A baiana vai a Hollywood:

a consagração da baiana e dos balangandãs como símbolos da identidade nacional na Era Vargas

Autores

  • Sura Souza Carmo Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.34019/2359-4489.2020.v6.32161

Palavras-chave:

baiana, balangandãs, política

Resumo

O artigo propõe uma discussão sobre a consagração da baiana e dos balangandãs como elementos da identidade nacional na Era Vargas, a partir da apresentação de diversas instâncias de consagração vinculadas a intelectualidade e ao Estado. A partir da década de 1930, por meio de uma ação política de fortalecimento do Estado, ancoradas no nacionalismo e unidade nacional, foram valorizadas atividades artístico-culturais e tipos nacionais relacionados à mestiçagem. A investigação evidencia como a baiana saiu da aversão à representação através de ações de intelectuais e do Estado que reverberam na atualidade. A metodologia foi à análise qualitativa dos discursos a respeito da baiana e dos balangandãs e quantitativa para observar a consagração através da música. A pesquisa analisa o uso da valorização de um aspecto da cultura popular para legitimação política.

Referências

REFERÊNCIAS
DOCUMENTOS
IPHAN. Instrução Normativa nº 01, de 11 de junho de 2007. Dispõe sobre o Cadastro Especial dos Negociantes de Antiguidades, de Obras de Arte de Qualquer Natureza, de Manuscritos e Livros Antigos ou Raros, e dá outras providências.
Arquivo Nacional (AN)
Pareceres técnicos se censores. Ofício enviado ao Chefe do Serviço da Censura da Divisão de Superintendencia Regional do Departamento de Censura Federal. Fundo: Divisão de Censura de Diversões Públicas. Dezembro, 1981.


Biblioteca Pública do Estado da Bahia (BPEB)
Jornal A Tarde, 26/02/1915.
Jornal A Coisa. 06/05/1900.
Jornal A Coisa.02/09/1900.

Biblioteca Nacional (BN) – Hemeroteca Digital Brasileira

- Jornais
Jornal A Capital, 16/10/1925.
Jornal O Combate, 14/07/1927.
Jornal O Imparcial, 12/02/1925.
Jornal O Cruzeiro, 04/01/1941.
Jornal Gazeta de notícias, 27/04/ 1947.
Jornal O Momento, 16/01/1948.

- Revistas
Revista Bahia Ilustrada, 20/11/1933.
Revista da Semana, 3 /07/ 1943.
Revista A Cena Muda, 14/10/1941.
Revista Vida Doméstica, 06/1941.
Revista Carioca, 06/ 1941.

Bibliografia:
ABREU, Regina. A fabricação do Imortal: memória, história e estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco; Lapa, 1996.
AGUIAR, Josélia. O corpo nas ruas: A fotografia de Pierre Verger na construção da Bahia Iorubá. Dissertação (Mestrado em História Social), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.
ALBUQUERQUE, Wlamyra Ribeiro de. Esperanças de Boaventura: construções da África e africanismos na Bahia (1887-1910). In: BACELAR, Jeferson; PEREIRA, Claúdio (Orgs.). Política, instituições e personagens da Bahia (1850-1930). Salvador: EDUFBA;CEAO, 2013, p.93-124.
AMADO, Jorge. Tenda dos Milagres. Rio de Janeiro: Record, 1982.
AMADO, Jorge. A morte e a morte de Quincas Berro d’água. Rio de Janeiro: Record, 1999.
AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972.
ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.
CAPELATO, Maria Helena Rolim. Facismo: uma ideia que circulou pela América Latina. In: Anais do XVI Simpósio da ANPUH, Rio de Janeiro, 1991, p. 51-63.
______. Multidões em cena: propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas: Papirus, 1998, p.77.
CARONE, Edgard. O Estado Novo: 1937-1945. São Paulo: Difel: 1977
COUTINHO, Paula Andrade. Do palacete ao castelo: estudo da trajetória do colecionador Henry Joseph Lynch. Dissertação (Mestrado em Museologia) - Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2017.
FACTUM, Ana Beatriz Simon. Joalheria escrava baiana: a construção histórica do design de jóias brasileiro. Tese (doutorado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
FERNANDES, Nelson da Nóbrega. Escolas de samba: sujeitos celebrantes e objetos celebrados. Rio de Janeiro 1928-1949. Rio de Janeiro: Secretaria das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2001.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. São Paulo: Global, 2003.
GARCIA, Tânia da Costa. O It verde amarelo de Carmem Miranda (1930-1946). São Paulo: Annablume, Fapesp, 2004.
GRAHAM, Jessica. A virada antirracista do Partido Comunista do Brasil, a frente negra brasileira e a ação integralista brasileira na década de 1930. In: GOMES, Flávio; DOMINGUES, Petrônio (orgs.). Políticas da raça: experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro Edições, 2014, p. 283-300.
HAUDENSCHILD, André Rocha Leite. “O dengo que a nega tem”: representações de gênero e raça na obra de Dorival Caymmi. ArtCultura, Uberlândia, v.16, n. 28, p. 77-88, jan-jun, 2014.
HOOKS, B. Intelectuais Negras. In: Revista Estudos Feministas, n.2, Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.
KELSCH, Leonardo Teixeira. Turismo em Salvador na Era Vargas: a trajetória das políticas de inserção e promoção da atividade na cidade da Bahia entre os anos 1930 e 1945. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.
KERBER, Alessander. Carmem Miranda entre representações da identidade nacional e de identidades regionais. ArtCultura, Uberlândia, v. 7, n. 10, p. 121-132, jan-jun, 2005.
LISBOA JÚNIOR, Luiz Américo. A presença da Bahia na música popular brasileira. Musimed: Brasília, 1990.
MACIEL, Neila Dourado Gonçalves. Carybé e a legitimação de um discurso da baianidade na integração das artes em Salvador. Tese (Doutorado em Arqueologia e Urbanismo) – Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.
MARIANO, Agnes. A Invenção da Baianidade. São Paulo: Annablume, 2009.
MENESES, Ulpiano Bezerra de. A exposição museológica: reflexões sobre pontos críticos na prática contemporânea. Ciências em Museus, Belém, n. 4, p. 103-120, 1992.
MONTEIRO, Martha Gil. Carmen Miranda: a pequena notável (uma biografia não autorizada). Rio de Janeiro: Record, 1989.
ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2006.
PINHO, Patricia de Santana. Reinvenções da África na Bahia. São Paulo: Annablume, 2004.
PINHO, Osmundo de Araújo. Descentrando o Pelô: narrativas, territórios e desigualdades raciais no Centro Histórico de Salvador. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 1996.
SANTOS, Isis Freitas dos. “Gosta dessa baiana?” Crioulas e outras baianas nos cartões postais de Lindemann (1880-1920). Dissertação (Mestrado em História) – Pós-graduação em História, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.
SCHWATCZ, Lilia Moritz. Contos completos de Lima Barreto. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p.18-19.
SIQUEIRA, Magno Bissoli. Samba e identidade nacional: das origens à era Vargas. São Paulo: Unesp, 2012.
THIESE, Anne-Marie. Ficções criadoras: as identidades nacionais. Anos 90, n.15, Porto Alegre, UFRGS, 2001/2002.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

(1)
Carmo, S. S. A Baiana Vai a Hollywood:: A consagração Da Baiana E Dos balangandãs Como símbolos Da Identidade Nacional Na Era Vargas. FDC 2020, 6, 381-409.