Uso de equipamentos de proteção individual por manipuladores de alimentos em uma unidade de alimentação e nutrição

  • Rebeca Galhardo Tiburcio Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora/MG
  • Daniel Inácio Peixoto Domingues de Azevedo 1. Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora/MG
  • Bruna Laiza Silva Marinho 1. Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora/MG
  • Mirella Lima Binoti 2. Departamento de Nutrição e saúde, Universidade Federal Viçosa (UFV), Viçosa/MG http://orcid.org/0000-0001-5274-8588
Palavras-chave: Saúde do Trabalhador, Controle de Qualidade, Riscos Ocupacionais

Resumo

Introdução: Com o objetivo de garantir a segurança e a saúde do trabalhador, a legislação trabalhista brasileira prevê a obrigatoriedade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Objetivo: Esse trabalho objetivou analisar as razões de não adesão aos EPIs e avaliar o nível de conhecimento sobre a importância do seu uso por manipuladores de alimentos de uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Material e Métodos: Estudo transversal realizado na matriz de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), na cidade de Juiz de Fora, Brasil. Utilizou-se um questionário auto administrado contendo perguntas sobre a frequência de utilização e motivos para não utilização de EPIs, e avaliação do conhecimento sobre sua importância. Os dados foram descritos por meio da distribuição de frequências absolutas e relativas. Resultados: Participaram da pesquisa 93 manipuladores - líderes de setores e nutricionistas, cozinheiros, auxiliares de expedição, auxiliares de câmara fria, estoquistas, auxiliares de pré-preparo, açougueiros e auxiliares de cozinha. Os equipamentos mais utilizados foram bota de PVC, sapato de segurança, touca descartável e avental de napa. Para o uso de luva descartável, 100% dos auxiliares de expedição dizem não utilizá-la. Sobre a luva de malha de aço, 50% dos açougueiros utilizar às vezes. Apenas cozinheiros dizem utilizar óculos de proteção, 83,33% dizem sempre utilizar e 16,67% dizem utilizar às vezes. Sobre a importância de utilização de EPIs, todos reconhecem a necessidade de utilização. Conclusão: Os manipuladores de alimentos da unidade são conscientes sobre a importância da utilização dos equipamentos. Entretanto, há defasagem em relação a sua utilização, diagnosticando-se a necessidade de capacitação sobre a finalidade de cada EPI e a forma correta de utilização, para garantir a qualidade no ambiente de trabalho e a segurança dos manipuladores, minimizando o risco de ocorrência dos perigos e preservando a integridade física dos mesmos.

Biografia do Autor

Mirella Lima Binoti, 2. Departamento de Nutrição e saúde, Universidade Federal Viçosa (UFV), Viçosa/MG

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Vila Velha (2003), mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Federal do Espírito Santo (2006) e doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Dietética, unidades de alimentação e nutrição e alimentos.

Referências

Petrof D. Setor de alimentação cresce no Brasil. DM Notícias. [citado em 2017 dez 28]. Disponível em: http://www.dm.com.br/economia/2015/07/setor-de-alimentacao-cresce-no-brasil.html.

Dourado MMJ, Lima TP. Ergonomia e sua importância para os trabalhadores de unidades de alimentação e nutrição. Ensaios e ciência: ciências biológicas, agrárias e da saúde. 2011; 15(4):183-96.

Matos CH, Proença RPC. Condições de trabalho e estado nutricional de operadores do setor de alimentação coletiva: um estudo de caso. Revista Nutrição. 2003; 16(4):493-502.

Cunha LR. Avaliação do perfil ergonômico dos colaboradores do restaurante da escola da Universidade Federal de Pelotas. In: XXI Congresso de Iniciação Cientifica de Pelotas. [citado em 2017 nov 18]. Disponível em: http://www.ufepal.edu.br/cic/2010/cd/cs.htm.

Santos J, Clever J. Manual de segurança alimentar: boas práticas para os serviços de alimentação. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Rubio; 2013.

Malaguti SE, Hayashida M, Canini SRMS. Enfermeiros com cargos de chefia e medidas preventivas à exposição ocupacional: facilidades e barreiras. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2008; 42(3):496-503.

