Disputas pelos partos

discursos sobre as práticas de partejar e as parteiras em Cáceres-MT (1960-1980)

Autores

Palavras-chave:

Discursos, História Local, Parteiras

Resumo

O presente trabalho objetiva analisar os discursos sobre as práticas de partejar e as parteiras em Cáceres - MT entre as décadas de 1960 e 1980. Como fontes, empregamos impressos do Arquivo Municipal de Cáceres e narrativas orais de parteiras e enfermeiras sobre o período. Nos aspectos teóricos-metodológicos, utilizamos pesquisadores com relação à temática e a proposição de discurso de Michel Foucault. Como resultados, percebemos que durante o período há uma tentativa de enquadrar as parteiras dentro de um discurso médico, uma vez que há uma dificuldade de existência de médicos e enfermeiras para realizar os partos nessa localidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Maria de Campos, Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT)

É Licenciada em História e possui Pós- graduação – Especialização Em Historiografia e Metodologia do Ensino e da Pesquisa da História: Memória e Identidades na Historiografia Brasileira pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Vinculada as Rede Municipal e Estadual como professora de História. Diretora do Museu Histórico de Cáceres (MUNICIPAL). Discente não regular do Mestrado em Geografia da UNEMAT

Rodrigo dos Santos, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em História (UNICENTRO), e Sociologia (UNINTER). Especialização em Educação do Campo (ESAP) e Docência do Ensino Superior (UNOPAR). Mestrado em História (UNICENTRO). Doutorado em História (UEM). Tem experiência na área História e atua nos temas: Educação do Campo, Imigração do segundo pós-guerra e Patrimônio Cultural. Atualmente é Professor  na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT. E-mail: digao_santos9@hotmail.com

 http://lattes.cnpq.br/3733336905025872

Referências

ABREU, Martha. Meninas Perdidas. In: PRIORE, Mary Del. História das crianças no Brasil.

São Paulo: Editora: Contexto, 1999.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981. BARRETO, Maria Renilda Nery. Nascer na Bahia do Século XIX. Salvador (1830-1889).

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Salvador-BA novembro de 2000.

BRENES, Anayansi Correa. Um olhar brasileiro sobre o caso de Paris: O conflito, parteira x parteiros e seus desdobramentos no Rio de Janeiro, século XIX. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense.Niterói, 1996

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Vol. 1. Petrópolis: Vozes, 1998.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Vol 1.Ed. Graal, 1988.

MATOS, Maria Izilda S.; SOIHET, Rachel. Delineando corpos: As representações do feminino e do masculino no discurso médico. (São Paulo 1890-1930). In: MATOS, Maria Izilda S. e SOIHET, Rachel (orgs.) O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PORTELLI, Alessandro. História oral como arte da escuta. São Paulo: Letra e Voz, 2016

SOIHET, Rachel. História das Mulheres. In: CARDOSO Ciro Flamarion; VAINFAS Ronaldo (org). Domínios da História: Ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1997.

WEBER, Beatriz Teixeira. As artes de curar: medicina, religião, magia e positivismo na república. Rio Grandense. Porto Alegre: Editora EDUSC, 1999.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

(1)
Maria de Campos, S.; dos Santos, R. Disputas Pelos Partos: Discursos Sobre As práticas De Partejar E As Parteiras Em Cáceres-MT (1960-1980). FDC 2022, 8, 274-303.