"Rap é educação", rap e religião: propostas para o Ensino Religioso

Autores

  • Bruno Carvalho Rocha Universidade Metodista de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2022.v19.37652

Palavras-chave:

Rap, Educação, Cultura, Religião, Ensino Religioso

Resumo

Misturando ritmo e poesia, o rap, gênero musical periférico, é constantemente atravessado por questões de classe, raça e gênero. Mas a religião, ainda que passe desapercebida por boa parte do público, constitui-se como fenômeno significativo da linguagem, expressão da identidade periférica, tão importante quanto outros temas e elementos mobilizados pelo rap. Assim, o objetivo deste artigo é relacionar o rap, a educação e a religião. O artigo estará dividido, portanto, em três partes: (a) um breve histórico do rap como objeto de pesquisa; (b) algumas estratégias de aproximação do rap e a religião; e por fim, (c) mostraremos o rap enquanto uma ferramenta pedagógica para novas abordagens no Ensino Religioso. Nossa hipótese é de que o rap, como fenômeno cultural, que abarca a religião como parte constitutiva da sua narrativa, potencialize processos de ensino-aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Elaine Nunes (org.). Rap e educação, rap é educação. São Paulo: Summus, 1999.

ANTUNES, Maik. A cor e a fúria: uma análise do discurso racial dos Racionais Mc’s. Jundiaí: Paco Editorial, 2019.

AZEVEDO, Amailton Magno Grillu; SILVA, Salloma Salomão Jovino. Os sons que vêm das ruas. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum do Ensino Básico. Brasília, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf . Acesso em: 12 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum do Ensino Básico. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 12 abr. 2022.

CALVANI, Carlos Eduardo. Religião e MPB: um dueto em busca de afinação. Revista Eletrônica Correlatio. v. 14, nº 28, p.29-54, dez., 2015.

CAMARGOS, Roberto. Rap e política: Percepções da vida social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2015.

CAMARGOS, Roberto. Relatos sanguinários e sentimentos indigestos no rap de Facção Central. Música Popular em Revista, Campinas, ano 5, v.1, p.70-94, jul.-dez. 2017.

CAPPELLI, Márcio; ROCHA, Bruno. “Uma Bíblia velha, uma pistola automática”: O imaginário bíblico na obra de Racionais Mc’s. In: BONFIM, Luís Américo Silva. Religião e Cultura: Hibridismos e efeitos de fronteira. Curitiba: CRV, 2020a.

CAPPELLI, Márcio; ROCHA, Bruno. No princípio era o rap: A construção do mito na obra dos Racionais Mc’s. Estudos de Religião, v. 34, n.3, p. 153-176, set.-dez. 2020.

CLARO, Paula Cabrera; PEREIRA, Ariane Carla. Sexismo nas letras de rap: A sedimentação do machismo pela música. 6º Colóquio Mulher e Sociedade, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 23 e 24 de abril de 2019.

COSTA, Matheus Oliva; STERN, Fábio L. Crenças religiosas e filosofias de vida na BNCC: importância para o ensino religioso sob a perspectiva da ciência da religião. In: SILVEIRA, Emerson Sena da; JUNQUEIRA, Sérgio (orgs.). O Ensino Religioso na BNCC: teoria e prática para o Ensino Fundamental. Petrópolis/RJ: Vozes, 2020.

D’ANDREA, Tiarajú Pablo. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. Tese. (tese de doutorado em sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. p.287, 2013.

DUARTE, Geni Rosa. A arte na (da) periferia: sobre... vivências. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

FELIX, João Batista de Jesus. Hip hop: Cultura e política no contexto paulistano. São Paulo, 2005. 206 p. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

NAE-10. Rap...ensando a educação. Núcleo de Ação Educativa 10, Secretaria Municipal de Educação. Prefeitura do Município de São Paulo, 1992.

NEVES, Lair Aparecida Delphino. Rap na sala de aula. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

NOGUEIRA, Paulo de Souza. Religião e ficcionalidade: modos de as linguagens religiosas versarem sobre o mundo. IN: Religião e linguagem: abordagens teóricas interdisciplinares. NOGUEIRA, Paulo Augusto de Souza (org.). São Paulo: Paullus, 2015.

OLIVEIRA, Acauam Silvério. O Evangelho marginal dos Racionais Mc’s. in: Racionais Mc’s: Sobrevivendo no Inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

PERCILIANO, Michele. No ritmo e na poesia: o rap e o hip hop como estratégia didática para o ensino de história da África e Cultura Afro-Brasileira. Koan: Revista de Educação e Complexidade. n.6, jun.2018, p.139-152.

PIMENTEL, Spensy. O Livro vermelho do Hip hop. Disponível em: http://acervobf.bocadaforte.com.br/acervo/site/?url=biblioteca_detalhes.php&id=12 Acesso em: 22 jun 2021.

