Ingênua e frouxa substância humana

A Moreninha na encruzilhada entre Miroel Silveira e João Apolinário (1969)

Autores

  • Thales Reis Alecrim UNESP - Franca

DOI:

https://doi.org/10.34019/2359-4489.2020.v6.31501

Palavras-chave:

romance, programa teatral, crítica teatral

Resumo

No presente trabalho visamos analisar o programa da peça A Moreninha, baseada no romance de Joaquim Manuel de Macedo (1844) e encenada em 1969. Por meio do programa podemos compreender como A Moreninha foi lida nos anos 1960 e 70. Para completar esse quadro, visitaremos uma crítica teatral de João Apolinário, pois este apresenta uma leitura diferente do romance. O programa da peça e a crítica teatral convergem ao apontar que o romance representa a “psicologia nacional”, entretanto discordam quanto à pertinência dos personagens como fieis representantes dos “tipos sociais brasileiros”. Em nossa hipótese, ambas as produções expressam tensões culturais que atravessavam o contexto cognitivo do período, denotando diferentes posturas em relação à arte. Dessa maneira, enquanto a peça estava afinada com a afirmação da nacionalidade, a crítica se pautava no imaginário de esquerda.

Referências

ALMEIDA, Manuel A. Memória de um sargento de milícias. São Paulo: Livraria Martins, 1941
ALVES, Henrique L. (org.). Vamos ler Miroel Silveira. Rio de Janeiro: Brasília: Cátedra: INL, 1983.
AMORA, Antônio Soares. A literatura brasileira. Vol. II, O Romantismo (1833-1838/ 1878-. 1881). São Paulo: Cultrix, 1972.
BARTHES, Roland. Le bruissement de la langue: essais critiques IV. Paris: Seuil, 1981.
BLOOM, Harold. O cânone ocidental. Os livros e a escola do tempo. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.
CÂNDIDO, Antonio. Dialética da Malandragem. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (8), 1970, p. 67-89.
GARCIA, Tânia da C. O Nacional-Popular e a Militância de Esquerda no Brasil e na Argentina nos Anos de 1960. In: EGG, A. FREITAS, A. KAMINSKI, R. (org). Arte e Política no Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva, 2014.
LACAPRA, Dominick. Rethinking Intellectual History: Texts, Contexts, Language. Ithaca: Cornell University Press, 1983.
LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003, p. 194-198.
LUKÁCS, Georg. Introdução a estética marxista: sobre a particularidade como categoria da estética. São Paulo: Instituto Lukács, 2018.
ORTIZ, Renato. A MODERNA TRADIÇÃO BRASILEIRA: Cultura brasileira e industria cultural. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.
SANTOS, J. Miroel Silveira: um homem de teatro no espírito do seu tempo. Dissertação - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.
SCHOLES, Robert. Protocols of Reading. New York: Yale Press University, 1989.
SEVCENKO, N. Configurando os anos 70: A imaginação no poder e a arte nas ruas. In: Vários autores. Anos 70: trajetórias. São Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural. 2005.
SILVEIRA, Miroel. A Outra Crítica. São Paulo: Edições Símbolo, 1976.
VASCONCELOS, M. A Crítica de João Apolinário: memória do teatro paulista de 1964 a 1971. Vol. 1 e 2. São Paulo: Imagens, 2013.
VILHENA, L. Projeto e Missão: o movimento folclórico brasileiro (1947-1964). Rio de Janeiro: FUNARTE, 1997.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

(1)
Reis Alecrim, T. Ingênua E Frouxa substância Humana: A Moreninha Na Encruzilhada Entre Miroel Silveira E João Apolinário (1969). FDC 2020, 6, 410-428.