Morte e vida Tenetehara:

a luta dos Guardiões da Floresta

Autores

  • Jairo da Silva e Silva Instituto Federal do Pará (IFPA)

Palavras-chave:

Povo Tenetehara. Guardiões da Floresta. Devastação da Amazônia.

Resumo

Considerado o maior bioma brasileiro e a maior reserva de diversidade biológica do mundo, a Amazônia concentra a maioria das sociedades indígenas brasileiras. Entre os 305 povos indígenas, mais de 180 vivem na Amazônia e carregam consigo a missão de protegê-la e preservá-la. Sendo assim, este artigo lança um certo olhar à luta dos Guardiões da Floresta em defesa desse território por parte do povo Tenetehara, ali situado. Se, por um lado, o Estado reconhece a organização social, costumes, línguas, crenças, tradições e o direito originário sobre os territórios ocupados milenarmente pelos indígenas, por outro, hodiernamente, o que se vê são estruturados processos de violências instituídos pelo poder hegemônico desde a colonização à colonialidade. A luta Tenetehara evidencia as inúmeras epistemes as quais possibilitaram a existência indígena em milhares de anos, muito antes da invasão europeia, bem como vêm garantindo as práticas de resistências na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, Catarina. No Maranhão, 80% da floresta amazônica já foi devastada. Brasil de Fato, jun. 2020. Seção Direitos Humanos. Disponível em: https://bit.ly/3ppW8d5. Acesso em: 12 ago. 2022.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2021]. Disponível em: https://bit.ly/3cjvhtB. Acesso em: 12 ago. 2022.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Os Involuntários da Pátria - Reprodução de Aula pública realizada durante o ato Abril Indígena, Cinelândia, Rio de Janeiro 20/04/2016, ARACÊ – Direitos Humanos em Revista, ano 4, n. 5, fev./2017. Disponível em: https://arace.emnuvens.com.br/arace/article/download/140/75. Acesso em: 12 ago. 2022.

DANTAS, Carolina. Casos de violência dobram e invasões de terras indígenas crescem 135% entre 2018 e 2019, diz conselho. Portal G1, Seção Natureza., set. 2020. Disponível em: https://glo.bo/2S5GRSx. Acesso em: 12 ago. 2022.

GUAJAJARA, Sonia. De Sonia Guajajara para o Brasil. In: XUCURU-KARIRI, Rafael; COSTA, Suzane Lima (org.) Cartas para o Bem Viver. Salvador: Boto-cor-de-rosa livros arte e café, 2020. p. 23-24. Disponível em: https://bit.ly/3pyUaXN. Acesso em: 12 ago. 2022.

KRENAK, Ailton. O eterno retorno do encontro. In: NOVAES, Adauto (org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 23-31.

LIBARDI, Manuella. Os heróis amazônicos que não se rendem. OpenDemocracy, set. 2020. Disponível em: https://www.opendemocracy.net/pt/guardioes-da-floresta-herois-amazonicos-que-nao-se-rendem/. Acesso em: 12 ago. 2022.

MAGALHÃES, Ana. Postura colonial do governo Bolsonaro ameaça povos indígenas e suas culturas ancestrais. Carta Capital, fev. 2020. Seção Sociedade. Disponível em: https://bit.ly/3uiaixE. Acesso em: 12 ago. 2022.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, v. 32, dez. 2016, p. 123-151.

MELO NETO, João Cabral de. Morte e Vida Severina. 1. ed. São Paulo: Tuca, 1955.

ZAGATTO, Bruna Pastro; SOUZA, Luiz Enrique Vieira de. A necropolítica ambiental nos quilombos de Ilha de Maré, Bahia, Brasil. Amazônica: Revista de Antropologia (Online), v. 12, 2020, p. 253-276. Disponível em: https://bit.ly/3gbIsy0. Acesso em: 12 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

(1)
da Silva e Silva, J. Morte E Vida Tenetehara:: A Luta Dos Guardiões Da Floresta. FDC 2022, 8, 107-121.