Atenção Primária à Saúde como coordenadora das Redes de Atenção à Saúde

Autores

  • Maria Clara Martins de Araújo Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop
  • Márcio Henrique de Souza Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop https://orcid.org/0000-0003-2312-7357
  • Vitória Paglione Balestero de Lima Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop https://orcid.org/0000-0001-8660-8655
  • Ludmila B. B. Rodrigues Emerick Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde, Organização e Administração

Resumo

A Atenção Primária à Saúde (APS) é considerada a “porta de entrada” ao Sistema Único de Saúde.  Mendes (2011) tem proposto um sistema regionalizado por meio da implantação RAS, tendo por pilar a APS, a qual assume papel central no funcionamento das RAS. Objetivou-se classificar a APS quanto à sua capacidade em coordenar as RAS na visão de Dentistas e Agentes em Saúde Bucal (ASB) no município de Sinop-MT. Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal. A população foi composta por Dentistas e ASB da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Para a coleta de dados, foi utilizado o instrumento de Avaliação da Coordenação das RAS pela APS (COPAS). Os escores foram calculados e a capacidade da APS em coordenar as RAS foi classificada como insatisfatória (0-25%), regular (25,01-50%), boa (50,01-75%) e ótima (75,01-100%). Do total de participantes da pesquisa, 9 eram dentistas e 12 eram ASB. A capacidade global de coordenação da APS foi classificada como boa, com escore de 60,40% avaliado pelos dentistas e 63,06% pelos ASB. A população, divisão em áreas e microáreas, recebeu a pontuação de 58,67% dos odontólogos e 60,58% dos agentes; a  APS foi classificada com 64,96% por dentistas e 65,20% por Agentes de Saúde Bucal; os Sistemas de Apoio, que englobam farmácia e exames, ficaram com escore de 61,42% na avaliação dos dentistas e 64,14% na dos ASB; os Sistemas Logísticos (informação, transporte e regulação) receberam a avaliação de 59,96% e 63,01%, por dentistas e agentes, respectivamente, e o Sistema de Governança, correspondente à gestão da APS, 58,77% na visão dos odontólogos e 61,51% na dos ASB. Conclui-se que todos os atributos foram classificados como bons, sendo que a APS recebeu a melhor classificação na visão dos ASB e o Sistema de Governança foi apontado com pior desempenho na visão dos dentistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Martins de Araújo, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop

Acadêmica de Medicina.

Márcio Henrique de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop

Graduado desde 2007, em Enfermagem e Obstetrícia pela Fundação Educacional de Fernandópolis. Especialista nas áreas de Atenção Primária, pela Universidade Federal de Brasília, Auditoria de Serviços Públicos e no desenvolvimento de competências para a prática da Metodologia Ativa e de desenvolvimento de programas de Residência Multiprofissional, pelo Instituto Sírio Libanês de Pesquisa. Mestre em Ciências da Saúde.

Vitória Paglione Balestero de Lima, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop

Acadêmica de Medicina.

Ludmila B. B. Rodrigues Emerick, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Sinop

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Alfenas (2005), Doutora em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (EERP/USP), Mestra em Saúde pela Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas), Especialista em Planejamento em Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e em Saúde Pública e Gestão em Saúde pela (Unifenas). Docente na Universidade Federal de Maro Grosso - UFMT.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Edição

Seção

Resumos