CARACTERÍSTICAS DOS ACIDENTES ESCORPIÔNICOS EM JUIZ DE FORA - MG

  • Priscila Larcher Carneiro Santos Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF
  • Francislene Juliana Martins UFJF
  • Rita de Cássia Padula Alves Vieira UFJF
  • Luiz Cláudio Ribeiro UFJF
  • Benilson Beloti Barreto UFJF
  • Isabel Cristina Gonçalves Leite UFJF
  • Nádia Rezende Barbosa UFJF
Palavras-chave: Epidemiologia. Escorpiões. Saúde Pública.

Resumo

O escorpionismo representa um importante problema de saúde pública em países tropicais e subtropicais. Este estudo retrospectivo estabeleceu o perfil dos acidentes causados por escorpiões ocorridos no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2007, no município de Juiz de Fora/ MG. Foram registradas 378 notificações de acidentes causados por escorpiões, de maior ocorrência na zona urbana (82,8%), no período quente/chuvoso do ano (57,1%) e de casos leves (79,9%). O tempo decorrido para o atendimento foi de até 6 horas (85,5%), sendo os membros superiores os mais atingidos (49,7%). Tityus serrulatus foi a espécie responsável por 63,4% dos casos. Os indivíduos acometidos eram principalmente do sexo masculino (61,6%), raça branca (26,5%) e idade média 37±20 anos. A elevada incidência (12,77 casos/100.000 habitantes) de acidentes confirma o município como uma área endêmica em escorpionismo, justificando a necessidade de elaboração de estratégias de controle e prevenção de acidentes.

Palavras-chave: Epidemiologia. Escorpiões. Saúde Pública.

 

Biografia do Autor

Priscila Larcher Carneiro Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF
Graduanda de farmácia. Faculdade de Farmácia.
Francislene Juliana Martins, UFJF
Mestranda da Saúde Brasileira. UFJF.
Rita de Cássia Padula Alves Vieira, UFJF
Professora adjunto da UFJF. Doutora em Saúde Coletiva. Faculdade de Farmácia
Luiz Cláudio Ribeiro, UFJF
Professor adjunto da UFJF. Doutor em Demografia. Instituto de Ciências Exatas.
Benilson Beloti Barreto, UFJF
Graduando de farmácia. Faculdade de Farmácia.
Isabel Cristina Gonçalves Leite, UFJF
Professora adjunto da UFJF. Doutora em Saúde Pública. Faculdade de Medicina
Nádia Rezende Barbosa, UFJF

Professora adjunto da UFJF. Doutora em Toxicologia. Faculdade de Farmácia.

Publicado
2010-03-04
Seção
Artigos Originais