Percepção dos profissionais do Programa Mais Médicos quanto à adesão aos instrumentos de comunicação entre as Redes de Atenção à Saúde e a Atenção Primária

Autores

Palavras-chave:

Comunicação em Saúde, Colaboração Intersetorial, Universalização da Saúde

Resumo

O artigo objetiva analisar a percepção dos profissionais do Programa Mais Médicos quanto à adesão aos instrumentos de comunicação entre os pontos de atenção das Redes de Atenção à Saúde. Sua importância diz respeito à necessidade de se analisar o grau de adesão aos instrumentos e qualificar a ocorrência da comunicação entre os entes da rede, na medida em que se reconhece a necessidade de manter informado o profissional detentor da coordenação do cuidado e devolver a ele a responsabilidade pela condução dos indivíduos usuários da rede. Os resultados demonstraram a baixa percepção do retorno dos registros dos usuários da rede aos pontos de atenção, independentemente da macrorregião (P = 0,094). Esse resultado demonstra a necessidade de trabalhar a qualificação das atividades da rede de atenção a fim de valorizar a necessidade das informações oriundas do processo de contrarreferência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Flávia Arruda, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduada em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), pós-graduada em Pediatria com Residência Médica e mestra em Saúde da Família pela UFPB.  Preceptora de pediatria da enfermaria pediátrica do HULW, residência e Internato, além de médica neonatologista do Instituto Cândida Vargas. CV: http://lattes.cnpq.br/2635748210441636

Eduardo Sergio Soares Sousa, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor em Ciências da Saúde e em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), especialista em Auditoria em Serviços de Saúde e em Ginecologia e Obstetrícia. Médico Estagiário no Serviço de Cirurgia do Norfolk and Norwich Hospital na Inglaterra (1987). Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). CV: http://lattes.cnpq.br/7842681867657766

Moises Diogo de Lima, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), mestre em Tocoginecologia pela UFPB e doutor em Patologia pela Faculdade de Medicina de Batucatu (UNESP -FMB). Médico obstetra e ultrassonografista do Serviço de Obstetrícia do Hospital Universitário Lauro Wanderley (UFPB). Professor Adjunto da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). CV: http://lattes.cnpq.br/7944638987769449

Melina Pereira Fernandes Paiva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduada em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), especialista Onco-Hematologia Pediátrica do HUOC-PE. Médica pediatra do HULW-PB, Hospital Municipal do Valentina e Hospital Napoleão Laureano. Mestranda da UFPB, no Mestrado Profissional de Saúde da Família. CV: http://lattes.cnpq.br/5774974240861321

Maria Celeste Dantas Jotha de Lima, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduada em medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) , com residência de pediatria pela Universidade de Pernambuco (UFPE) e em Neurologia infantil e Neurofisiologia pelo Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP -Ribeirão Preto.  CV: http://lattes.cnpq.br/4433828981313269

Downloads

Publicado

2022-08-16

Edição

Seção

Artigos Originais