Manutenção dos benefícios obtidos durante a Reabilitação Cardiovascular Ambulatorial com programa de exercício físico não supervisionado após a alta

Autores

  • Mariana Balbi Seixas Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Vinícius Faria Weiss Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Lilian Pinto da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora

Palavras-chave:

reabilitação, exercício físico, fisioterapia

Resumo

A finalidade da última fase da Reabilitação Cardiovascular (RCV) é a manutenção e/ou aprimoramento dos benefícios adquiridos nas fases anteriores, estando o paciente apto a realizar exercícios físicos sem supervisão.  Diante disso, este trabalho objetiva verificar se um programa de exercício físico não supervisionado promove manutenção de variáveis relacionadas ao quadro clínico e funcional de pacientes que obtiveram alta de um Programa de RCV. Antes da alta, nove pacientes receberam prescrição individualizada e foram orientados a manterem a prática de exercícios físicos aeróbicos realizando automonitoramento da intensidade. Antes e após 3 e 6 meses de alta eles foram avaliados quanto a capacidade funcional, qualidade de vida, medidas hemodinâmicas e antropométricas, barreiras à prática e frequência de realização dos exercícios, além de passarem por coleta dos batimentos cardíacos para avaliação da variabilidade da frequência cardíaca (VFC), cujos índices foram analisados de forma descritiva por meio de box plots. Para as demais variáveis foi empregado o teste de Shapiro-Wilk, seguido pelo teste de Friedman ou ANOVA para medidas repetidas. Não houve diferença estatisticamente significativa entre as avaliações para nenhuma das variáveis pesquisadas, assim como não houve evidência de mudança nos índices de VFC expressos em potência absoluta. O comportamento dos índices de VFC, expressos em unidades normalizadas, sugere redução destas medidas. Assim, o programa de exercício físico não supervisionado investigado foi eficiente em promover manutenção das variáveis acompanhadas. Porém, a alteração dos índices de VFC relacionados ao balanço autonômico, sugere um possível prejuízo do controle autonômico cardíaco ao longo do acompanhamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Balbi Seixas, Universidade Federal de Juiz de Fora

Fisioterapeuta graduada em 2013 pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Cursou um ano e meio de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto no Hospital Universitário de Juiz de Fora (março/2013 à setembro/2014). No momento atua como Fisioterapeuta Técnico-administrativo em Educação na UFJF e cursa pós-graduação em Fisioterapia Pneumofuncional na Faculdade Suprema de Juiz de Fora.

Vinícius Faria Weiss, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui graduação em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (2009), possui pós-graduação em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Universidade Católica de Petrópolis (2010). Atualmente é Fisioterapeuta especialista da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), onde atua na assistência de pacientes internados nas unidades de Enfermaria e Terapia Intensiva; e Fisioterapeuta do Hospital Universitário (HU) - UFJF, atuando junto aos acadêmicos do último período da Faculdade de Fisioterapia através do estágio em Atenção Secundária II das disciplinas de Fisioterapia Cardiopulmonar e Gineco-Obstétrica, além de prestar preceptoria aos residentes da Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto da UFJF. Também atua como Professor convidado em curso de Pós-Graduação latu senso da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Lilian Pinto da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), mestrado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Ciências em Engenharia Biomédica pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009). É professora do Departamento de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Musculoesquelética da Faculdade de Fisioterapia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e coordenadora do Programa de Reabilitação Cardiopulmonar do Hospital Universitário (HU)/UFJF. Atualmente exerce a função de direção da Faculdade de Fisioterapia da UFJF. Tem experiência na área de Fisioterapia Cardiológica e Reabilitação Cardiovascular (fase ambulatorial), atuando principalmente nos seguintes temas: variabilidade da frequência cardíaca, envelhecimento, treinamento físico resistido e aeróbio. Atua como líder no grupo de pesquisa "Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Modulação Autonômica Cardíaca e Envelhecimento", cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq e certificado pela UFJF.

Referências

ACHARYA, U. R. et al. Heart rate variability: a review. Medical & Biological Engineering & Computing. v. 44, n. 12, p.1031-51, 2006.

ARTHUR, H. M. et al. A Controlled trial of hospital versus home-based exercise in cardiac patients. Medicine & Science in Sports & Exercise. v. 34 , p. 1544-50, 2002.

ATS. Statement: guideline for the six-minute walk test. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine. v. 166, n. 1, p. 111-7, 2002.

BOSCH, C. et al. Maintenance of Exercise Capacity and Physical Activity Patterns 2 Years After Cardiac Rehabilitation. Journal of Cardiopulmonary Rehabilitation. v. 25, p. 2-9, 2005.

BROWN, R.A. Rehabilitation of patients with cardiovascular diseases. Report of a WHO expert committee. World Health Organ Tech Rep Ser. v.270, p.3-46, 1964

BRUBAKER, P. H. et al. A Home-based maintenance exercise program after center-based cardiac rehabilitation: effects on blood lipids, body composition, and functional capacity. Journal of cardiopulmonary rehabilitation. v. 20, p. 50-6, 2000.

CARLSON, J. J. et al. Program participation,exercise adherence, cardiovascular outcomes, and program cost of traditional versus modified cardiac rehabilitation. American Journal of Cardiology. v.86, p. 17-23, 2000.

