Cuando el Peregrino Comulga con el Turismo: sobre la inclusión de una dimensión turismológica en la antropología del peregrinar

Palavras-chave: Turismo; Antropologia; Movilidade; Sagrado; Peregrinação.

Resumo

Este texto procura mostrar como a abordagem antropológica das peregrinações passou a incorporar uma dimensão turismológica em seus modelos de análise, transcendendo a dicotomia ‘sagrado/profano’ onde turismo e peregrinação aparecem como práticas opostas e incompatíveis. Isso ficará evidente através da apresentação dos principais modelos com que a Antropologia tem abordado a instituição da peregrinação; uma prática espacial que devido às suas características tão particulares apresenta variados desafios tanto teóricos quanto metodológicos. A partir do modelo clássico e hegemônico, de Victor e Edith Turner, durante mais de uma década, no qual se entende o peregrinar como um fenômeno liminar y propiciador de antiestrutura ou communitas, se passará a modelos contemporâneos que vão além do âmbito do sagrado e fazem foco nas interfaces entre esta prática e outras dinâmicas de mobilidade como é o próprio turismo e tudo o que esta atividade implica. Ao contrário de entender as figuras do peregrino e do turista como diferentes e antagônicas, representando uma o sagrado e outra o profano, começa a ser levada cada vez mais em conta a ideia de que um mesmo sujeito pode ser peregrino e turista, ou que o peregrinar na atualidade além de comportar em grande medida uma dimensão sagrada inevitavelmente também leva consigo uma dimensão que remete a diversos fenômenos culturais vinculados ao consumo e ao lazer. Finalmente, apresenta-se alguns correlatos empíricos onde as suas abordagens resultaram emblemáticas a esta mudança de visão, procurando mostrar alguns aportes da Antropologia do Peregrinar para pensar as peregrinações desde os estudos turísticos.

Biografia do Autor

Martín Fabreau, Área de Estudios Turísticos - Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación - Universidad de la República (AET - FHCE - UDELAR).
Profesor Adjunto de Sociología del Turismo en el Área de Estudios Turísticos de la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación.Doctor por el Programa de Pós-Graduação em Antropologia de la Universidade Federal de Pernambuco.

Magíster en el Programa de Pós-Graduação em Antropología de la Unversidade Federal de Pernambuco.

Licenciado en Antropología Opción Investigación por la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación - UDELAR. 

Referências

Badone, E. & Roseman, S. (2004). Approaches to the Anthropology of Pilgrimage and Tourism. En: Badone, E. & Roseman, S. Intersecting Journeys. The Anthropology of Pilgrimage and Tourism. (pp. 1 – 23). University of Illinois Press. USA.

Barretto, M. (2009). Interfaces entre Turismo e Migrações: uma Abordagem Epistemológica. Passos. Revista de Turimo e Patrimônio Cultural. 7(1), 1 – 11.

Bauman, Z. (1999). La Globalización. Consecuencias Humanas. FCE. Buenos Aires.

Carneiro, S. de S. (outubro de 2004). Novas Peregrinações Brasileiras e suas Interfaces com o Turismo. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, 6(6), 71-100.

Carneiro, S. de S. (Jan./Jun de 2012). As Peregrinações como Atrações Turísticas. Espaço e Cultura. UERJ, RJ, (31), 66-79.

Clifford, J. (1999a). Prólogo: in media res. En: Clifford, J. Itinerarios transculturales. (pp. 11-25). Gedisa editorial. España.

Clifford, J. (1999b). Prácticas espaciales: el trabajo de campo, el viaje y la disciplina de la antropología. En: Clifford, J. Itinerarios transculturales. (pp. 71-119). Gedisa editorial. España.

Coleman, S. (2002). Do you believe in pilgrimage?: Communitas, contestation and beyond Anthropological Theory. 2(3), 355- 368.

Coleman, S. & Eade, J. (2004). Reframing Pilgrimage. Routledge. USA.

Coles, T.; Duval, D.; & Hall, M. (2005). Sobre el Turismo y la Movilidad en Tiempos de Movimiento y Conjetura Posdisciplinar. Política y Sociedad. 42(1), 85-99.

Csordas, T. J. (Mar. 1990). Embodiment as a Paradigm for Anthropology. Ethos, 18(1), 5-47.

DaMatta, R. (2000). Individualidade e liminaridade: considerações sobre os ritos de passagem e a modernidade. Mana [online], 6(1), 7-29.

Durkheim, É. (2008 [1912]). Las formas elementares de la vida religiosa. Paulus. São Paulo.

Paula, Á. T. de; Herédia, V. (Jan./Abr. 2018). A “Turistificação” de um lugar de Memória É Possível? Um Estudo Sobre o Sítio Arqueológico do Cais do Valongo (Rio De Janeiro, Brasil). Revista Anais Brasileiros de Estudos Turísticos/ ABET, Juiz de Fora, 8(1), 8-22.

Eade, J.; Sallnow, M. (1991). Contesting the Sacred. The Anthropology of Christian Pilgrimage. Routledge. London/New York.

