Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no município de Juiz de Fora - MG

  • Benilson Beloti Barreto Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Priscila Larcher Carneiro Santos Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Francislene Juliana Martins Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Nádia Rezende Barbosa Raposo Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Luiz Cláudio Ribeiro Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Rita de Cássia Padula Alves Vieira Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Serpentes, Soroterapia, Epidemiologia

Resumo

Os acidentes causados por serpentes peçonhentas representam problema de Saúde Pública, especialmente em países tropicais. Este estudo retrospectivo-descritivo estabeleceu o perfil dos acidentes causados por serpentes, ocorridos no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2007, no município de Juiz de Fora/MG, notificados pela vigilância Epidemiológica local. Os dados foram analisados com o auxílio do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 14.0. Para o georreferenciamento dos dados, foi utilizada uma base cartográfica no formato shapeflie (shp) da zona urbana de Juiz de Fora e esta foi inserida no software ArcGIS 9.2.  Foram notificados 294 acidentes, dos quais a maioria na zona rural (64,3%), no período de outubro a março de cada ano (71,0%). Os indivíduos acometidos eram principalmente do sexo masculino (76,8%), na faixa etária entre 16 e 60 anos (57,8%).  O gênero Bothrops foi o responsável por 68,0% dos casos, sendo os membros inferiores os mais atingidos (64,3%). Quanto ao tratamento, a soroterapia foi aplicada na maioria dos casos (71,3%) e de maneira satisfatória. Juiz de Fora apresentou um número elevado de acidentes neste período, apesar de se tratar de um município com predominância de população urbana.

Biografia do Autor

Benilson Beloti Barreto, Universidade Federal de Juiz de Fora
Mestrando em Saúde Coletiva. UFJF
Priscila Larcher Carneiro Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora
Farmacêutica. UFJF
Francislene Juliana Martins, Universidade Federal de Juiz de Fora
Mestranda em Saúde Brasileira. UFJF
Nádia Rezende Barbosa Raposo, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professora Adjunta da UFJF. Doutora em Toxicologia. Faculdade de Farmácia
Luiz Cláudio Ribeiro, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professor Adjunto da UFJF. Doutor em Demografia. Instituto de Ciências Exatas
Rita de Cássia Padula Alves Vieira, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professora Associada da UFJF. Doutora em Saúde Coletiva. Faculdade de Farmácia
Publicado
2010-03-04
Seção
Artigos Originais