Referenciação em Arvorada: a (re)construção dos sentidos da tríade avó, neto e ipê-amarelo

Autores

Resumo

Os estudos acerca da referenciação contemplam estratégias processuais, que auxiliam na progressão do texto e na (re)construção do sentido. Este artigo tem como objetivo principal observar, na história em quadrinhos Arvorada (2017) de Walmir Orlandeli, como a referenciação contribuiu para evidenciar a relevância da figura do idoso na construção identitária de uma criança. Os objetivos secundários abrangem: 1) demonstrar como as estratégias referenciais auxiliaram na formação do elo existente entre Chico Bento, sua avó Dita e o Ipê-amarelo; 2) elencar quais anáforas retomaram os referenciais introdutórios: um minino, uma anciã e um ipê-amarelo; e 3) verificar como a linguagem dos quadrinhos contribuiu para a construção da identidade de Chico Bento. Metodologicamente, apoia-se nas teorias relativas à referenciação (CAVALCANTI; SANTOS, 2012; CAVALCANTI, 2010; KOCH, 2003; 2012; 2014; 2016; 2018; MARCUSCHI, 2008); à identidade (BAUMAN, 2005; WOODWARD, 2012); e aos aspectos sociais sobre o idoso (WHITAKER, 2010;) e os benefícios de sua interação com as crianças (FRANÇA; SILVA; BARRETO, 2010; OLIVEIRA; VIANNA; CÁRDENAS, 2010). A análise, de cunho interpretativista, aponta que os elementos referenciais introdutórios e anafóricos evidenciam a conexão entre avó e neto, e consequentemente, a construção identitária parental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACEVEDO, Juan. Como fazer história em quadrinhos. Tradução de Silvio Neves Ferreira. São Paulo: Global Editora, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CAGNIN, Antônio Luiz. Os quadrinhos: um estudo abrangente da arte sequencial, linguagem e semiótica. São Paulo: Criativo, 2014.

CANÇADO, Márcia. Manual de semântica: noções básicas e exercícios. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães; PINHEIRO, Clemilton Lopes; LINS, Maria da Penha Pereira; LIMA, Geralda. Dimensões textuais nas perspectivas sociocognitivas e interacionais. In: BENTES, Anna Christina (org.) et. al. Linguística de texto e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010, p. 225-261.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. SANTOS, Leonor Werneck dos. Referenciação e marcas de conhecimento partilhado. Linguagem em (Dis)curso. Santa Catarina, vol. 12, n. 3, p. 657-681, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ld/a/8WFLVM6SrbcRQpQ73NX3m9B/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 18 jan. 2023.

FRANÇA, Lucia Helena de Freitas Pinho; SILVA, Alcina Maria Testa Braz da; BARRETO, Márcia Simão Linhares. Programas intergeracionais: quão relevantes eles podem ser para a sociedade brasileira? Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, vol. 13, n. 3, p. 519-531, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4038/403838794017.pdf. Acesso em: 02 fev 2023.

GIL, A. C. Como Encaminhar uma pesquisa. In: Como elaborar projetos de pesquisa. 5a. ed. São Paulo: Atlas, 2010, p.17 a p.29

HALBWASCHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). Expectativa de vida dos brasileiros aumenta 3 meses e chega a 76,6 anos em 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/29505-expectativa-de-vida-dos-brasileiros-aumenta-3-meses-e-chega-a-76-6-anos-em-2019. Acesso em: 15 set 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). Nota sobre as Tábuas Completas de Mortalidade 2021 e a pandemia de Covid-19. Rio de Janeiro: IBGE, 2022. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/novo-portal-destaques.html?destaque=35600. Acesso em: 10 jan 2023.

KOCH, Ingedore Villaça. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2003.

KOCH, Ingedore Vilaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2012.

KOCH, Ingedore Villaça. As tramas do texto. São Paulo: Contexto, 2014.

KOCH, Ingedore Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2016.

KOCH, Ingedore Villaça. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2018.

LIMA, Letícia Moraes. Linguística Textual. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S. A., 2017.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

OLIVEIRA, Alessandra Ribeiro Ventura; VIANNA, Lucy Gomes; CÁRDENAS, Carmen Jansen de. Avosidade: Visões de avós e de seus netos no período da infância. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, vol. 13, n.3, p. 461-474, 2010. Disponível em:https://www.scielo.br/j/rbgg/a/YPdgxkTQLXqdW39jDD3CwWx/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 02 fev 2023.

ORLANDELI, Walmir. Chico Bento: Arvorada. Barueri, São Paulo. Panini, 2017.

RAMOS, Paulo. A linguagem dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2010.

SANTOS FILHO, José Camilo dos. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In: SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sánchez (org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

TARALLO, Roberta dos Santos. As relações intergeracionais e o cuidado do idoso. Revista Kairós Gerontologia. São Paulo, vol. 18, n. 19, p. 39-55, 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/26592/19018. Acesso em: 26 set. 2023.

WHITAKER, Dulce Consuelo Andreatta. O idoso na contemporaneidade: a necessidade de se educar a sociedade para as exigências desse “novo” ator social, titular de direitos. Cad. Cedes. Campinas, vol. 30, n. 81, p. 179-188, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/7nkZXCjVPmMkGZRWCBq9GFM/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 17 jan. 2023.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 7-72.

Downloads

Publicado

2023-12-18