Recursos argumentativos na hashtag #MeuAmigoSecreto: análise dos enunciados no Facebook

  • Ana Luiza Cordeiro Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Facebook, Hashtag, Argumentação, Machismo

Resumo

O presente artigo lança olhares às escolhas argumentativas presente nos enunciados vinculados à hashtag #MeuAmigoSecreto, publicados entre 25 e 30 de novembro de 2015, na plataforma Facebook. Considerando que toda enunciação é argumentativa, tem-se como objetivo analisar, com base nas categorias postuladas por Fiorin (2016), quais as táticas argumentativas mais recorrentes nos enunciados. Parte-se de uma metodologia de cunho netnográfico, de forma quanti e qualitativa, propondo a análise argumentativa de 49 publicações. Para tanto, ancora-se na Teoria da Argumentação, recorrendo também à Koch (2011) e Perelman e Olbrechts-Tyteca (1996; 2011). Como resultado, observa-se a predileção aos argumentos que recorrem ao mundo objetivo, indicando que as construções sobre violência e machismo usam, majoritariamente, como base a noção de realidade e vivência compartilhadas entre mulheres.

Referências

AMARAL, A., RECUERO, R., MONTARDO, S. Blogs: mapeando um objeto. In: Anais do GT História da Mídia Digital do VI Congresso Nacional de História da Mídia, Niterói, UFF, Rio de Janeiro, 2008.

BARTON, D.; LEE, C. Linguagem online: textos e práticas digitais. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Campinas, São Paulo: Pontes, 1988.
________. Problemas de linguística geral II. Campinas, São Paulo: Pontes, 1989.

BRASIL. Diretrizes nacionais Feminicídio. Investigar, processar e julgar com a perspectiva de gênero. As mortes violentas de mulheres. Brasília: ONU Mulheres, Secretaria de Política para as Mulheres, Secretaria Nacional de Segurança Pública; 2016. Disponível em < http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/diretrizes_feminicidio.pdf> Acessado em: 24/12/2018.

CANÇADO, Márcia. Posições Argumentais e propriedades semânticas. Revista DELTA: UFMG, 2005.
________. Análise descritiva dos verbos psicológicos do português brasileiro. Revista Estudos Linguísticos: Belo Horizonte, ano 5, n.4, v.1, p.89·114, jan./jun. 1996

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.
________. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São
Paulo: Editora Contexto, 2010.

CITELLI. A. Linguagem e persuasão. São Paulo: Editora Ática, 2002.

FIORIN, José. Luis. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2016.

HALL, Stuart. “The work of representation”. In: HALL, Stuart (org.) Representation. Cultural representation and cultural signifying practices. London: Sage/Open University, 1997.
________. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KOCH, Ingedore G. V. Argumentação e Linguagem. 13a ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014
____________. The Field Behind the Screen: Using Netnography for Marketing Research in Online Communities. 2002. Acesso em 10/08/2007, disponível em http://www.marketingpower.com/content18255.php.

MARCUSCHI, L. A, XAVIER, A. C. (Orgs.) Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2005.

PERELMAN, C. OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação – A nova retórica. Trad. Maria E.G.G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
________. A filosofia do pluralismo e a Nova Retórica. In: Teoria da argumentação e educação. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2011.

SHIRKY, Clay. A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

WOLTON, Dominique. Seminário comunicação, política e tecnologia. PUC/RS. 17-18-19maio. Porto Alegre, 2005.
Publicado
2020-08-11
Como Citar
Cordeiro, A. L. (2020). Recursos argumentativos na hashtag #MeuAmigoSecreto: análise dos enunciados no Facebook. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/30600
Seção
Dossiês