Perfil demográfico e farmacoterapêutico de crianças hospitalizadas por exacerbação da asma em um hospital universitário: possíveis consequências sociais e econômicas

Autores

  • Júlia Bertolini Fajardo Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Farmácia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-9388-6936
  • Laura Barbosa Fernandes Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Farmácia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-5988-7510
  • Igor Rosa Meurer Unidade de Farmácia Clínica, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-8410-4741
  • Milene Machado Minateli Unidade de Farmácia Clínica, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Natália Resende Avelino Unidade de Farmácia Clínica, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0003-4834-5414

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34079

Palavras-chave:

Asma, Pediatria, Hospitalização, Tratamento Farmacológico

Resumo

Introdução: A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas com alta prevalência na infância, sendo a terceira maior causa de internações pediátricas no Sistema Único de Saúde. Problemas relacionados à farmacoterapia, subdiagnóstico, acesso precário ao serviço de saúde e características individuais são alguns dos principais fatores relacionados aos agravos e aumento de custos com a doença. Objetivo: Traçar o perfil demográfico e farmacoterapêutico das crianças internadas por exacerbação da asma, correlacionando questões inerentes à farmacoterapia e a ocorrência de hospitalizações com o aumento de custos para o Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. Material e Métodos: Estudo observacional retrospectivo quantitativo envolvendo usuários asmáticos de 0 a 17 anos hospitalizados pela especialidade pediatria no período de janeiro a dezembro de 2019. Os dados coletados através do prontuário eletrônico, sumário de alta e Sistema de Informações Hospitalares foram descritos em termos de média, desvio-padrão e distribuição. Resultados: A maioria das crianças apresentava tratamento farmacoterapêutico inadequado para asma, episódios de readmissão hospitalar e alto índice de subdiagnóstico. Por consequência, os gastos se mostraram elevados em 2019 em comparação com as demais doenças do aparelho respiratório em crianças. O estudo ainda reforçou que o perfil mais acometido pela asma são meninos de 1 a 4 anos de idade. Além disso, a presença de fatores ambientais e genéticos predisponentes à asma foi frequentemente relatada. Conclusão: A investigação do perfil demográfico e farmacoterapêutico de asmáticos com agravos recorrentes possibilita o desenvolvimento de ações com foco no cuidado integral da criança e suas particularidades. Assim, será possível atingir melhor controle da doença ainda na atenção básica, reduzir agravos e, consequentemente, otimizar o direcionamento de recursos públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Boonpiyathad, T, Sözener, ZC, Satitsuksanoa P, Akdis CA.

Immunologic mechanisms in asthma. Semin Immunol. 2019; 46.

Ferreira C, Assunção B, Santos C, Dias E, Fortuce F, Braga M et al. Mepolizumab: um novo tratamento para a asma. Conexão Ciência. 2017; 12(2):126-31.

Global Initiative For Asthma. Global strategy for asthma management and prevention: 2019 update [internet]. 2019. [citado em 2021 jan 4]. Disponível em: https://ginasthma.org/wp-content/uploads/2019/06/GINA-2019-main-report-June-2019-wms.pdf

Costa E, Bregman M, Araujo DV, Costa CH, Rufino R. Asthma and the socio-economic reality in Brazil. World Allergy Organ J. 2013; 6(1):1-9.

Cardoso TA, Roncada C, Silva ER, Pinto LA, Jones MH, Stein RT et al. Impacto da asma no Brasil: análise longitudinal de dados extraídos de um banco de dados governamental brasileiro. J Bras Pneumol. 2017; 43:163-68.

Pitchon RR, Alvim CG, Andrade CR, Lasmar LMLBF, Cruz AA, Reis AP. Asthma mortality in children and adolescents of Brazil over a 20‐year period. J Pediatr. 2020; 96(4):432-38.

Neto HJC, Solé D, Camargos P, Rosário NA, Sarinho EC, Chong-Silva DC et al. Diretrizes da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia e Sociedade Brasileira de Pediatria para sibilância e asma no pré-escolar. Arq Asma Alerg Imunol. 2018; 2(2):163-208.

Pizzichini MMM, Carvalho-Pinto RM, Cançado JED, Rubin AS, Cerci Neto A, Cardoso AP et al. Recomendações para o manejo da asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia-2020. J Bras Pneumol. 2020; 46(1).

Ministério da Saúde (BR). Banco de dados do Sistema Único de Saúde: DATASUS [internet]. [citado em 2020 out 11]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/niuf.def/

Costa E, Caetano R, Werneck GL, Bregman M, Araújo DV, Rufino R. Estimativa de custo da asma em tratamento ambulatorial: estudo com dados de mundo real. Rev Saúde Pública. 2018; 52:27.

Roncada C, Souza RG, Costa DD, Pitrez PM. Asma pediátrica: impacto da doença em crianças em acompanhamento ambulatorial no Sul do Brasil. Rev Paul Pediatr. 2020; 38.

Paoletti G, Keber E, Heffler E, Malipiero G, Baiardini I, Canonica GW et al. Effect of an educational intervention delivered by pharmacists on adherence to treatment, disease control and lung function in patients with asthma. Respir Med. 2020; 174.

Menezes MB, Ponte EV, Mingotti CFB, Pinto RMC, Bagatin E, BMath VBL et al. Provision of inhaled corticosteroids is associated with decrease in hospital admissions in Brazil: a longitudinal nationwide study. Respir Med. 2020; 166:105950.

