Lesbianidade e feminilidade(s) na visão do Teste de Apercepção Temática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-1247.2021.v15.29218

Palavras-chave:

Lesbianidade, Feminilidade, Avaliação psicológica

Resumo

Esta pesquisa objetivou analisar a autopercepção de mulheres lésbicas sobre sua feminilidade, ressaltando as dissonâncias entre mulheres lésbicas e heterossexuais. O instrumento utilizado foi o Teste de Apercepção Temática segundo o sistema morvaliano. Participaram 40 mulheres, entre 25 e 35 anos, metade se identificando como lésbica e a outra metade, como heterossexual. As categorias cujas diferenças de médias resultaram significativas foram Casal, Divertimento, Idealização do Herói, Excitação, Autonomia Antissocial, Dupla, Nutrição Exercida e Conformismo. Pode-se considerar que não haveria uma feminilidade “típica” que diferencie mulheres lésbicas e heterossexuais, uma vez que a feminilidade aparenta provir de vivências subjetivas.

Referências

Barros, M. C., Natividade, J. C., & Hutz, C. S. (2013). Construção e Validação de Uma Medida de Papéis de Gênero. Avaliação Psicológica, 12(3), 317–324.
Berttran, D. E. (2017). A Constituição do Vínculo e o Legado Familiar Heteronormativo em casais Homossexuais Longevos, Femininos e Masculinos (Tese de Doutorado em Psicologia Clínica). Universidade de São Paulo, São Paulo.
Bonfim, F. (2014). Todo fálico e não-todo: Construções lacanianas sobre a sexuação. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(1), 201–213. https://doi.org/10.12957/epp.2014.10476
Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
Butler, J. (1993). Bodies that matter: On the discursive limits of sex. New York: Routledge.
Campos, L. S., & Guerra, V. M. (2016). O ajustamento familiar: Associações entre o apoio social familiar e o bem-estar de homossexuais. Psicologia Revista, 25(1), 33–57.
Campos, R. C. (2013). Além dos números há uma pessoa: Sobre a utilização clínica de testes. Avaliação Psicológica, 12(3), 291–298.
Collette, A. (1978). Símbolos e simbolismo. In Introdução à psicologia dinâmica: Das teorias psicanalíticas à psicologia moderna (p. 243–264). São Paulo: Companhia Editora Nacional.
Costa, A. B., & Nardi, H. C. (2013). Diversidade Sexual e Avaliação Psicológica: Os Direitos Humanos em Questão. 33(Especial), 124–137.
Eribon, D. (2008). Reflexões sobre a questão gay (P. Abreu, Trad.). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
Esteca, F. M. (2016). Impactos da heteronormatividade sobre a conjugalidade lésbica: Uma análise psicanalítica a partir do relato de mulheres separadas (Tese de Doutorado em Psicologia Clínica, Universidade de São Paulo). Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-16082016-104310/pt-br.php
Ferreira, M. L. R. (2014). A mulher como o “outro”—A filosofia e a identidade feminina. Filosofia. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 24(1), 139–153. http://dx.doi.org/10.21747/528
Freud, S. (2018). A Feminilidade (1933). In M. R. S. Moraes (Trad.), Amor, Sexualidade, Feminilidade (1o ed, p. 313–345). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Freud, S. (2018). Sobre a Sexualidade Feminina (1931). In G. Iannini & P. H. Tavares (Orgs.), & M. R. S. Moraes (Trad.), Amor, Sexualidade, Feminilidade (p. 285–312). Belo Horizonte: Autêntica.
Freud, S. (2018). Algumas Consequências Psíquicas da Distinção Anatômica entre os Sexos (1925). In M. R. S. Moraes (Trad.), Amor, Sexualidade, Feminilidade (1o ed, p. 259–276). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Freud, S. (2018). Organização Genital Infantil (1923). In M. R. S. Moraes (Trad.), Amor, Sexualidade, Feminilidade (1o ed, p. 237–245). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Freud, S. (2011). Sobre a psicogênese de um caso de homossexualidade feminina (1920). In P. C. Souza (Trad.), Psicologia das Massas e Análise do Eu e Outros textos (1920-1923) (p. 114–149). São Paulo: Companhia das Letras.