PIMENTEL, Spensy. Hip Hop como utopia. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

Racionais Mc’s: Sobrevivendo no Inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIBEIRO, Osvaldo Luiz. “Não se justifi ca moralmente” – uma crítica ao modelo de ensino religioso como educação moral. In: SANTOS, Francisco de Assis Souza; GONÇALVES, José Mário; RIBEIRO, Osvaldo Luiz (Orgs.). Ciências das religiões aplicadas: interfaces de uma ciência-profi ssão. Vitória: Unida, 2014.

ROCHA, Bruno de Carvalho. O mundo mítico-poético de Baco Exu do Blues: erotismo e religiões no rap. Revista Unitas, v. 9, n. 2, p.104-127, 2021.

ROCHA, Bruno de Carvalho. Um corpo herético no rap: Uma teopoética erótica em Alice Guél. Mandrágora, v. 26, n. 2, p. 31-57, 2020.

ROCHA, Bruno de Carvalho. Rap e religião: análise do imaginário religioso em Racionais Mc’s. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Diretoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2022.

SALGADO, Marcus Rogério. Entre ritmo e poesia: rap e literatura oral urbana. Revista Scripta, v. 19, n. 37, 2º sem. 2015.

SANTOS, Sandra Mara Pereiros. Relações de Gênero no cenário do rap brasileiro: mulheres negras e brancas. Colóquio Internacional Culturas Jovens Afro-Brasil América: Encontros e Desencontros Anais do Primeiro Colóquio Internacional Culturas Jovens Afro-Brasil América: Encontros e Desencontros. São Paulo, abr. 2012.

SCOTTON, Raquel Turetti. Um talo de arruda que vale uma floresta: As representações sociais das religiões afro nas letras de rap. Juiz de Fora, 2019. 155 p. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019. [Orientada por Profª Drª. Sônia Regina Corrêa Lages].

SILVA, José Carlos Gomes. Arte e educação: a experiência do movimento Hip Hop paulistano. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

SILVA, Maria Aparecida. Projeto Rappers: uma iniciativa pioneira e vitoriosa de interlocução entre uma Organização de Mulheres Negras e a juventude no Brasil. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

SOUSA, Luis Fernando de Carvalho. O êxodo profético do rap: Mano Brown e Racionais Mc´s sob um olhar teológico pluralista. In: (org) RIBEIRO, Cláudio de Oliveira. O princípio pluralista em debate. São Paulo: Recriar, 2021.

SOUZA, Ana Lucia Silva. Letramentos de Reexistência: culturas e identidades no movimento hip hop. Campinas/SP, 2009. 219p. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de Reexistência: Poesia, Grafite, Música, Dança: Hip-Hop. São Paulo, Parábola, 2011.

TEPERMAN, Ricardo. “O rap radical e a ‘nova classe média’”. Psicologia USP, n.1, v.26, p. 37-42, 2014.

TELLA, Marco Aurélio Paz. Rap, memória e identidade. IN: Rap e educação, rap é educação ANDRADE, Elaine Nunes (org.). São Paulo: Summus, 1999.

ZIBORDI, Marcos Antônio. O rap como religião de salvação. Comunicação e Inovação, São Caetano do Sul, v.14, n. 27, p.83-88, jul-dez, 2013.

Racionais Mc’s. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das letras, 2018.

TAKAHASHI, Henrique Yagui. Evangelho segundo Racionais Mc’s: ressignificações religiosas, políticas e estético-musicais nas narrativas do rap. São Carlos, 2014. 160 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014. [Orientado por Prof. Dr. Gabriel de Santis Feltran].

TEPERMAN, Ricardo Indig. Tem que ter swing: batalhas de freestyle no metrô Santa Cruz. Dissertação (mestrado em sociologia), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. p.274, 2011.

TOBIAS, Vinicius. Os yoguins do séc. XXI: o aprendiz orientalista pós-tradicional na música de BNegão e Walter Franco. Juiz de Fora, 2018. 164 p. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. [Orientado por Prof. Dr. Marcelo Ayres Camurça].

ULRICH, Claudete Beise; GONÇALVES, José Mario. O estranho caso do Ensino Religioso: contrações legais e questões epistemológicas. Estudo Teológicos, São Leopoldo, v.58, n.1, p.14-27, jan./jun., 2018.

UMBELINO, Tâmara Lis Reis. Hip Hop Gospel como ferramenta de visibilidade para jovens negros pobres e evangélicos. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Juiz de Fora, 2008.

ZIBORDI, Marcos Antônio. Hip hop paulistano, narrativa de narrativas culturais. Tese (Doutorado em Comunicação Social) - Escola de Comunicação e Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

ZIBORDI, Marcos Antônio. O rap como religião de salvação. Comunicação e Inovação, São Caetano do Sul, v.14, n. 27, p.83-88, jul-dez, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-26

Como Citar

CARVALHO ROCHA, B. "Rap é educação", rap e religião: propostas para o Ensino Religioso. Sacrilegens , [S. l.], v. 19, n. 1, 2022. DOI: 10.34019/2237-6151.2022.v19.37652. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/37652. Acesso em: 26 set. 2022.