Magalhães LS, Policena GM, Carneiro VSM, Costa LDC, Costa MSN, Vieira MAS. Analysis of the trend of hospitalizations for asthma in children and adolescents in Brazil. J Pediatr. 2020.

Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (BR). Institucional: HU-UFJF: nossa história [internet]. [citado em 2021 jan 7]. Disponível em: https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-sudeste/hu-ufjf/acesso-a-informacao/institucional

Portal PEBMED. CID 10: busca da Classificação Internacional de Doenças [internet]. [citado em 2020 dez 5]. Disponível em: https://pebmed.com.br/cid10/asma/

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (BR). Banco de Dados Meteorológicos INMET [internet]. [citado em 2020 dez 21]. Disponível em: https://bdmep.inmet.gov.br/

Veras TN, Sakae TM. Características de crianças hospitalizadas com asma grave no sul do Brasil. Sci Med. 2010; 20(3):223-27.

Silva AC, Cota FVH, Dutra JS, Santos YR, Romano MCC. Hospitalização por asma em crianças no município de Divinópolis, Minas Gerais. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2014; 4(3):1290-99.

Libera GO, Sousa JCM, Melo MLV, Isidório UA, Assis EV. Análise de internações hospitalares por asma no Brasil. Journal of Medicine and Health Promotion. 2018; 3(4):1044-52.

Lisboa LAS, Queiroz RCS, Thomaz EBAF, Silva NC, Rocha TAH, Vissoci JRN et al. Characteristics of primary care and rates of pediatric hospitalizations in Brazil. Rev Saude Publica. 2020; 54.

Silva Júnior JLR, Diniz ITL, Nunes LFG, Borges TR. Efeito da sazonalidade climática nas hospitalizações por doença respiratória na cidade de Anápolis-GO entre 2002 e 2012. Rev Educ Saúde. 2016; 4(2):31-42.

Camelo MS, Rehem TCM. Internações por condições sensíveis à atenção primária em pediatria no distrito federal: um estudo ecológico exploratório. REME Rev Min Enferm. 2019; 23.

Siroux V, Bouzigon E. Asthma heterogeneity: the increasing genetic evidence. Lancet. 2019; 7(6):469-71.

Fernandes SSC, Solé D, Camargos P, Andrade CR, Ibiapina CC. Fatores associados à expressão da asma em adolescentes. J Bras Pneumol. 2018; 44(1):12-7.

Federico MJ, McFarlane AE, Szefler SJ, Abrams EM. The impact of social determinants of health on children with asthma. J Allergy Clin Immunol Pract. 2020; 8(6):1808-14.

Auger KA, Kahn RS, Davis MM, Simmons JM. Pediatric asthma readmission: asthma knowledge is not enough? J Pediatr. 2015; 166(1):101-8.

Chung HS, Hathaway DK, Lew DB. Risk factors associated with hospital readmission in pediatric asthma. J Pediatr Nurs. 2015; 30(2):364-84.

Vasbinder EC, Belitser SV, Souverein PC, van Dijk L, Vulto AG, Van den Bemt PM. Non-adherence to inhaled corticosteroids and the risk of asthma exacerbations in children. Patient Prefer Adherence. 2016; 10:531-38.

Silveira CD, Araújo FB, Pereira LFF, Corrêa RA. Avaliação da assistência ao paciente asmático no Sistema Único de Saúde. J Bras Pneumol. 2009; 35(7):628-34.

Corcini DS, Garcia RMA. Atenção farmacêutica a pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica e asma. Revista de APS. 2020; 23(4).

Lambrecht BN, Hammad H. The immunology of asthma. Nat immunol. 2015; 16(1):45-56.

Freitas PD, Xavier RF, McDonald VM, Gibson PG, Cordova-Rivera L, Furlanetto KC et al. Identification of asthma phenotypes based on extrapulmonary treatable traits. Eur Respir J. 2020; 57(1).

Firmida M, Borgli D. Abordagem da exacerbação da asma em pediatria. Rev Ped SOPERJ. 2017; 17:36-44.

Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (BR). Protocolo clínico e diretriz terapêutica: asma: da internação à alta hospitalar. Juiz de Fora: HU-UFJF/Ebserh; 2017.

Okubo Y, Horimukai K, Michihata N, Morita K, Matsui H, Fushimi K et al. Association between early antibiotic treatment and clinical outcomes in children hospitalized for asthma exacerbation. J Allergy Clin Immunol. 2020; 147(14):114-22.

Souza DK, Peixoto SV. Estudo descritivo da evolução dos gastos com internações hospitalares por condições sensíveis à atenção primária no Brasil, 2000-2013. Epidemiol Serv Saúde 2017; 26(2):285-94.

Pinto-Junior EP, Costa LQ, Oliveira SMA, Medina MG, Aquino R, Silva MGC. Tendência dos gastos e das internações por condições sensíveis à Atenção Primária em menores de cinco anos na Bahia, Brasil. Cien Saude Colet. 2018; 23(12):4331-38.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

1.
Bertolini Fajardo J, Barbosa Fernandes L, Rosa Meurer I, Machado Minateli M, Resende Avelino N. Perfil demográfico e farmacoterapêutico de crianças hospitalizadas por exacerbação da asma em um hospital universitário: possíveis consequências sociais e econômicas. hu rev [Internet]. 4º de novembro de 2021 [citado 23º de janeiro de 2022];47:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34079

Edição

Seção

Artigos Originais