Gato, J., Fontaine, A. M., & Leme, V. B. R. (2014). Validação e Adaptação Transcultural da Escala Multidimensional de Atitudes Face a Lésbicas e a Gays. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(2), 257–271. https://doi.org/10.1590/1678-7153.201427206
Góis, J. B. H. (2003). Desencontros: As relações entre os estudos sobre a homossexualidade e os estudos de gênero no Brasil. Revista Estudos Feministas, 11(1), 289–297.
Guimarães, A. F. P. (2013). “Uma Lésbica é uma Mulher?”: Vozes e Silêncios (Dissertação de Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, Universidade Federal da Bahia). Recuperado de https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/14306/1/Anderson.pdf
Lacan, J. (1999). Os Três Tempos do Édipo. In V. Ribeiro (Trad.), O Seminário. Livro 5: As formações do inconsciente (p. 185–203). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.
Lessa, P. (2007). O feminismo-lesbiano em Monique Wittig. Revista Ártemis, 7, 93–100.
Matos, M. (2010). Movimento e teoria feminista: É possível reconstruir a teoria feminista a partir do sul global? Revista de Sociologia e Política, 18(36), 67–92.
Maurano, D. (2013). Nos meandros do continente negro: Questões sobre a homossexualidade feminina. In A. Quinet & M. A. C. Jorge (Orgs.), As Homossexualidades na Psicanálise—Na história de sua despatologização (p. 315–324). São Paulo: Segmento Farma.
Morais, B. de L. (2017). Corpos profanos: Rascunhos sobre a heterossexualidade compulsória e um feminismo lésbico. Revista Textos Graduados, 3(1), 81–92.
Murray, H. A. (2005). Teste de Apercepção Temática (3o ed). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Paoliello, G. (2013). A Despatologização da Homossexualidade (A. Quinet & M. A. C. Jorge, Orgs.). São Paulo: Segmento Farma.
Peres, M. C. C., Soares, S. F., & Dias, M. C. (2018). Dossiê sobre lesbocídio no Brasil: De 2014 até 2017. Rio de Janeiro: Livros Ilimitados.
Pickmann, C.-N. (2005). Feminilidade e homossexualidade feminina: A retomada do amor. In A Clínica Lacaniana: Vol. 4. As Homossexualidades (p. 69–93). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
Portinari, D. (1989). O discurso da homossexualidade feminina. São Paulo: Editora Brasiliense.
Quinet, A. (2012). Os Outros em Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Rich, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas, 5, 18–44.
Riggle, E. D. B., Whitman, J. S., Olson, A., Rostosky, S. S., & Strong, S. (2008). The positive aspects of being a lesbian or gay man. Professional Psychology: Research and Practice, 39(2), 210–217. http://dx.doi.org/10.1037/0735-7028.39.2.210
Safra, G. (2009). Os registros do masculino e feminino na constituição do self. Jornal de Psicanálise, 42(76), 77–89. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65641997000100007
Scaduto, A. A., & Barbieri, V. (2013). Em defesa do TAT: uma revisão crítica das pesquisas sobre o teste no Brasil. Avaliação Psicológica, 12(3), 299–305.
Soler, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Zahar.
Teixeira, M. do R. (1991). A Feminilidade na Psicanálise. In Coleção Discuso Psicanalítico: Vol. 1. A Feminilidade na Psicanálise e outrso ensaios (p. 11–54). Salvador: Ágalma.
Vandenbos, G. R. (2010). Dicionário de Psicologia American Psychological Association. Porto Alegre: Artmed.
Winnicott, D. W. (2005). Sobre os elementos femininos e masculinos ex-cindidos (1966). In Explorações psicanalíticas (p. 133–143). Porto Alegre: Artmed.
Wittig, M. (1992). The Straight Mind ans Other Essays (2o ed). Boston: Beacon Press.

Downloads

Publicado

2020-12-02