Família e o processo de desenvolvimento da escrita do estudante de língua materna

Autores

  • Simone Rocha dos Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins
  • Mirelle da Silva Freitas Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.34019/1808-9461.2020.v19.27314

Palavras-chave:

Família. Escola. Escrita. Ensino e aprendizagem.

Resumo

Este estudo aborda a interferência da família no processo de desenvolvimento da escrita em língua materna do estudante, buscando evidenciar o papel que a família exerce no processo de construção da habilidade escritora do aprendiz de língua portuguesa. Nesse contexto, buscou-se refletir sobre o papel da família e da escola no desenvolvimento humano do indivíduo para o mundo do trabalho. Para tanto, valeu-se dos estudos teóricos sobre: o desenvolvimento da escrita, esclarecendo como o processo de ensino-aprendizagem da escrita em língua materna acontece; a relação da leitura e escrita, duas vias distintas, porém dependentes; e a distinção entre alfabetização e letramento, visto que ambos remetem às representações e usos da escrita e da leitura na sociedade. Trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo, um estudo de caso interpretativista, mais precisamente uma história de vida, no intuito de evidenciar a influência da família no processo de aquisição da escrita. As ferramentas utilizadas para coleta de dados incluíram: questionário, entrevista e produção de texto da participante (Ludimilla). Os resultados da análise realizada identificaram que, no caso da participante deste estudo, a família influenciou positivamente se destacando como agente motivador no processo de desenvolvimento da escrita. Na escola, por outro lado, a participante teve o primeiro contato formal com a língua culta ensinada pela professora que a instigava a treinar a escrita em casa.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Artigos