Programa Mais Médicos: a radiografia de seus entraves e potencialidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-1247.2021.v15.29399

Palavras-chave:

Avaliação de Programas e Projetos de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Médicos, Acesso aos Serviços de Saúde, Medidas de Atitude

Resumo

O Programa Mais Médicos foi criado para amenizar a falta de médicos no país e é alvo de opiniões divergentes, necessitando de análise. Objetivou-se avaliar o programa a partir das atitudes dos médicos e criar um instrumento psicometricamente válido. Trata-se de uma pesquisa multimétodo, em duas fases. Na primeira, realizaram-se entrevistas com 10 médicos, utilizando roteiros semiestruturados, com dados compreendidos por análise de conteúdo. Na segunda, contou-se com uma amostra não probabilística nacional composta por 377 médicos que responderam à escala construída, com dados analisados por meio de estatística descritiva e multivariada. Os resultados identificaram que a eficácia geral do programa é positiva. 

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Campos, G. W., & Pereira Júnior, N. (2016). Primary care in Brazil, and the Mais Médicos (More Doctors) Program in the Unified Health System: achievements and limits. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9), 2655-2663. doi: 10.1590/1413-81232015219.18922016
Caramelli, B. (2013). Os médicos estrangeiros: a questão da língua. Revista da Associação de Medicina Brasileira, 59(5), 407-408.
Castro, T. F. (2015) Reflexões sobre a prática de supervisão no Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (PROVAB) e no Programa Mais Médicos (Dissertação de mestrado). Mestrado Profissional em Saúde Coletiva, Política e Gestão em Saúde. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.
Collar, J. M.; Almeida Neto, J. B. de A., & Ferla, A. A. (2015). Formulação e impacto do programa mais médicos na atenção e cuidado em saúde: contribuições iniciais e análise comparativa. Saúde em Redes, 1(2), 43-56. doi: 10.18310%2F2446-4813.2015v1n2p43-56
Costa, M. C., Melo, C. F., Maciel, R. H., & Santos, J. B. F. (2014). A representação social dos cearenses sobre o programa mais médicos. Em Anais do XX Encontro de Iniciação à Pesquisa – Universidade de Fortaleza, Fortaleza. Recuperado de https://sistemas.unifor. br/encontroscientificos/2015/encontro/918
Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L. & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.
Kemper, E. S., Mendonça, A. V. M., & Sousa, M. F. (2016). The Mais Médicos (More Doctors) Program: panorama of the scientific output. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9), 2785–96. doi: 10.1590/1413-81232015219.17842016
Lei 12.871, de 22 de outubro de 2013. “Programa mais médicos” e o “Projeto Mais médicos para o Brasil”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm
Medina, M. G., Almeida, P. F. Lima, J. G., Moura, D., & Giovanella, L. (2018). Programa Mais Médicos: mapeamento e análise da produção acadêmica no período 2013-2016 no Brasil. Saúde Debate, 42(esp), 346-360. doi: 10.1590/0103-11042018S124
Malta, D. C., Santos, M. A. S., Stopa, S. R., Vieira, J. E. B., Melo, E. A., & Reis, A. A. C. dos. (2016). A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2), 327-338. doi:10.1590/1413-81232015212.23602015
Melo, C. F., Alchieri, J. C., & Araújo Neto, J. L. (2012). Sistema Único de Saúde: uma avaliação realizada em Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Psico-USF, 17(1), 63-72. doi: 10.1590/S141
Melo, C. F., Alchieri, J. C., Magalhães, B. J., Araújo Neto, J. L. (2017). Evaluation of Family Health Strategy in Natal from the beliefs of its users. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental (Online), 9, 620-626.
Melo, C. F., Baião, D. C., & Costa, M. C. (2016). A percepção dos usuários cearenses sobre o programa mais médicos. Gestão e Sociedade (UFMG), 10, 1302, 2016.
Melo, C. F., Baião, D. C., & Rodrigues, S. L. (2016). Avaliação do programa mais médicos: uma revisão sistemática da literatura. Scientia, 3, 1-17.
Melo, C. F., Costa, M. C., & Magalhaes, B. J. (2017). Escala de Avaliação das Percepções sobre o Programa Mais Médicos. Psico-USF, 22(3), 501-513. doi: 10.1590/1413-82712017220310
Oliveira, F. P., Vanni, T., Pinto, H. A., Santos, J. T. R., Figueiredo, A. M., Araújo, S. Q., Matos, M. F. M., & Cyrino, E. G. (2015). Mais Médicos: um programa brasileiro em uma perspectiva internacional. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 19(54), 623-634. doi: 10.1590/1807-57622014.1142
Oliveira, F. P., Santos, L. M. P., & Shimizu, H. E. (2019). Programa mais médicos e diretrizes curriculares nacionais: avanços e fortalecimento do sistema de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 17(1). doi: 10.1590/1981-7746-sol00184
Pasquali L, org. (2007). Teoria e métodos de medida em ciências do comportamento. Brasília: Universidade de Brasília.
Pereira, L. L., Silva, H. P. da, & Santos, L. M. P. (2015). Projeto Mais Médicos para o Brasil: estudo de caso em comunidades quilombolas. Revista da ABPN, 7(16), 28-51. Recuperado de http://www.abpn.org.br/Revista/inde
Ribeiro, R. C. (2015). Programa Mais Médicos – um equívoco conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2), 421-424. doi: 10.1590/1413-81232015202.00812014
Rodrigues, A., Assmar, E. M., & Jablonski, B. (2009). Psicologia Social. 27. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.
Rokeach, M. (1981). Crenças, Atitudes e Valores. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Interciência.
Storti, M. M. T., Oliveira, F. P., & Xavier, A. L. (2017). A expansão de vagas de residência de Medicina de Família e Comunidade por municípios e o Programa Mais Médicos. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 21(Supl. 1), 1301-1314. doi: 10.1590/1807-57622016.0511
Villa Real, G. G. O., Succi, G. M., Montalli, V. A. M., & Succi, R. C. M. (2017). Estudantes e Professores da Área da Saúde Conhecem o Programa Mais Médicos?. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(1), 110-116. doi: 10.1590/1981-52712015v41n1rb20160036

Downloads

Publicado

2020-12-02