinical Skills: A Qualitative Pilot Study. Nurs Res Pract. 2021.

Carrero-Planells A, Pol-Castañeda S, Alamillos-Guardiola MC, Prieto-Alomar A, Tomás-Sánchez M, Moreno-Mulet C. Students and teachers' satisfaction and perspectives on high-fidelity simulation for learning fundamental nursing procedures: A mixed-method study. Nurse education today. 2021.

Gleke MM. Avaliação da capacitação da equipe de enfermagem para o cuidado com o cateter enteral [Dissertação]. Sorocaba: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde; 2016.

Rodrigues IDCV. Simulação realística no processo de ensino-aprendizagem do raciocínio diagnóstico de enfermagem [Tese]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2017.

Carvalho LRN. Julgamento clínico e auto eficácia de enfermeiros para o manejo da sepse: uso da simulação clínica [Dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2018.

Nunes JGP, Amendoeira JJP, Cruz DALM, Lasater K, Morais SCRV, Carvalho EC. Clinical judgment and diagnostic reasoning of nursing students in clinical simulation. Rev Bras Enfer. 2020; 73(6).

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

1.
Jesus RF, Menezes C, Araujo DS, Araújo LC, Dias AA, Souza RS. Cuidados de enfermagem ao paciente com anemia falciforme: ensino baseado em simulação clínica. hu rev [Internet]. 13º de dezembro de 2021 [citado 6º de dezembro de 2022];47:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34819

Edição

Seção

Artigos Originais