O poder na torcida:

consenso, futebol e ditadura no Brasil (1970) e na Argentina (1978)

  • Lívia Gonçalves Magalhães Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora substituta de História da América da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pós-Doutoranda pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Janaína Martins Cordeiro Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora adjunta de História Contemporânea da UFF
Palavras-chave: América Latina, Copa do Mundo, Ditadura civil-militar, Consenso

Resumo

Este artigo propõe uma análise comparada dos discursos dos presidentes General Emílio Garrastazu Médici do Brasil e do General Jorge Rafael Videla da Argentina por ocasião das Copas do Mundo de Futebol da FIFA, em 1970 e 1978. O objetivo é analisar como os discursos presidenciais utilizaram os êxitos esportivos das seleções nacionais – em 1970, para o caso do Brasil e em 1978, na Argentina –, para fortalecer determinados projetos nacionais representados pelos regimes civis-militares de cada país.
Publicado
2016-07-10
Como Citar
(1)
Gonçalves Magalhães, L.; Martins Cordeiro, J. O Poder Na Torcida: : Consenso, Futebol E Ditadura No Brasil (1970) E Na Argentina (1978). FDC 2016, 2, 1-19.