O estilo telegráfico na escrita de sujeitos com Síndrome de Down

  • Maristela Amaral Ribeiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Carla Salati Almeida Ghirello-Pires Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Elisângela Gonçalves Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Resumo

Este trabalho objetiva descrever a análise e intervenção na escrita telegráfica de dois jovens com síndrome de Down (SD) de Vitória da Conquista-BA. A pesquisa caracteriza-se como qualitativa longitudinal, apoia-se nos aportes teóricos da Neurolinguística Discursiva (ND) e da Teoria Histórico Cultural (THC). Como suporte teórico para elaboração das atividades específicas, utilizamos Câmara Jr. para tratar da noção de classes abertas e fechadas. Quanto à distinção entre preposições lexicais e preposições funcionais, tivemos como subsídio teórico Mioto; Figueiredo Silva; Lopes e Brito. Os dados apresentados demonstraram que os sujeitos com SD priorizavam algumas classes gramaticais em detrimento de outras para se expressarem, o que corrobora a ideia de que a interpretação da fala/escrita “telegráfica” é um processo intermediário e que essas situações são produtivas e não exclusivamente patológicas. Após a intervenção foram observados ganhos significativos em suas produções orais e escritas.

Publicado
2020-09-11