Ministério do Trabalho e do Emprego (BR). Equipamento de proteção individual – EPI. Norma Regulamentadora nº 6, de 15 de dezembro de 2001.

Melo DS, Silva AC, Tipple AFV, Neves ZCP, Pereira MS. NURSES’ understanding of standard precautions at a public hospital in Goiania - GO, Brazil. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2006; 14(5):720-7.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14289/01: cadastro de acidentes de trabalho: procedimentos e classificação. Rio de Janeiro; 2001.

Silva E, Santos RHR, Mendonça XMFD. Avaliação das condições higiênico-sanitária de três unidades de alimentação e nutrição de escolas públicas de ensino fundamental de Barcarena - PA: com ênfase no perfil higiênico dos manipuladores. Anais do IV Congresso de Educação em Saúde da Amazônia (COESA), Universidade Federal do Pará, 2015.

Hagen MEK, Soltys AA, Valmorbida JL, Louzada MLC, Zani VT. O uso de equipamentos de proteção individual pelos funcionários de unidade de alimentação e nutrição de um hospital público do sul do Brasil. Revista Nutrição Brasil. 2012; 11(3):176-80.

Nascimento AMA, Rocha CG, Silva ME, Silva R, Carabete RW. A Importância do uso de equipamentos de proteção na construção civil [monografia]. São Paulo: Escola Técnica Estadual Martin Luther King; 2009.

Tostes MGV, Botelho RA. Segurança no trabalho em Unidades de Alimentação e Nutrição: treinamentos e dinâmicas [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília; 2003.

Garcia DM, Bassinello PZ. Treinamento em boas práticas para manipuladores de alimentos. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão; 2007.

Aguiar OB. Aspectos psicossociais do impedimento laboral por motivos de saúde em trabalhadores de cozinha industriais [tese]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2009.

Ferreira AM, Simon KF, Tasca CG. Segurança no trabalho: o uso efetivo dos EPIs pelos colaboradores em uma UAN de um município do Sudoeste do Paraná. Revista. Simbiologias. 2015; 8(11):103-13.

Vidal G, Baltazar LRS, Costa LCF, Mendonça XMFD. Avaliação das boas práticas em segurança alimentar de uma unidade de alimentação e nutrição de uma organização militar da cidade de Belém, Pará. Revista Alim Nutr. 2011; 22(2):283-90.

Abreu ES, Spninelli MGN, Zanardi AMP. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. São Paulo: Metha LTDA; 2003.

Lippi TAP, Amaral TG, Tabai KC, Nascimento MRF. Restaurante Universitário: avaliação do serviço de alimentação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. Revista Universidade Rural: Série Ciências Humanas. 2004; 26(1-2):05-11.

Conceição ML, Cavalcanti CL. Avaliação dos equipamentos de proteção individual (EPIs) na Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) do Restaurante Universitário da UFPB. Revista Conceitos. 2001; 4(5):105-8.

Barbosa LN, Almeida FQA. Relato de experiência sobre a avaliação dos riscos ambientais e mapeamento em uma unidade de alimentação e nutrição (UAN) para a promoção da segurança no trabalho. Revista Simbiologias. 2008; 1(2):10.

Kabke GB, Meller FO, Schafer AA, Silva CC, Monteiro AR, Santos LP, Buchweitz MRD. Ergonomia e uso de EPIs em uma unidade de alimentação e nutrição de empresa na cidade de Pelotas, RS. In: XVIII Congresso de Iniciação Científica, Xi Encontro de Pós-Graduação e I Amostra Científica, Universidade de Pelotas. Pelotas; 2009.

Publicado
2020-11-17
Como Citar
1.
Galhardo Tiburcio R, Peixoto Domingues de Azevedo DI, Silva Marinho BL, Binoti ML. Uso de equipamentos de proteção individual por manipuladores de alimentos em uma unidade de alimentação e nutrição. hu rev [Internet]. 17º de novembro de 2020 [citado 5º de dezembro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/30175
Seção
Artigos Originais