CARVALHO, T. et al. Diretriz. Reabilitação Cardiopulmonar e Metabólica: Aspectos Práticos e Responsabilidades. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.83 (supl. 5): p.448-52, 2006.

CICONELLI, R. M. et al. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação da qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Revista Brasileira de Reumatologia. v.39, n. 3, p. 143-50, 1999.

HAUTALA, A. J. et al. Heart rate dynamics after controlled training followed by a home-based exercise program. European Journal of Applied Physiology. v. 92, p. 289–297, 2004.

HERDY, A.H. et al. Consenso Sul Americano de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v. 103, n. 2, p. 1-31, 2014

HUGHES, A. R.; MUTRIE, N.; MACINTYRE, P. D. Effect of an exercise consultation on maintenance of physical activity after completion of phase III exercise-based cardiac rehabilitation. European journal of cardiovascular prevention and rehabilitation. v.14, p. 114–121, 2007.

KUGLER, J. et al. Hospital supervised vs home exercise in cardiac rehabilitation: effects on aerobic fitness, anxiety, and depression. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. v.71, p.322-5, 1990.

LARSEN, A. I. et al. Effect of exercise training in patients with heart failure: a pilot study on autonomic balance assessed by heart rate variability. European Journal of Cardiovascular Prevention & Rehabilitation. v.11, n. 2, p.162-7, 2004.

LEAR, A.S. et al. The Extensive Lifestyle Management Intervention (ELMI) following cardiac rehabilitation trial. European Heart Journal. v. 24, p. 1920-7, 2003.

LEUNG, Y.W. et al. A Prospective Examination of Patterns and Correlates of Exercise Maintenance in Coronary Artery Disease Patients. Journal of Behavioral Medicine. v. 30, n.5, p. 411-21, 2007.

LONGO, A., FERREIRA, D. CORREIA, M.J. Variabilidade da frequência cardíaca, Revista Portuguesa de Cardiologia. v. 14, n. 3, p. 241-62, 1995.

LOPES, F.L. et al. Redução da variabilidade da frequência cardíaca em indivíduos de meia idade e o efeito do treinamento de força. Revista Brasileira de Fisioterapia. v.11, n. 2, p. 113-19, 2007.

MALIK, M., CAMM, A.J. Heart Rate Variability. 1 ed. New York, Futura Publishing Company, 1995.

MARTINS, M. O.; PETROSKI, E. L. Mensuração da percepção de barreiras para a prática de atividades físicas: uma proposta de instrumento. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. v.2, n.1, p.58-65, 2000.

MCARDLE, W. D.; KATCH, F.I.; KATCH, V.L. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

MELO, R.C. et al. Effects of age and physical activity on the autonomic control of heart rate in healthy men. Brazilian Journal of Medical and Biological Research. v. 38, n. 9, p.1331-8, 2005.

MOHOLDT, T. et al. Home-based aerobic interval training improves peak oxygen uptake equal to residential cardiac rehabilitation: a randomized, controlled trial. PLoS ONE. v.7, n. 7, p. e41199, 2012.

MOORE, S. M. et al. Women's patterns of exercise following cardiac rehabilitation. Nursing Research. v.47, n.6, p.318-24, 1998.

MORAIS, E. R. et al. Efeitos do Exercício Físico Não Supervisionado na Qualidade de Vida e na Capacidade Funcional de Portadores de Insuficiência Cardíaca Crônica. Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde. v.15, n. 2, p. 97-103, 2013.

NEGRÃO, C. E.; BARRETTO, A. C. P. Cardiologia do Exercício: do atleta ao cardiopata. 3. ed. São Paulo: Manole, 2010.

NISKANEN, J. P, et al. Software for advanced HRV analysis. Computer Methods and Programs in Biomedicine. v. 76, n. 1, p. 73-81, 2004.

NUNES, A. P. O. B. et al. Efeitos de um programa de exercício físico não supervisionado e acompanhado a distância, via Internet, sobre a pressão arterial e composição corporal em indivíduos normotensos e pré-hipertensos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v. 86, n. 4, p. 289-96, 2006.

OLIVEIRA FILHO, J.A. et al. Reabilitação não supervisionada: efeitos de treinamento ambulatorial a longo prazo. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v. 79, p. 233-8, 2002.

OLIVEIRA FILHO, J.A.; SAVETTI, X. M. Reabilitação não-supervisionada ou semi-supervisionada: uma alternativa prática. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.83, n.5,p. 368-70, 2004.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. I Consenso Nacional de Reabilitação Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.69, n.4, p.267-291, 1997.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.84, n.5, p. 431-40, 2005.

TARVEINEN, M. P.; RANTA-AHO, P. O.; KARJALAINEN, P. A. An Advanced Detrending Method With Application to HRV Analysis. IEEE Transactions on Biomedical Engineering. v. 49, n. 2, p. 172-5, 2002.

Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society of Pacing and Electrophisiology: Heart rate variability: standards of measurement, physiological interpretation, and clinical use. European Heart Journal. v.17, n. 3, p. 354-8, 1996.

Downloads

Publicado

2015-10-05

Como Citar

1.
Seixas MB, Weiss VF, da Silva LP. Manutenção dos benefícios obtidos durante a Reabilitação Cardiovascular Ambulatorial com programa de exercício físico não supervisionado após a alta. hu rev [Internet]. 5º de outubro de 2015 [citado 27º de janeiro de 2023];41(1 e 2). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2490

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)