A memória além de sua materialização

Autores

  • Lara Elissa Andrade Cardoso Universidade Federal de Juiz de Fora

Palavras-chave:

soft power, patrimônio cultural, memória

Resumo

O legado patrimonial de uma nação nem sempre é visto de modo positivo pelos líderes políticos e, a partir disso, quando não há investimento nessa área, ela acaba ficando alheia. A comunidade que luta para preservar sua memória e/ou tradição, se vê desamparada em muitas das vezes, tais como nas incidências de tráfico ilícito de bens culturais, na falta de posicionamento do governo e órgãos especializados a sustentar o tombamento e a necessidade de preservação do patrimônio cultural. Diante disso, o presente artigo parte de uma premissa atemporal e visa reforçar a relevância do patrimônio histórico cultural enquanto soft power, em nível global, no intuito de elencar os temas identidade, coleção, cultura, memória, tradição, movimento, natureza e simbolismo, de modo a estabelecer pertinentes conexões frente à percepção de que está tudo interligado como uma grande malha constituindo um emaranhado de forças vitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BÂ, A. Hampaté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph. História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2. ed. rev. – Brasília: UNESCO, 2010.

BISCHOFF, James L. A proteção internacional do patrimônio cultural. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, 2004, n.24, p. 191-218.

BORGO, Érico. Uma vida iluminada - crítica. Disponível em: <https://www.omelete.com.br/filmes/criticas/uma-vida-iluminada>. Acesso em 15 de janeiro de 2021.

CHRISTOFOLETTI, Rodrigo (Org.). Bens culturais e relações internacionais: o patrimônio como espelho do soft power. Santos: leopoldianum, 2017, 466p.

CHRISTOFOLETTI, Rodrigo; AGOSTINHO, Nathan. Tráfico ilícito de bens culturais: uma reflexão sobre a incidência do furto de patrimônio bibliográfico raro no Brasil. Revista do Arquivo. São Paulo, Ano VII, No 11, p. 90-100, outubro de 2020.

COSTA, Karine Lima da. A quem pertence o patrimônio cultural? Propriedade em debate. Tempos Históricos, 2018, vol. 22, p. 100-119.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horiz. antropol. [online]. 2012, vol.18, n.37, p. 25-44.

LUKE, C. M.; KERSEL, M. M. U.S. cultural diplomacy and archaeology: soft power, hard heritage. New York: Routledge, 2012.

MORIN, Violette. L’objet biographique. In: Communications, 13, 1969. p. 131-139. Disponível em: <http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/comm_0588-8018_1969_num_13_1_1189>.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. In: Projeto História. São Paulo: PUC, n. 10, p. 07-28, dezembro de 1993.

NYE JR., J. S. Bound to lead: the changing nature of American power. New York: Basic Books, c1990.

OLENDER, Marcos. Algumas considerações sobre as coleções como ‘lugares de memória’ da Modernidade. In: Aline Montenegro Magalhães; Rafael Zamorano Bezerra.(Org.). Coleções e colecionadores: a polissemia das práticas. 1ed.Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2012, v. 1, p. 154-163.

OLENDER, Marcos. O afetivo efetivo. Sobre afetos, movimentos sociais e preservação do patrimônio. REVISTA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL , v. 35, p. 321-341, 2017.

O REI LEÃO. Direção de Jon Favreau. Produção de Jon Favreau, Karen Gilchrist e Jeffrey Silver. Estados Unidos. 2019.

PORFÍRIO, Francisco. Patrimônio histórico cultural. Disponível em: < https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/patrimonio-historico-cultural.htm>. Acesso em 04 de fevereiro de 2021.

STALLYBRASS, Peter. O casaco de Marx: roupas, memória, dor. 2a. Ed., Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

UMA VIDA ILUMINADA. Direção de Liev Schreiber. Produção de Peter Saraf e Marc Turtletaub. Estados Unidos. 2005.

Tratados internacionais/Constituição

Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, art. 216.

Convenção sobre as Medidas a Serem Adotadas para Proibir e Impedir a Importação, Exportação e Transferência de Propriedade Ilícita dos Bens Culturais, aprovada pela XVI Sessão da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), realizada em Paris, de 12 de outubro a 14 de novembro de 1970.

Convenção para a Proteção de Bens Culturais em Caso de Conflito Armado, assinada na Conferência Internacional reunida em Haia, de 21 de abril a 12 de maio de 1954.

Convenção da UNIDROIT sobre Bens Culturais Furtados ou Ilicitamente Exportados, celebrada em Roma, no dia 24 de junho de 1995.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

(1)
Elissa Andrade Cardoso, L. A memória além De Sua materialização. FDC 2021, 7, 72-90.