Falero, A. (2014). Producción del espacio urbano y captación del turismo en un contexto de transformaciones sistémicas globales, trabajo contenido. En: Falero, A.; Campodónico, R. (comp.) El Turismo Bajo la Lupa Académica. (pp. 89 - 105). Biblioteca Plural, CSIC. Montevideo.

Germiniani, H. C. (2006). A “Santiago de Compostela” Brasileira: Religião, Turismo e Consumo na Peregrinação pelo Caminho da Fé. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião. UFJF – MG. Brasil.

Germiniani, H. C. (1° Semestre de 2009). Turismo-Religioso. No Caminho da fé. Revista Eletrônica de Turismo Cultural. 03(01), 75-94.

Hannerz, U. (Apr. 1997). Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional. Mana. 3(1). Rio de Janeiro.

Hervieu-Léger, D. (2005 [1999]). O peregrino e o convertido. A religião em movimento. Gradiva. Lisboa.

Jácome, G. A. (Set./Dez. 2016). Turismo Religioso: O Caso do Jubileu de Conceição do Mato Dentro e do Impacto da Mineração na Região (Minas Gerais/Brasil). Revista Anais Brasileiros de Estudos Turísticos/ ABET, Juiz de Fora, 6(3), 30-43.

Jamal, T.; Robinson, M. (2009). Introduction: The Evolution and Contemporary Positioning of Tourism as a Focus of Study." In: The SAGE Handbook of Tourism Studies. (pp. 1- 16). SAGE Publications. LTD. London.

Leite, N.; Graburn, N. (2009). Anthropological Interventions in Tourism Studies. In: The SAGE Handbook of Tourism Studies. (pp. 35-64). SAGE Publications. LTD. London.

Lash, S.; Urry, J. (1998 [1994]). Economía de Signos y Espacio. Sobre el Capitalismo de la Posorganización. Amorrortu Editores. Bs. As.

Mitchell, H. (April. 2001). ‘Being there’. British Mormons and the History Trail. Anthropology Today, 17(2), 9-14.

Mora Torres, V. M.; Serrano Barquín, R. Del C.; & Osorio García, M. (2017). El vínculo turismo-peregrinación. Estudios y Perspectivas en Turismo, 26, 86-106.

Ribeiro, G. L. (2011). Antropologia da Globalização. Circulação de Pessoas, Mercadorias e Informações. Série Antropologia – Departamento de Antropologia – UNB,N° 435. Brasília. Consultado en http://vsites.unb.br/ics/dan/Serie435empdf.pdf

Ribeiro, M. (Jul./Dez. 2017). Turismo em Tempos de Modernidade Líquida. Revista Latino-Americana de Turismologia / RELAT, Juiz de Fora, 3(2), 8-23.

Prazeres, J.; Carvalho, A. (Octubre de 2015). Turismo Religioso: Fátima no Contexto dos Santuários Marianos Europeus. En: Pasos. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural. 13(5), 1145-1170.

Salazar, N. (2018). Theorizing mobility through concepts and figures. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, 30(2), 153-168.

Said, E. W. (2002[1978]). Orientalismo Debate. España.

Schramm, K. (2004). Coming home to the Motherland: pilgrimage tourism in Ghana. In: Coleman, Simon; & Eade, John. Reframing Pilgrimage. (pp. 135-152). Cultures in motion. Routledge. London. New York.

Sharpley, R. (2009). Tourism, Religion, and Spirituality. In: The SAGE Handbook of Tourism Studies. (pp. 237-253). SAGE Publications. LTD. London.

Steil, C. (2003). Romeiros e turistas no santuário de Bom Jesus da Lapa. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, 9(20).

Steil, C. A. (jan./abr. 2018). Editorial: Peregrinação: Sentidos e Práticas. Horizonte. PUC - Belo Horizonte, 16(49), 10-13.

Turner, V. (1974 [1969]). O Processo Ritual. Estrutura e Antiestrutura. Editora Vozes. Petrópolis – RJ.

Turner, V. (2008a [1971]). Peregrinações como procesos sociais. En: Turner, V. Dramas, Campos e Metáforas. Ação Simbólica na Sociedade Humana. (pp. 155-214). Editora da Universidade Federal Fluminense. Niterói, R.J.

Turner, V. (2008b [1974]). Metáforas da antiestrutura na cultura religiosa. En: Turner, V. Dramas, Campos e Metáforas. Ação Simbólica na Sociedade Humana. (pp. 253-277). Editora da Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ.

Turner, V. (2008c [1974]). Apresentação. En: Turner, V. Dramas, Campos e Metáforas. Ação Simbólica na Sociedade Humana. (pp. 11-17). Editora da Universidade Federal Fluminense. Niterói, R.J.

Turner, V.; & Turner. E. (1978). Image and Pilgrimage in Christian Culture. Antropological Perspectives. Basil Blackwell. Oxford. UK.

Urry, J. (1996 [1990]). O Olhar do Turista. Lazer e Viagens nas Sociedades Contemporâneas. SESC - Studio Nobel. São Paulo.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Fabreau, M. (2019). Cuando el Peregrino Comulga con el Turismo: sobre la inclusión de una dimensión turismológica en la antropología del peregrinar. Revista Latino-Americana De Turismologia, 5(1 e 2). https://doi.org/10.34019/2448-198X.2019.v5.13956